Blog do Lucio Flávio - Lucio Flávio
26/08/2016 - 17:25
Imprimir Comunicar erro mais opções
A responsabilidade pela falta de gols sempre recai sobre os atacantes. Em uma análise superficial, não deixa de ter razão. Fazer gols é obrigação deles e, normalmente, são os que têm os maiores salários, justamente porque a missão não é tão simples assim.

Uma análise mais aprofundada, porém, indica quem nem sempre a culpa é de quem fica lá na frente. Vejamos o caso do Londrina. O time cria pouco, muito pouco e, consequentemente, faz pouquíssimos gols. Tem só 19 em 21 partidas da série B.

Tirando como base a derrota para o Goiás. O LEC teve três chances para marcar. Apenas uma delas clara e que foi desperdiçada por Zé Rafael, que não é atacante. O próprio Zé teve uma outra boa oportunidade e também Keirrison, que encobriu o goleiro e o zagueiro tirou antes da bola entrar.

Muito mais que melhorar a pontaria dos seus homens de ataque, o Londrina precisa qualificar o setor de criação. Será que trocar os atacantes irá resolver?

Keirrison marcou seis dos 19 gols do Londrina na série B
Keirrison marcou seis dos 19 gols do Londrina na série B


O LEC já jogou com Keirrison, Bruno Batata e Itamar, como homens de referência. Além de Paulinho, Jô, Safira e Marcelinho, pelos lados. Os titulares hoje são Keirrison e Jô, este, pelo menos até agora, a única unanimidade por parte da torcida.

K99 tem sido muito contestado nas últimas partidas. A reclamação é que faltaria a ele mais disposição, vontade de brigar pela bola, dividir e incomodar os zagueiros. Não percamos tempo.

Nem no auge da carreira - 2008 e 2009 - Keirrison fazia isso. Não é defeito é apenas a sua característica. Keirrison é o atacante da última bola, do espaço curto. É só rever todos os sete gols dele com a camisa do LEC. Todos dentro da pequena área.

Querer que ele corra atrás da bola, do zagueiro e de combate é perder tempo. De qualquer forma, ele sozinho marcou 30% dos gols do time na série B.

Itamar já é diferente. É trombador, voluntarioso, vai para o contato físico, a bola suja. Só que depois de 30 dias no departamento médico, voltou um pouco mais rechonchudo do que normalmente é. Hoje, não aguenta atuar 90 minutos.

Bruno Batata, em termos de características se situa entre os dois. Porém, a fase é terrível. Não marca um gol há mais de seis meses.

Resta ao treinador encontrar a melhor opção, de acordo com a característica de cada adversário. Ah, sem esquecer que o problema nevrálgico do Londrina está um pouquinho mais atrás.
25/08/2016 - 18:10
Imprimir Comunicar erro mais opções
Apesar de ter chegado a semifinal da Libertadores, o São Paulo vive um ano para se esquecer. O Tricolor é o time da série A que mais perdeu na temporada. Foram até agora 20 derrotas.

A última foi bem doída. O São Paulo perdeu em pleno Morumbi, por 2 a 1, para o Juventude, da série C, pela Copa do Brasil.

O blog do Jorge Nicola enumerou as derrotas de todos os clubes da série A no ano. O Santos foi o que menos perdeu: oito.

Trazendo os números para o nosso mundo, o Londrina perdeu 11 partidas em 2016. Foram quatro derrotas no Paranaense, uma na Copa do Brasil e seis na série B.
24/08/2016 - 14:38
Imprimir Comunicar erro mais opções
A explosão de bombas na área destinada a torcida do Goiás, nos minutos finais da partida de terça-feira, no estádio do Café, foi relatada na súmula do árbitro Celio Amorim.

De acordo com o relato do árbitro, os explosivos teriam sido atirados por torcedores do LEC, o que pode ocasionar punição ao clube, em casa de uma denúncia no STJD da CBF. N súmula, consta também, que a torcida do Goiás reagiu jogando pedra contra os londrinenses.

"Aos 46' do segundo tempo houve a necessidade de paralisar a partida em virtude de um tumulto vindo da arquibancada ocorrido entre as torcidas. A paralisação durou cerca de 1', tempo suficiente para que pudéssemos checar junto ao policiamento as condições de segurança
dos torcedores. Após a garantia de segurança por parte do policiamento a partida continuou sem problemas", escreveu Amorim.

Na súmula, o árbitro continua: "Ao final o Sr. Aspirante Bruno Franceschet no relatou os fatos ocorridos na arquibancada: "A torcida do Londrina Esporte Clube jogou artefato explosivo na torcida do Goiás Esporte Clube, não feriu ninguém. Após isso a torcida do Goiás efetuou o lançamento de pedregulhos contra a torcida do Londrina, ninguém foi ferido. A policia interviu com granadas de efeito moral que não atingiram nenhum torcedor".

Independentemente de qual lado começou, de quem é o culpado, da torcida do Londrina ter sido agredia no jogo de ida, em Itumbiara, são fatos lamentáveis. Toda vez que isso acontece em um estádio, o futebol fica mais pobre e triste.
24/08/2016 - 00:11
Imprimir Comunicar erro mais opções
As dificuldades do Londrina nos jogos como mandante não são novidade para ninguém. O time não teve nenhuma vitória tranquila no estádio do Café.

Na noite fria desta terça-feira (23) não foi diferente. A equipe fez uma péssima partida e a vitória do Goiás por 1 a 0 foi justa. O LEC teve raros momentos de lucidez e enervou os 3,5 mil torcedores que sofreram com o gélido futebol alviceleste.

O Goiás soube valorizar cada bola, cada lance parado, cada falta e travou o jogo, sobretudo, depois de fazer o gol, aos 23 minutos do primeiro tempo.

O volante Patrick aproveitou uma bola rebatida pelo goleiro Marcelo, ninguém o marcou no rebote, ele invadiu a área, finalizou e a bola desviou na zaga e encobriu o arqueiro londrinense.
O time goiano já merecia o gol e teve boas atuações de Léo Lima, do atacante Carlos Eduardo e do goleiro Ivan.

O Londrina não teve trabalho de meio-campo – Germano, Fillipe Soutto, Gava e Zé Rafael foram muito mal. Mesmo assim, os dois únicos meias de armação do time – Netinho e Rondinelly – ficaram o jogo todo no banco de reservas.

A escolha por Keirrison e Bruno Batata não funcionou. O Londrina só incomodou nos cinco minutos finais do primeiro tempo.

Primeiro com Zé Rafael, que finalizou nas mãos do goleiro. Depois com Keirrison, a mais clara. Ele tocou por cima do Ivan e o zagueiro salvou em cima da linha. No escanteio, Germano teve duas chances para chutar, mas não conseguiu marcar.

O segundo tempo foi pior ainda. Safira voltou no lugar do Batata e fez a única jogada perigosa do time. Da linha de fundo, cruzou para Zé Rafael, que fechou no segundo tempo e mandou para fora.

No mais, o time só insistiu nos cruzamentos e nas bolas paradas. Entraram ainda Itamar e Marcelinho, mas nada mudou.

Derrotas em casa fazem parte – os três mandantes nos jogos desta terça perderam – e o Londrina vai continuar sofrendo nos jogos no Café.

A noite foi muito infeliz, mas não é o fim do mundo. O time continua bem posicionado e com chances de se reabilitar já na próxima rodada. Até porque, o jogo será longe do Café.
23/08/2016 - 16:05
Imprimir Comunicar erro mais opções
Bruno Batata não tem bons números na temporada e vive um ano bem abaixo de suas outras passagens pelo Londrina. Mas, foi o escolhido pelo técnico Claudio Tencati e será a grande novidade para o jogo contra o Goiás.

Imagino que não tem ninguém no elenco do Londrina com mais vontade de jogar do que ele. Esse é um dos pontos que acredito que a decisão do treinador é acertada.

Batata nunca foi um jogador de técnica refinada, mas jamais faltou luta, determinação e alma. E isso, em algumas vezes, é ausente no time alviceleste. Por isso também, que o atacante, apesar da falta de gols, tem o carinho da torcida alviceleste.

Se fossemos nos apoiar apenas pelo números, a escalação do atacante não anima muito. Mas, todo jejum um dia acaba. E quem sabe chegou o dia do camisa 9.

Em 2016, Batata fez 15 jogos como titular e mais nove, em que entrou no decorrer da partida, e marcou apenas três gols. Os últimos foram nos 2 a 0 contra o Toledo, pela segunda rodada do Paranaense, no distante 3 de fevereiro. São quase sete meses sem balançar as redes.

Robson Vilela
Robson Vilela


É sempre bom lembrar que todo atacante sofre muito no Londrina. No Estadual, quando o centroavante jogou a maioria das suas partidas, a força ofensiva do time era ainda mais diminuta. Ele não é o único culpado pelos poucos gols.

Batata suportou bem o ostracismo na série B. Em nenhum momento reclamou da falta de oportunidade ou pediu para ir embora. Em muitos treinos, sequer estava no time reserva. Teve paciência e trabalhou com afinco. Agora uma nova chance apareceu.

Talvez jogar ao lado de Keirrison não seja a formação ideal para os dois. Apesar de terem características diferentes, ocupam a mesma faixa do campo. Terão que ter superação e transpiração.

Batata ainda mais, já que será o homem da mobilidade no ataque, com a obrigação de se movimentar e sair mais da área. Tenho certeza que não faltará luta e vontade de acertar.

Por tudo que já fez com a camisa do Londrina, Batata merece voltar a ser protagonista e se reencontrar com o gol. Quem sabe os deuses do futebol guardaram este fim de temporada para ele voltar a sorrir. A torcida alviceleste não vê a hora de abraçar novamente seu artilheiro.
Lucio Flávio
 
Formado em Comunicação Social-Jornalismo e Administração-Marketing. Repórter Esportivo da Rádio Paiquerê AM desde 1997. Repórter também da Folha de Londrina. Participou de coberturas esportivas nacionais e internacionais como Copa do Mundo, Olimpíadas e Copa América. Twitter: @Luciobortoti



Sites Sugeridos
 
ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
 
Hospedado pela: