16/12/17
33º/21ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Procure ajuda

Mulheres são as principais vítimas do transtorno de ansiedade

Saiba quais são os sintomas do distúrbio e quando é necessário procurar ajuda médica

O transtorno da ansiedade generalizada (TAG) pode afetar pessoas de todas as idades, desde o nascimento até a velhice. Em geral, as mulheres são um pouco mais vulneráveis do que os homens. Segundo o psicólogo britânico Daniel Freeman, professor de psicologia clínica e membro sênior do Conselho de Pesquisa Médica da Universidade de Oxford, o problema afeta 20% das mulheres e 8% dos homens.

"A ansiedade é uma das emoções fundamentais, uma parte tão central do que significa ser humano quanto a felicidade, a tristeza ou a raiva", escreve Freeman no livro 'Ansiedade'.
"Em suas formas mais graves, a ansiedade é também um dos tipos mais comuns de transtorno psicológico, afetando milhões de pessoas em todo o mundo em algum momento da vida", descreve na obra, escrita em parceria com o irmão, Jason Freeman, autor e editor especializado em psicologia.


Reprodução
Reprodução


A ansiedade é uma reação normal do ser humano diante de situações que podem provocar medo, dúvida ou expectativa. É considerada normal quando se manifesta nas horas que antecedem uma ocasião importante como, por exemplo, uma entrevista de emprego ou uma prova e funciona como um sinal que prepara a pessoa para enfrentar um desafio.

A psiquiatra do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, Renata Bataglin, explica que a 'ansiedade patológica' ocorre quando o nível de ansiedade é desproporcional aos acontecimentos, causa muito sofrimento e interfere no desempenho familiar, social e profissional dos pacientes. Neste caso, é necessário que a pessoa procure ajuda médica, uma vez que sua qualidade de vida fica prejudicada.

"A 'ansiedade patológica' compreende em várias outras patologias como síndrome do pânico, ansiedade generalizada, estresse pós-traumático, estresse agudo, fobias específicas, fobias sociais e distúrbio obsessivo-compulsivo", explica a médica.

O TAG é um distúrbio caracterizado pela preocupação excessiva, persistente e de difícil controle, dura no mínimo seis meses e vem acompanhado por três ou mais dos seguintes sintomas: inquietação, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular e perturbação do sono.

De acordo com a especialista, é muito difícil definir uma causa, já que se trata de uma doença multifatorial. Mas os sintomas mais comuns são inquietação, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular, palpitações, falta de ar, taquicardia, sudorese, dor de cabeça, alteração nos hábitos intestinais, náuseas, aperto no peito, dores musculares, entre outros.

O tratamento inclui medicamentos antidepressivos e ansiolíticos, além de psicoterapia. "É importante ressaltar que o paciente não deve parar a medicação por conta própria após melhora dos sintomas", orienta Renata Bataglin. O tratamento farmacológico geralmente precisa ser mantido por seis a doze meses depois do desaparecimento dos sintomas e deve ser descontinuado em doses decrescentes.

Recomendações

Se você é visto como alguém de estopim curto, que anda sempre com os nervos à flor da pele e tem muita dificuldade para relaxar, provavelmente chegou a hora de procurar um médico para avaliar esse estado permanente de tensão e ansiedade;

Se você cobra muito de si mesmo, está sempre envolvido em inúmeras tarefas e pressionado pelos compromissos, tente pôr ordem não só na sua agenda, mas também na sua rotina de vida, sem esquecer de reservar um tempo para o lazer. Se não conseguir sozinho, não se envergonhe, peça ajuda.


Redação Bonde
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Veja mais e a capa do canal
PUBLICIDADE
6
Continue Lendo
PUBLICIDADE