03/08/21
PUBLICIDADE
Alta nos custos

Preço de veículos deve subir com alta da energia

Freepik
Freepik


A alta nos custos da energia gerada pelo acionamento de usinas térmicas é mais uma má notícia para as montadoras, que enfrentam problemas com a falta de peças e os seguidos reajustes nos preços dos insumos.

A redução de consumo nos últimos meses -devido ao grande número de trabalhadores de áreas administrativas que seguem em home office em meio à pandemia de Covid-19-, tende a ser suplantada pelas mudanças tarifárias.

"Nosso setor já vem sofrendo há mais de um ano o impacto dos aumentos de custos de insumos como aço, alumínio, plásticos, fretes, além do câmbio e dos juros. Vemos o possível aumento do custo energia com preocupação", diz Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea (associação das montadoras).

"O reajuste vai dificultar ainda mais o processo de retomada de vendas tanto da nossa indústria quanto dos outros setores da economia."

As fabricantes ainda irão calcular o impacto do aumento da energia nos custos de produção, mas são aguardados repasses para os preços dos veículos. Empresas que estão em meio a ciclos de investimentos serão afetadas, e entre elas está a VWCO (Volkswagen Caminhões e Ônibus).

A montadora aposta justamente na tendência do futuro: modelos elétricos.

Nesta terça (15), a fábrica localizada em Resende (RJ) deu início a produção do e-Delivery, primeiro caminhão nacional a colocar baterias no lugar dos tanques de diesel.

A empresa investiu cerca de R$ 150 milhões em seu complexo produtivo. Foi construída uma nova área dedicada exclusivamente à eletrificação, com infraestrutura de recarga.

"Avaliamos com cuidado o impacto de um aumento no custo de energia para o setor automotivo, o que pode refletir em toda a cadeia produtiva, desde a linha de produção aos fornecedores, chegando até o cliente final. A consequência será uma alta nos custos em geral, principalmente no aço, que já teve seus preços fortemente elevados", diz, em nota, a VWCO.

Repasses diante de qualquer oscilação no mercado têm sido a estratégia das montadoras desde a crise que teve início em 2014, diz Paulo Cardamone, sócio da consultoria Bright. Em busca de rentabilidade após seguidos anos operando no vermelho, as fabricantes modificam seu portfólio de produtos e se esforçam menos para segurar os preços de seus produtos.

Ao mesmo tempo, as empresas investem em soluções que aumentam a eficiência de suas linhas de produção, e a redução nos gastos com eletricidade faz parte desse processo.

Cardamone afirma que uma crise como a de agora teria um impacto muito maior na indústria automotiva se tivesse ocorrido há cinco anos. Hoje as grandes empresas buscam compensar o gasto de energia por meio de geração mais limpa.

As iniciativas fazem parte das estratégias ESG, índice aplicado para avaliar se uma empresa tem uma boa agenda ambiental, social e de governança.

A Honda está entre as montadoras que investiram na geração de energia limpa. A fabricante japonesa criou um parque eólico em Xangri-lá (RS), resultado de um investimento de R$ 100 milhões. A operação teve início em 2020.

"Em relação a medidas de redução de consumo, nossas montadoras já operam com sistemas modernos de uso racional de energia", diz o presidente da Anfavea.

Contudo as ações que geram redução na conta da luz não tornam as empresas imunes a crises no fornecimento, que atingem toda a cadeia produtiva.

Entre os fornecedores, os custos com energia serão mais um fator a pressionar os preços de componentes e de insumos. O gargalo no fornecimento de semicondutores é um exemplo dos problemas atuais, em que as montadoras precisam concorrer com fabricantes de smartphones, computadores e eletrodomésticos.

"Vamos ver alta de preços na cadeia de suprimentos até o fim do ano que vem, provavelmente, e serão repassados. É um problema global e a indústria automotiva, que sempre foi dura nas negociações de compra e agora está no fim da fila. O setor precisa reaprender a fazer política comercial", diz Cardamone.

"Há uma mudança conceitual, que aconteceu após a crise de 2014, 2015 e 2016. Quando o mercado começou a se recuperar, as montadoras passaram a vender menos e repassar os preços, sem ficar mais segurando os custos", explica o consultor.

O portfólio se volta para modelos de maior valor agregado e os aumentos se acumulam. De acordo com cálculo feito pela Bright, o tíquete médio dos automóveis vendidos no Brasil em 2021 é de R$ 92 mil. Três anos atrás, o valor era de R$ 75 mil.
Folhapress
Continue lendo
Utilitário

Entenda porque segunda geração da picape Fiat Strada é líder de vendas no Brasil

27 JUL 2021 às 08h50
E boicota abertura

Toyota decide não circular publicidade sobre Olímpiadas de Tóquio

19 JUL 2021 às 11h10
Upgrade

Renault Captur chega à linha 2022 com motor mais potente, mais equipado e mais caro

12 JUL 2021 às 17h48
Novidades

Jac Motors lançará três automóveis elétricos no Brasil, ainda neste semestre

07 JUL 2021 às 11h20
Novo visual

Chevrolet Onix RS e Fiat Argo HGT se vestem para agradar jovens, mas mantêm mecânica

06 JUL 2021 às 11h10
Brasiiiiiiil!

Aplicativo disponibiliza voz de Gil do Vigor para orientar rotas de trânsito

05 JUL 2021 às 10h47
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados