Falando de Literatura - Isabel Furini
31/08/2015 - 12:17
  RSS  
Poema e fotografia de Alvaro Posselt.
Poema e fotografia de Alvaro Posselt.

O projeto Poesia em Cores inaugura seu sexto mural com poemas do poeta Alvaro Posselt.

Alvaro Possel é poeta minimalista, formado em Letras, e com dois livros publicados Tão Breve Quanto o Agora e Entre Arranhões e Lambidas - haicais & gatos, podem ser adquiridos com o autor. https://www.facebook.com/alvaroposselt?fref=ts

Poemas e fotografia de Alvaro Posselt.
Poemas e fotografia de Alvaro Posselt.
30/08/2015 - 10:30
  RSS  
Vanice Ferreira, Neyd Montingelli, leitor, Susana Arceno Silveira e Isabel Sprenger Ribas.
Vanice Ferreira, Neyd Montingelli, leitor, Susana Arceno Silveira e Isabel Sprenger Ribas.


Em 26 de agosto o Instituto Memória de Curitiba lançou vários livros, entre eles, o romance Aconteceu em Curitiba, que foi escrito por vários autores e revisado por Neyd Montingelli e Jocelino Freitas, escritores que também participaram como autores da obra.


Também o artista plástico Di Magalhães lançou o livro "Curitiba em Bico de Pena".

Di Magalhães e Arriete Rangel de Abreu.
Di Magalhães e Arriete Rangel de Abreu.


O texto que está na continuação é da escritora Arriete Rangel de Abreu, criadora do projeto SemeArte.

"Noite de lançamentos literários e congraçamento entre escritores e amigos, que estiveram reunidos no Memorial de Curitiba em evento realizado pelo editor Anthony Leahy do Instituto Memória e que contou com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba. Destacamos as presenças do presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcos Cordiolli e da vice presidente do Centro Paranaense Feminino de Cultura, Céres De Ferrante.

Mensalmente o Instituto Memória realiza o lançamento de obras literárias e artísticas que abrangem várias áreas, seja livros técnicos, científicos. romances. história, poesias, contos, etc.
O editor Anthony Leahy não poupa esforços e dedicação para trazer ao alcance dos leitores, nomes consagrados ou de iniciantes, porém todos imbuídos pelo firme propósito de fazer chegar as mãos dos aficcionados da leitura ótimas opções literárias.

A oportunidade que Athony Leahy oferece aos novos escritores, faz do Instituto Memória verdadeiro laboratório da escrita, tornando-o indispensável diante do respeito e credibilidade alcançadas em seus 15 anos de existência.

SemeARTE sempre apoiará as instituições que escrevem a cultura através do exercício prático da cidadania.

Sonhar não basta para que se fundamentem os ideais. Torná-los reais faz-se imprescindível.
Cumprimentamos a todos: editor, escritores e leitores que juntos mostraram que as noites podem ser festivas.e enriquecedoras entre livros e amigos." 26.08.15

Crédito fotográfico: SemeARTE (Arriete Rangel de Abreu).

Os livros podem ser adquirido pelo site da editora Instituto Memória.
Editor Anthony Leahy e Isabel Sprenger R
Editor Anthony Leahy e Isabel Sprenger R


Rosalina C. Carvalho, Renata Montingelli, Arriete Rangel de Abreu e Vanice Ferreira.
Rosalina C. Carvalho, Renata Montingelli, Arriete Rangel de Abreu e Vanice Ferreira.


Escritora Neyd Montingelli
Escritora Neyd Montingelli

Escritor Jocelino Freitas.
Escritor Jocelino Freitas.
28/08/2015 - 15:51
  RSS  
Nos Jogos Florais de Curitiba 2015 o desafio era escrever uma trova sobre a Gralha Azul

Categoria Estadual
Tema Gralha Azul
3a. e 11a. colocação

[b]A Gralha Azul quando voa
espalhando o seu pinhão,
com a semente abençoa
cada canto deste chão.


Gralha Azul, qual fazendeiro
semeando o seu pinhão.
faz nascer mais um pinheiro,
construindo esta nação!




José Feldman, nascido em São Paulo/SP, em 1954. Radicado no Paraná desde 1999, reside em Maringá. Escritor, poeta, trovador, gestor cultural e editor virtual do Almanaque Chuva de Versos que está no número 420, disponível gratuitamente em http://independent.academia.edu/JoseFeldman. Criador dos blogs http://singrandohorizontes.blogspot.com.br e http://universosdeversos.blogspot.com, em atividade desde 2007 . Conselheiro Estadual do Paraná do Movimento União Cultural, presidente estadual do Paraná da Academia de Letras do Brasil, cadeira n.1, patrono Paulo Leminski. Membro correspondente das Academias de Letras de Teófilo Otoni/MG e Academia Formiguense de Letras/MG, membro da Associação Poetas Del Mundo, Casa do Poeta Lampião de Gaz, de São Paulo, Ordem Nacional dos Escritores, Sociedade Mundial de Poetas, Unión Hispanomundial de Escritores, União Brasileira dos Trovadores.
24/08/2015 - 20:57
  RSS  
Fui empossada Membro Correspondente Cadeira número 19 da ALB (Academia de Letras do Brasil/ Araraquara). Agradeço de coração o apoio de sua digna Presidente Michelle Zanin, quem trabalha em prol da cultura organizando livros e eventos e divulgando os trabalhos literários dos membros da Academia e de outros literatos e poetas.

21/08/2015 - 14:49
  RSS  
O editor Anthony Leahy, do Instituto Memória de Curitiba, gosta de inovar, abrir novos caminhos. Nesta oportunidade, ele desafiou um grupo de escritores para realizar um trabalho singular: escrever um capítulo do romance Aconteceu em Curitiba. Diversos estilos marcam a obra. Cada autor respeitou o trabalho dos colegas e continuou a obra. Jocelino Freitas teve o difícil trabalho de escrever o capítulo final.

Anthony Leahy esclarece:

"Um livro escrito cooperativamente, onde a história foi construída a partir da integração dos capítulos desenvolvidos individualmente. Cada autor começou de onde o último parou, ou seja, após recebimento dos capítulos anteriores e deu prosseguimento à trama, com total liberdade, mas sempre mantendo a coerência narrativa da história. Surpreendente!"

Anthony Leahy
Anthony Leahy


AUTORES PARTICIPANTES: Isabel Furini, Isabel Sprenger Ribas, Neyd Montingelli, Susana Arceno Silveira, Rosalina Candida Carvalho , Renata Montingelli Espinola Trento, Elieder Corrêa da Silva, Vanice Zimerman Ferreira, Jocelino Freitas, Alice Fátima Martina/JBamberg.

Capa com foto de Eduardo Pioli Alberti.

Copydesk/Revisão final: Jocelino Freitas - Neyd Montingelli.

O artista plástico Carlos Zemek, o editor Anthony Leahy e o escritor Jocelino Freitas.
O artista plástico Carlos Zemek, o editor Anthony Leahy e o escritor Jocelino Freitas.

Copydesk/copidesque é uma revisão feita no texto visando o seu aprimoramento e unicidade, sem mudança das ideias e conceitos originais. É uma revisão que se preocupa com o ritmo, coerência e estruturação das ideias e do desenvolvimento da história.

LANÇAMENTO EM 26/08/15 - 18H00 - MEMORIAL DE CURITIBA

21/08/2015 - 01:11
  RSS  
Salto no vazio! Trapezistas pulam dos trapézios,
mexem-se no ar como gaivotas sem asas
desenham arcos e abraçam
um outro trapézio.

Escritores são trapezistas das letras,
dos parágrafos, das idéias.
Cada livro é um salto mortal!
Escritores saltam no vazio e expõem-se as críticas.

No lançamento
se alguém insinua com ironia falta de simetria
ou narrativa desconexa,
estende-se um burburinho
e o escritor é desmembrado entre as folhas de seu livro.

ISABEL FURINI
19/08/2015 - 17:29
  RSS  
Texto e fotos de Arriete Rangel de Abreu criadora do projeto Semearte:

A Academia de Cultura de Curiiba - ACCUR, comemorou em15.08.2015, os 23 anos da sua fundação.
Com evento realizado na sede do Circulo de Estudos Bandeirantes - PUCPR, que reuniu autoridades, acadêmicos e convidados, a presidente, Acadêmica Maria Inês Pierin Borges da Silveira recebeu a todos com simpatia e dinamismo.

Arriete Rangel de Abreu e Maria Inês Pierin Borges da Silveira.
Arriete Rangel de Abreu e Maria Inês Pierin Borges da Silveira.


Na solenidade foi prestada homenagem à memória dos acadêmicos falecidos seguido de um minuto de silêncio.

Recebeu homenagem especial o Acadêmico João Darcy Ruggeri, presidente da Academia por mais de doze anos, que junto com a presidente descerrou o quadro inaugural da galeria dos ex-presidentes, que citados foram nos pronunciamentos proferidos.

Tomaram posse novos acadêmicos e foram outorgados Diplomas de Acadêmicos Beneméritos.
A cerimônia contou com o brilhantismo das peças musicais apresentadas por acadêmicos, sendo encerrada com o Hino da Academia de Cultura de Curitiba.

Todos os presentes foram convidados para o coquetel oferecido ao final do evento.
Parabéns Academia de Cultura de Curitiba!
ACCUR: momentos de SemeARTE!
Créditos fotográficos: SemeARTE (Arriete Rangel de Abreu)





Isabel S. Ribas, Chloris Casagrande Justen e o talentoso Josh Berveglieri.
Isabel S. Ribas, Chloris Casagrande Justen e o talentoso Josh Berveglieri.
18/08/2015 - 00:16
  RSS  
Biblioteca Mário Lobo completa dois anos com programação especial

A Biblioteca Pública Mário Lobo (BPML), em Paranaguá, promove uma programação especial entre 17 e 19 de agosto. As atividades fazem parte da comemoração de dois anos da instituição, que é a primeira sucursal da Biblioteca Pública do Paraná. Serão realizadas, entre outras atividades, oficinas e contação de histórias. Também estão previstas visitas de alunos de escolas públicas da região. A entrada é franca.

Um dos destaques da programação é a exposição dos alunos do Colégio Bom Jesus, que produziram desenhos em homenagem à Biblioteca. No segundo dia de evento (18), a escritora Cecília Ferreira Leal participa de um bate-papo. O último dia de programação (19) será dedicado à musica. A partir das 15h, o coral infantil da Secretaria Municipal de Educação Integral se apresenta. Às 18h, o cantor lírico Wanderlem Silva e a pianista
Marília Cavalari realizam o recital "Série amazônica: as lendas brasileiras". Na sequência, às 19h, os professores de música da Casa Brasílio Itiberê fazem uma performance.

Para o Diretor da Biblioteca Pública do Paraná, Rogério Pereira, essas atividades reafirmam a importância da Biblioteca Mário Lobo na cultura de Paranaguá. "Em dois anos, a Biblioteca se transformou em um importante centro cultural da cidade. Além de contar com um ótimo acervo, realiza diversas atividades que aproximam crianças e adultos do livro e da literatura."

Histórico
A Biblioteca Pública Mário Lobo iniciou suas atividades em agosto de 2013. Primeira sucursal da Biblioteca Pública do Paraná no Estado, a BPML foi instalada em um edifício histórico, que até 2007 abrigava a Santa Casa da cidade.

O novo espaço recebeu um acervo de 10 mil volumes, que inclui livros de Literatura, Artes Visuais, História e Geografia, entre outras áreas do conhecimento. O prédio foi completamente reformado, ganhou mobiliário, equipamentos de informática, auditório e espaço para exposições.

O projeto da Biblioteca Pública Mário Lobo foi realizado pela Associação dos Amigos da Biblioteca Pública do Paraná e viabilizado pelo Ministério da Cultura, via Lei Rouanet com patrocínio da Renault do Brasil, Copel e Terminal de Contêineres de Paranaguá.


Biblioteca Mário Lobo - Paranaguá
Biblioteca Mário Lobo - Paranaguá

Programação

Dia 18
9h — Programação escolas
13h30 às 17h30 — Hora do conto: "Contos africanos", "O papagaio que não gostava de mentiras" e "O tatu, a onça e a coruja"
Oficina — Confecção de coruja reciclável com rolinho de papel higiênico.
16h — Bate-papo com a escritora Cecilia Ferreira Leal

Dia 19
9h — Programação escolas
13h — Hora do conto: "O porquinho e o lobo mau" e "O pato e a raposa".
Oficina: Cofrinho de porquinho reciclável com rolinho de papel higiênico
15h — Coral infantil da Secretaria Municipal de Educação Integral
16h — Mostra dos desenhos em homenagem à BPML feita pelos alunos do Colégio Bom Jesus
18h — Recital "Série amazônica: as lendas brasileiras", com Wanderlem Silva e Marilia Cavalari
19h — Apresentação dos professores de música da Casa Brasílio Itiberê
Fonte: BPP
17/08/2015 - 12:41
  RSS  
Vesti uma camisa vermelha e saí por aí... Voltei para a casa, espancado, e de SAMU! Socorro! Todos são, seres humanos, até que se prove o contrário! Essa afirmação aparentemente insana e distante de nós. Algo como um profeta anunciando o Apocalipse. Está na verdade, muito próxima, e presente em nossa vida diária.

O mundo não precisa ser letrado para Ser Simbólico. Todas as ações, cores, sons e gestos dos outros são informações do mundo externo repercutindo em se tornar conhecido ao nosso Ser. Somos, iguais e diferentes, ao mesmo tempo. Seres Paradoxais, pertencentes à mesma espécie como Ser, dito humanos. Porém, diferentes no nosso modo único de captar, pensar, sentir e interagir no mundo. Apenas, vemos uma parte do Mundo sem enxergar toda a sua imensidão! Ao se saber disso, faz com que o Ser reconheça o seu real tamanho, promovendo o estado de humildade essencial, em nós. Palavra essa, que vem do radical, húmus, a capacidade de sermos férteis à novas ideias, em Vida!

O Seu Ponto de Vista defendido, com unhas e dentes, se torna apenas, um ângulo seu, o da Vista do Ponto! Essa é a fórmula individual da tão almejada cultura da Paz coletiva, que está em nossas mãos, ao nosso alcance, por atitudes preventivas internas diárias, em nós.

Mas, o triste é que o Ser Humano deixa de ser, sua essência humana, provando o contrário! Preso, inflexível e cristalizado, ao MEU ponto de vista, que é meu, em pronome de tratamento bem possessivo, determina o "Eu" como medida de todas as coisas, e o diferente e o desconhecido, a mim, se torna ameaçador, e na lei "da sobrevivência da espécie" ao MEU EGO, eles devem ser exterminado e não ter o direito de viver co habitando o MEU mundo!

Assim, se dá o mecanismo inconsciente de defesa, na criação dos conceitos prévios, os "pré-conceitos" que são crenças limitadoras quando não questionados à luz da razão.

Um espelho desse mecanismo individual, em comportamento ao coletivo, gera a violência: em batalhas, guerras e manifestações vicerais do MEU ponto de vista e não a flexibilidade que o MEU é a Vista de um Ponto, apenas!

Violência, esta, vinculada em distantes noticiários, presenciada na pele, por meu amigo, professor de teatro, Diego Davoli que ao assistir passivamente, a uma manifestação de lentes e camisas verde amarela foi, ativamente, espancado por ter sua lente e camisa vermelha! Porém, se fosse todos, daltônicos, essa cor não atrairia essa ira tão grande. Outro amigo, filho de uma amiga da escritora Isabel Furini quase foi preso por usar boina! Símbolo esse, preconceituosamente, atribuído aos comunistas. Meu avô era atista e foi preso na ditadura. Não creio, que em pleno Séc XXI, voltamos à censura e suposições nas escolhas de Vida dos Outros, caracterizando assim, uma guerra civil.

Com surto de violência, a Sociedade se retrocede à fase infantil, do umbigo como centro do universo, contribuindo a essa face egoísta e egoica do Ser Humano na História da Humanidade.

Mas é, com o exercício da humildade, em nós, falo exercício, pois é a prática que nos leva ao aprimoramento, começa a se aceitar a diversidade, ela não é mais ameaçadora ao EGO e sim, bem vinda, a individuação à Essência do nosso Ser Humano.

Com essa nova, Vista do Ponto, proposta: Agora, pouco me importa: qual é a cor da lente que leva aos seus olhos?

Seja a minha verde amarela e você, vermelha ou vice versa. Ela só serve para que se veja o mundo: na sua ótica própria, na sua cor escolhida, em seu modo único de Ser. Se a sua escolha foi vestir a camisa vermelha do Che Guevara, é sua! Pensa só se eu fosse daltônico, e estivesse numa manifestação verde × vermelho, não entenderia o porquê estava acontecendo? Veria ambos os lados, em integração, cinza! O meu simbólico: Ponto de vista, a vista do meu ponto seria Outro, o que não me motivaria, por estes conceitos prévios, te espancar por usar vermelho, ao te eleger como bode expiatório, representante simbólico de uma crença coletiva? Será?

Afinal, Todos são Seres Humanos, até se prove o contrário! Seres humanos são chamados assim, por se supor ter uma parcela do humano, que propicia escolhas e a capacidade, em nós, de humildade, ao raciocinar sobre, refletindo as crenças internas, as questionando e as transformando, de acordo com nosso momento em Vida.

Ou provaremos o contrário, Seres não Humanos, sendo inrracionais, como touros raivosos, correndo violentamente atrás de um tecido vermelho, em movimento.

Mas por que fazem isso? Você me pergunta. Respondo: Porque sim! Porque durante séculos e séculos, sem questionarem, sempre foi assim que se fez!

Carla Ramos é psicóloga.
15/08/2015 - 13:31
  RSS  
Fundação Logosófica lança o livro "Quem sou eu", em Curitiba. O evento contou com palestra sobre o tema na Livraria Cultura.

O livro "Quem sou eu", reúne 23 ensaios selecionados entre trabalhos realizados de uma investigação empreendida por logósofos de diversos pontos do País, sobre a busca do conhecimento de si mesmo. Com formas e estilos variados, "Quem sou eu" foi editado pela Editora Logosófica e apresenta aspectos da vida de seus autores, permitindo que cada leitor promova emocionantes reencontros consigo mesmo.

Cinco estudantes de Logosofia de Curitiba tiveram artigos selecionados para o livro e falarão um pouco mais sobre suas experiências na palestra que acompanhou o lançamento.


Sobre a Logosofia:

Criada em 1930, pelo pensador e humanista Carlos Bernardo González Pecotche, a Logosofia tem a missão de levar o homem, mediante processos sucessivos de superação, a conquistar o domínio consciente de suas possibilidades humanas.
< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >
Isabel Furini
 
Isabel Furini, escritora e educadora. Recebeu prêmios em concursos de poesia e de contos. Publicou 15 livros, entre eles: Mensagens das Flores e Ele e outros contos. Também escreve para o público infanto-juvenil. É autora da coleção "Corujinha e os Filósofos" da Editora Bolsa Nacional do Livro de Curitiba.



ARQUIVO
Mês
Ano
PUBLICIDADE