Blog do Lucio Flávio - Lucio Flávio
26/06/2017 - 10:50
Imprimir Comunicar erro mais opções
Apontado como uma dos candidatos ao acesso na série B de 2017, o Figueirense convive com muitas problemas extracampo e está na zona do rebaixamento da competição.

Chega para enfrentar o Londrina nesta terça-feira (27), no Orlando Scarpelli, com um incômodo jejum de oito partidas sem vencer no Brasileiro.

Como veio da série A, o time catarinense recebe mais de cotas do que a maioria dos rivais da segundona e por isso gastou bem nas contratações como nos casos do atacante Jorge Henrique e do meia Marco Antônio, apenas para citar dois exemplos.

Mas, o clube convive com problemas financeiros, troca de treinadores, chegada e saída de jogadores a todo o instante e isso tem refletido no desempenho da equipe.

As únicas duas vitórias do Figueira foram nas duas primeiras rodadas. Depois, em oito jogos, foram três empates e cinco derrotas. Nem as mudanças de técnicos têm gerado uma postura diferente.

Terceiro treinador do ano, Marcelo Cabo, responsável pelo acesso do Atlético (GO) em 2016, conseguiu seu primeiro pontos apenas no seu terceiro jogo a frente do time. No sábado (24), o Figueira empatou em 1 a 1 com o Santa Cruz, em Recife.

Na vice lanterna, com apenas nove pontos, o Figueirense aposta todas as suas fichas no confronto com o Londrina para iniciar uma recuperação na competição.

Na última partida em casa perdeu para o Luverdense por 3 a 2. Tem cinco jogos como mandante. Perdeu três, empatou um e ganhou um. Até parece um time que eu conheço.

O LEC tem bom retrospecto este ano em Floripa. Em dois jogos pela Copa da Primeira Liga, o alviceleste venceu Figueirense e Avaí, ambos por 1 a 0. Que a história continua da mesma forma. Para o LEC e para o Figueira.

Leia também
Barba e cabelo em Floripa
LEC repete campanha de 2016

24/06/2017 - 19:20
Imprimir Comunicar erro mais opções
O novo tropeço do Londrina no estádio do Café foi amenizado pelo empate nos acréscimos. Pelas circunstâncias e erros cometidos, o 2 a 2 diante do Juventude, na tarde deste sábado (24), pode ser comemorado pelo time e pela torcida. Foi um ponto ganho em um jogo que estava perdido.

O LEC jogou melhor que na derrota para o Criciúma, mas a equipe continua com antigos erros defensivos. Como por exemplo, no primeiro gol gaúcho, sofrido no contra-ataque. A maioria dos 12 gols sofridos pelo time até agora foram assim.

A recomposição defensiva do alviceleste é muito lenta e o time está desorganizado do meio para trás. Junta-se a isso o mau momento individual dos seus defensores.

O Juventude veio para não perder, marcou muito e jogou por uma bola. Por isso o Londrina teve dificuldades nos 20 minutos iniciais. A partir do momento que o time imprimiu velocidade conseguiu chegar com perigo em três vezes.

Na melhor delas, Celsinho e, no rebote, Belusso perderam gol feito. O goleiro Matheus fez milagre na bola e comprovou porque é o melhor goleiro deste início da série B.

Mal começou o segundo tempo e o Londrina errou demais. No primeiro gol, o centroavante Thiago Marques fez a jogada em cima de Silvio e Matheus e serviu Wallacer, que bateu no ângulo.

O time se perdeu e tomou o segundo em nova falha defensiva. Cruzamento de Marques e finalização de primeira de Ramon. A derrota era certa. O time ficou nervoso e a torcida havia perdido a paciência.

Tencati colocou o time a frente com as entradas de Fabinho e Marcinho e tirou, inclusive, o zagueiro Silvio. No primeiro lance, aos 26, Fabinho descontou e abriu uma nova esperança no jogo. Tencati não tinha muitas alternativas, mas foi corajoso e isso levou o time a evitar a derrota.

O técnico Gilmar Dal Pozzo também colaborou com a pressão alviceleste, ao sacar o bom Thiago Marques e deixar seu time sem atacantes. Deu campo e chamou o Londrina para cima.
Quando o Juventude suportava bem a pressão e o Londrina já estava com dez – Jardel havia sido expulso – saiu o empate, aos 46 minutos.

Reginaldo, que já havia feito o cruzamento do primeiro gol, acertou outro belo passe e Belusso fez seu sétimo gol na série B, se isolando ainda mais na artilharia da competição. O centroavante erra uma, duas não.

O empate caiu do céu e evitou um início de crise no alviceleste. Valeu pela entrega, pela disposição e por acreditar até o final. Mas, não pode encobertar os erros do time.
A equipe continua frágil defensivamente e com a incrível sina de vacilar em casa. Dos 18 pontos disputados no Café, o LEC só conquistou seis. Vai fazer muita falta no final.
22/06/2017 - 17:54
Imprimir Comunicar erro mais opções
O Londrina ainda busca mais um zagueiro para integrar o elenco para a sequência da série B. Um dos nomes oferecidos ao clube foi de Alex Silva, hoje com 32 anos, e atuando no Jorge Wilstermann, da Bolívia.

Com a intenção de voltar ao futebol brasileiro, o agente do atleta o ofereceu ao LEC para o restante do Brasileiro. A negociação não evoluiu e já foi finalizada.

O Londrina alegou que o zagueiro foi apenas oferecido e que a contratação seria difícil em razão do jogador ainda estar atuando pelo time boliviano, que está classificado para a segunda fase da Libertadores da América. Outro ponto que atrapalhou é que a janela de transferências internacionais se encerra em 21 de julho.

O agente de Alex Silva informou que o LEC chegou a fazer uma proposta salarial, que não foi aceita pelo jogador. O alviceleste negou a oferta.

Alex Silva, é irmão do também zagueiro Luisão, do Benfica, e jogou no São Paulo, Flamengo e Cruzeiro. Pela seleção brasileira, atuou na Copa América de 2007 e nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

Alex Silva brilhou sobretudo no São Paulo, de onde foi negociado com o Hamburgo, da Alemanha. Se perdeu com o glamour da bola e teve muitos problemas extracampo.

Com isso, nos últimos anos, teve que se contentar em atuar por times pequenos. Pelo Jorge Wilstermann fez duas boas partidas nos duelos com o Palmeiras.

Leia também
Zagueiro renova com o LEC e vai jogar a série A
RGC da CBF garante permanência de artilheiro no LEC
22/06/2017 - 11:07
Imprimir Comunicar erro mais opções
A derrota e, consequentemente, a eliminação pelo Juventude do Campeonato Brasileiro da série D, em 2013, foi umas das mais dolorosas da gestão da SM Sports a frente do Londrina.

Os clubes voltam a se encontrar agora na série B. Aquela tarde de domingo do dia 8 de setembro não sai da cabeça do torcedor alviceleste. Eu estava lá trabalhando e senti na pele a dor que todo o torcedor do LEC sentiu. Realmente não dá para esquecer.

Após vencer a partida de ida no estádio do Café por 1 a 0, o Londrina viu a sua vantagem aumentar ao fazer 1 a 0 com Celsinho, no segundo tempo. O LEC poderia perder até por 2 a 1 que se classificaria.

No fim, o time sofreu um apagão geral e tomou três gols. Os dois últimos foram do centroavante Zulu após os 42 minutos. O Juventude avançaria ainda mais uma fase e subiria para a série C naquele ano.

Os times se enfrentaram em 2015 pela série C. No primeiro turno, 0 a 0 no Café e no returno, 3 a 1, para o LEC, no Alfredo Jaconi. O alviceleste subiria para a B neste ano e o time gaúcho ficaria ainda mais uma temporada na série C.

Mas, a verdade é que poucos se lembram dos mais recentes confrontos, já aquele de 2013 foi inesquecível, mesmo que muito doloroso para a galera azul e branca.

O Juventude chega para o confronto de sábado (24), como a melhor equipe da competição até aqui. Perdeu pela primeira vez na última rodada, ao ser surpreendido pelo Brasil, em Caxias, por 2 a 1.

Assim como o Inter é o time que menos perdeu e tem a melhor defesa, ao lado do Paraná, com cinco gols sofridos. Um dos destaques é o goleiro Matheus Cavichioli, campeão gaúcho ao lado do londrinense Jardel pelo Novo Hamburgo.

Tem alguns jogadores experientes como o lateral Bruno Collaço, o volante Fahel, o meia Wallacer e os atacantes Ramon e Thiago Marques, vice-artilheiro da série B, com cinco gols.

Será um adversário duríssimo para o Tubarão acabar com a sina de tropeços no estádio do Café.
20/06/2017 - 22:57
Imprimir Comunicar erro mais opções
A história do Londrina na série B continua com o mesmo enredo. Grandes partidas fora de casa e tropeços e mais tropeços no estádio do Café.

O time fez um péssimo jogo diante do Criciúma, que mereceu a vitória por 1 a 0, na noite de terça-feira (20). Dos cinco jogos como mandante, o LEC tem uma vitória, dois empates e duas derrotas. Triste sina. Perdeu a chance da segunda vitória seguida e de encostar nos líderes.

O Londrina fez uma das suas piores partidas. E só chutou pela primeira vez aos 33 minutos do segundo tempo, quando já estava atrás do placar. Marcondes ainda perdeu a chance do empate no último lance, ao bater por cima de dentro da pequena área. Foi só isso. É muito pouco.

O time catarinense esteve sempre mais organizado e à vontade em campo. Teve um gol bem anulado e duas grandes chances no primeiro tempo. Não jogou em nenhum momento atrás e foi recompensado com o gol de Silvinho, aos 31 da etapa final.

Os quatro desfalques - Silvio, Matheus, Germano e Ayrton - fizeram falta. A defesa esteve insegura. Igor Miranda foi mal na marcação e não apoiou. Reginaldo foi discreto.

O meio não produziu nada. Faltou saída de bola e troca de passes. O LEC errou 52 passes no jogo. É muita coisa. Jonatas Belusso não teve nenhuma chance para finalizar. Artur foi o que mais tentou, mas esteve bem marcado.

Foi uma noite para esquecer e para espantar ainda mais o desconfiado torcedor dos jogos em casa. Foram apenas 1,7 mil testemunhas no Café.

O time parece que tem um bloqueio quando joga em casa. O time sente demais. Pode ser psicológico. Mas, acredito que seja falta de bola mesmo. Nesta terça foi isso. Faltou futebol.
Lucio Flávio
 
Formado em Comunicação Social/Jornalismo. Repórter da Rádio Paiquerê AM desde 1997 e da Folha de Londrina desde 2012. Participa de coberturas esportivas nacionais e internacionais



Sites Sugeridos
 
ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
 
Hospedado pela: