Bonde - O Maior Portal do Paraná
Diversão e Cultura
21/11/2013 -- 10h54

Grafiteiro de Londrina expõe obras inspiradas em tribos africanas

Exposição "Africanidade em Traços" tem início nesta quinta-feira (21) e se encerra na sexta-feira (22)

Samara Rosenberger - Redação Bonde
QR:
Add to Flipboard Magazine.

O VI Simpósio Estadual de Formação de Professores de Sociologia receberá a exposição "Africanidade em Traços", do grafiteiro Tadeu Roberto de Lima Jr., mais conhecido como Carão. O artista de 32 anos se inspirou em imagens das tribos Hamer, Surma e Mursi, do Vale do Omo, nas fronteiras da Etiópia, Quênia e Sudão para fazer uma releitura com o grafite, arte praticada com spray e tinta.

"Escolhi esse tema pela minha descendência africana e intervenções corporais, fora a beleza", diz Carão. A mostra tem início nesta quinta-feira (21), no Anfiteatro Maior do CCH da Universidade Estadual de Londrina (UEL), às 20h30 e se encerra na sexta-feira (22).

Divulgação
Divulgação


Sobre o artista

Tadeu Roberto Fernandes de Lima Jr., mais conhecido como Carão, nasceu no bairro João Paz, zona norte de Londrina. Descobriu o talento para a arte ainda criança, ao desenhar nos papéis e cadernos da escola.

Em 2000, participou da primeira oficina de grafiteiros realizada na cidade. Até então, os traços não passavam de linhas e escrita. "A partir daí, comecei a usar técnicas de spray. Passei a ter contato com o grafite nova-iorquino um pouco depois", conta.

Carão estreou suas habilidades no grafite pela primeira em um muro da escola do João Paz. "Pratiquei naquele muro. Pedia para o caseiro e ele deixava. Eu pintava com permissão e não cobrava nada", explica. Depois de aperfeiçoar sua técnica, deixou marcas na França, Argentina, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Ponta Grossa. Em Londrina, conheceu outros grafiteiros e formou a crew (nome dado a um coletivo de grafiteiros) "Capstyle". "Temos muitos grafiteiros bons aqui, a qualidade é muito alta. Mas não temos apoio, nem da iniciativa privada, nem da pública", diz.

Divulgação
Divulgação


Apesar de não morar mais na zona norte, o artista carrega suas raízes na pele e também as estampa em suas obras. "Tenho tatuagem da zona norte. Hoje não existe mais essa identidade com o lugar de onde você veio. Me orgulho de ter nascido lá. Vi asfaltar o bairro, modificar as coisas. Tenho isso comigo", conta.

Como poderá ser visto nas obras expostas na UEL, o trabalho de Carão tem como principal característica o realismo. "Grafito o mais real possível. Por exemplo, qualquer coisa que eu vou fazer, tem um 3D na letra, um quê de realismo. Tanto é que, quando comecei a desenhar, fazia caricaturas", detalha.

Divulgação
Divulgação


Além de grafiteiro, Carão é tatuador e tem um estúdio em Londrina. "Tem a ver com o mundo underground. Eu já tinha aptidão para o desenho, então decidi fazer tatuagem", revela. "Dá para viver de grafite, mas hoje ele apenas complementa minha renda. Meu trabalho evoluiu, tem uma procura muito legal por grafite", conclui.
Abaixo, usuários do Facebook que comentaram outras notícias no Bonde
Plugin gerado com dados do Facebook com a App - Última atualização: 29/08/2014 23:35
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 
PUBLICIDADE