-
 -
23/08/2017 - 12:32
Imprimir Comunicar erro mais opções
O autor inicia seu livro "Segredos Poéticos" com um poema mínimo, mas de máxima beleza: "Se um dia tiver que tomar atalhos na minha vida, que sejam entre flores".

Esse poema revela um pouco da atitude de Mhario Lincoln: o sorriso fácil, a tendência a ajudar e elogiar as pessoas, o sentimento de bem com a vida. Mas, sua poesia não é carente de reflexão. Mhario sabe abordar os grandes questionamentos da vida. Em "A beleza da alma", aborda um assunto que inquieta não só os poetas, mas os artistas, os filósofos e os cientistas – esse assunto é o tempo. Nas palavras de Kant "o tempo e o espaço são a priori de nossa sensibilidade". A vida humana acontece no tempo.

Na segunda estrofe desse poema o autor consegue, empregando poucas palavras, elaborar um mosaico que engloba o passado, o presente e o futuro, ou seja, as três divisões do tempo:
Eu tenho o ontem. O hoje é apressado.
Mas quem sabe não seja o meu passado,
e no o presente, tão rápido e impreciso,
que me leve a um futuro transcendente?


Essa inquietude com o tempo também se revela em "Ode a Pandora", onde inicia com a pergunta: E a curiosidade, como vai? Viaja no tempo. No caso de Pandora, veja o que lhe envolveu sobre a sua caixa, que não lhe caberia abrir.

Em "Morrer Poetando" novamente a alusão ao tempo: "E se um dia eu vier a morrer poetando, que seja breve."
Em "Saudades? Que Nada!", Mhario nos oferece uma bela metáfora:
Vede as árvores como balançam:
é o sopro dela apagando as velinhas
do tempo.


E ficamos nos perguntando se são as velinhas do tempo ido ou se nesse passar das horas, o autor está unindo as velinhas da saudade com as velinhas do passado-presente-futuro, as velinhas de toda uma vida.
No próximo, "Morte por amor", Mhario faz um jogo com o poema anterior usando a palavra "vela". No poema "Saudades? Que Nada!", o autor usa vela no sentido de círio. Em "Morte por Amor", usa a mesma palavra no sentido embarcação:
Velas do passado,
Caravelas ao março
Mergulho fracassado
De nunca aprender a amar.


Se o tempo transcorre e inquieta a alma de Mhario Lincoln, o amor também é um assunto que o comove e o surpreende. Em "Pros Infernos!..." ele pondera que não é possível falar de um ex-amor sem emoção. Mas é surpreendente quando alguém consegue isso. E essa surpresa não é um acontecimento alegre, mas uma reação emparentada com o pasmo, com o espanto. O autor consegue confabular com o leitor, que também permanece com a sensação que o ex-amor desperta, emoções – sejam de saudades, carinho ou ódio. Mas é estranho falar friamente do ex-amor.

O livro está dividido em quatro partes: a primeira parte é Poesia; a segunda Quadras (na sua maioria com alguns quintetos e tercetos); a terceira, tem o título de Caderno de Frases, e na quarta apresentam-se fotos e frases. No conjunto, o livro induz o leitor a vasculhar e compreender a alma do poeta.

Isabel Furini é poetisa, professora e escritora. Tem trabalhos publicados no Brasil, Argentina, Espanha e Chile.

17/08/2017 - 08:19
Imprimir Comunicar erro mais opções
O especialista em Arte Digital, Carlos Zemek, convidou talentosos poetas para participar do "12 Salón de Invierno" na Galeria R Van R de Buenos Aires, Argentina. O evento teve a curadoria do galerista Roberto González. Zemek recebeu os certificados que serão entregues em 18 de agosto, 19 horas, no TUC (Teatro Universitário de Curitiba). O evento é organizado pelo poeta Geraldo Magela.

Por motivo de distância, a poetisa Clevane Pessoa mora em Minas Gerais, e não poderá comparecer ao evento. O presidente da Academia Poética Brasileira, jornalista Mhario Lincoln, realizou uma viagem à Minas Gerais e entregou os certificados em um jantar. O certificado de participação no Salão e também o certificado da Menção Honrosa que o poema "Das origens" autoria de Clevane, recebeu em Buenos Aires.

11/08/2017 - 07:05
Imprimir Comunicar erro mais opções
A poetisa Iracema Alvarenga foi convidada para declamar seus poemas no Paço da Liberdade, em Curitiba, em 12 de agosto, das 14h30 às 15h30.

Iracema é formada em Letras pela Universidade Estadual de Londrina. Participou de algumas coletâneas, entre elas, da obra Parnaso Poético organizado por Osmarosman Aedo e Silvana Mello.

Declamações Poéticas é um projeto para divulgar trabalhos poéticos e acontece aos sábados.

05/08/2017 - 22:24
Imprimir Comunicar erro mais opções
OS MEUS MAIS ÍNTIMOS PENSAMENTOS

Penso aqui nesta madrugada, quase amanhecendo
O que faria sem você, quando um dia se for?
Como viverei sem as suas teimosias?
Como será a minha vida sem o seu amor?
Só de pensar em tal hipótese, já fico triste.
Não tenho a mínima ideia de como será.
Eu acho que também morrerei aos poucos...
Mas hoje, dizendo isto, sei que você não irá acreditar
As noites e dias ficarão mais tristes.
A imensa casa ficará vazia e sem vida.
Os netos a procurarão e não irão mais encontrá-la...
Os filhos chorando pela perda da mãe querida
Eu acho que pedirei a Deus
Para que me leve antes, pois sou mais covarde
Porque se acontecer o contrário,
morrerei mesmo assim, mas de saudade.

Luiz Carlos Brizola

03/08/2017 - 12:29
Imprimir Comunicar erro mais opções
Wasyl Stuparik, além de ator, produtor e diretor, trabalhou no rádio com o pseudônimo de BASÍLIO JUNIOR.
Foram várias áreas de atuação: Sonoplastia, iluminação, vídeos folclóricos, documentários institucionais e gravação de áudio. No momento ele tem seu próprio estúdio. Conheci esse estúdio de rádio quando fui convidada para fazer leitura de alguns de meus poemas. Outros trabalhos de minha autoria foram lidos pelo também radialista e contador de histórias Carlos Daitschmann. Foram também convidadas para interpretar os seus trabalhos minhas talentosas amigas poetisas: Adélia Maria Woellner, Arriete Rangel de Abreu e Isabel Sprenger Ribas.

Carlos Daitschmann gravou, entre outros, os poemas de minha autoria: A Noite de Pedro Páramo, Obscuro Retrato de Clarice, Vírgulas e 21 poemas de Isabel Furini.

Para escutar os poemas clicar neste link:
http://www.oradiodoparana.com.br/



WASYL SUPARYK TEM UMA LONGA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL

Rádio Emissora Paranaense / Rádio Curitibana / Rádio Guairacá / Rádio Clube Paranaense (Rádio Teatro) – Rádio Tinguí / Rádio Independência / Rádio Cruzeiro do Sul / Rádio Difusora de Ponta Grossa – TV Paranaense Canal 12 / TV Tupi Canal 4 (SP) – TV Cultura Canal 2 (SP – Assistente de Direção de Darcy Ribeiro e Mário Fanuchi Diretor Artístico) / TV Paraná Canal 06 Curitiba – Fundação Teatro Guaira – Sonoplasta – Melhor Iluminador Nacional (Festival Nacional de Paschoal Carlos Magno – São Carlos (SP) – Produtor e Promotor do Corpo de Baile do Teatro Guaira / Criador de Músicas para Ballet de Yuri Czabelewski e Yara de Cunto (Vencedora do 1º Festival de Escolas de Dança de Curitiba / Diretor e Produtor de Espetáculos Teatrais / Promotor de Eventos Folclóricos de Curitiba ( Ucraniano Barvinok e Polonês)
Cinema – Gravação do som guia do filme GUERRA DOS PELADOS , Gravação do som guia do Filme ALELUIA GRETCHEN, ambos de Silvio Bach, JORNAIS DE CINEMA de Carlos Rochembach / Inúmero comerciais de TV e Cinema para diversas Agências de Publicidade – Estúdios de Som – Máster Estúdio de Som (1ª Gravadora Profissional em Curitiba – Montagem) / Supersom (SP) Representante Técnico para o sul em afinação de cabeças de corte de acetatos para estúdios profissionais / Audisom (Curitiba) / Primus Produções e Promoções (Curitiba) / RGE (SP) Mixador Orquestral e Canto./ Cinegrafista TV Educativa – CNT (Curitiba), Produtor Autônomo;
Isabel Furini
 
Isabel Furini, escritora e educadora. Recebeu prêmios em concursos de poesia e de contos. Publicou 15 livros, entre eles: Mensagens das Flores e Ele e outros contos. Também escreve para o público infanto-juvenil. É autora da coleção "Corujinha e os Filósofos" da Editora Bolsa Nacional do Livro de Curitiba.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE