-
 -
26/07/2017 - 00:51
Imprimir Comunicar erro mais opções
Poema para o público Infanto juvenil
A Rosa Negra

Era uma linda rosa negra,
bonita como uma estrela,
mas as outras rosas falavam:
- Rosa negra é rosa feia.

Um beija-flor muito gentil
olhou essa rosa e falou:
- A rosa negra é formosa,
mas suas irmãs são hostis.

Elas não gostam da cor preta
e essa bela e perfumada flor
é alvo de desprezo
e de hostilidade sem fim.

Mas a única verdade
é que ela é uma rosa delicada.
É apreciada pela arte gótica
por ser uma flor exótica.

Isabel Furini



Isabel Furini é poeta, membro da ALB/PR (Academia de Letras do Brasil/Paraná)
Contato: isabelfurini@hotmail.com
18/07/2017 - 01:18
Imprimir Comunicar erro mais opções

A gatinha Meg

Que gata é essa que passa?
Que mia e me chama com graça?
E vem pro meu lado e me amassa,
Arranha, ronrona e me abraça?

Que gata é essa que segue
As crianças que brincam na rua?
Na esperança que alguém a leve
E a afague nas noites de lua?

Que pose tem essa gata?
Rainha, princesa ou plebeia?
Fez de conta que era minha,
Mas na verdade sou dela!


Autora: Kátia Wadt
12/07/2017 - 12:42
Imprimir Comunicar erro mais opções
Homenagem a menina que em meio a uma enchente, pensou somente nos livros.

Fografia de Isabel Furini
Fografia de Isabel Furini


Se você acha que sofre na vida
Ainda não sabe o que é sofrer
Presta atenção na história
Que eu vou contar pra você:
Ela é de família humilde
Vivia com os avós
A pequena era feliz
Mesmo com o pouco
Que a vida lhe proporcionou
A natureza foi dura
E uma grande enchente
Suas coisas levou
Mas dela ninguém tira
A esperança e o amor
Que ela leva numa mochila
Com tanto esmero e valor
Para ela o que importa
Não são os bens, a roupa ou a sandália
Nada que o dinheiro comprou
Ela deu valor aos livros
Pelo o que eles guardou
A esperança, a imaginação e as histórias
Que conta e contou
Coisa que nessa vida
O dinheiro ainda não comprou
Em sua simplicidade
Ela uma lição nos deixou
Subiu numa jangada
E os seus livros salvou
Não sabendo ela que não foram somente
As letras de algum grande escritor
Mas ela naquele momento
Salvava algo de grande valor
Não me refiro aos livros
Pelo o que custou
Mas pelo legado
Que a ela eles deixou
Um futuro de esperança
E a semente que ela plantou
Que colherá certamente
Por que a vida lhe será resposta
Que "tudo que se planta colhe"
E Rivânia vai colher
Os frutos que ela plantou
Pois não foi só a ela
Que essa lição de vida deixou
Foi pra mim, foi pra você
Que tanto já reclamou
Mas que aprendeu a agradecer
Por causa desse amor
Que essa simples criança
Com sua linda atitude
A todos nós ensinou
Que em meio as dificuldades
Devemos ter esperança e lutar
Sempre nessa vida com o olhar
De uma criança
Com o coração grato e cheio de esperança.

Maria C. Alecrim de Souza Oliveira.
Graduada em Letras pela UNEB e pós graduanda em Docência Universitária UESSBA.
23/05/2017 - 11:50
Imprimir Comunicar erro mais opções
A Biblioteca Pública do Paraná promove neste mês a oficina de origami Abraços Dobrados, da autora infantojuvenil Tereza Yamashita. Ela participa de bate-papos sobre sua obra e, na sequência, ministra workshops para crianças de 7 a 11 anos. Os encontros acontecem nos dias 24 (9h às 12h) e 25 (14h às 17h), na Sala de Reuniões da BPP. As inscrições são gratuitas, mas devem ser feitas pelo e-mail: thiagod@bpp.pr.gov.br. Há um limite de 20 crianças por encontro.

A autora publicou diversos livros em parceria e individualmente, sobretudo na área infantojuvenil. Ganhou o Prêmio Jabuti 2016 pelo livro digital infantil Mãos Mágicas, lançado pela SESI-SP Editora. Já colaborou com diversos jornais e revistas do país, como o Rascunho e a Folhinha de São Paulo. Além de escritora, trabalha com origamis e ilustração.


Serviço:
Oficina Abraços Dobrados
Dias 24 (das 9h às 12h) e 25 de maio (das 14h às 17h)
Sala de Reuniões da BPP (R. Cândido Lopes, 133, Centro – Curitiba, PR)
Mais informações: (41) 3221-4980
Gratuito

Fonte: BPP
19/05/2017 - 08:19
Imprimir Comunicar erro mais opções
CAMARÃO NO PRATO

Quado como camarão,
com palmito, azeitonas,
ovos de codorna e limão,
eu me sinto poderoso
- um poderoso tubarão.

Quando como camarão
eu brinco de tubarão.

E minha mãe fala:
- Sem fazer algazarra,
abra grande essa bocarra
de filhote de tubarão!

hahahahahaha!
Eu abro grande a boca
e mastigo lentamente
o gostoso camarão.

Isabel Furini

Isabel Furini
 
Isabel Furini, escritora e educadora. Recebeu prêmios em concursos de poesia e de contos. Publicou 15 livros, entre eles: Mensagens das Flores e Ele e outros contos. Também escreve para o público infanto-juvenil. É autora da coleção "Corujinha e os Filósofos" da Editora Bolsa Nacional do Livro de Curitiba.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
 
Hospedado pela: