Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

TRIBOS URBANAS: OS ESCRITORES

31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

A sociedade atual comporta várias tribos. Algumas são humanitárias, outras fanáticas, outras guerreiras.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Hoje quero falar de uma das mais interessantes tribos conhecidas. Não vestem de preto como as tribos góticas, não ficam carecas como os skinheads, não pintam os cabelos como os punks... porém, destacam-se por estarem sempre armados. Os mais conservadores só usam lápis ou canetas. Os de avançada utilizam notebook e internet. Estou falando da tribo dos escritores. Essa tribo urbana, cujo crescimento exagerado está chamando a atenção dos sociólogos, está sempre em pé de guerra. Nenhum escritor suporta outro escritor.

Continua depois da publicidade


Diversos tipos compõem essa tribo: bipolares, paranóicos, alcoólatras, sonhadores, obsessivos, compulsivos, vampiros, lobisomens e alguns canibais ainda não identificados. E se alguém normal entra na tribo, é considerado intruso.


No estandarte dessa tribo podemos ver um pavão. O pavão gosta de mostrar sua cauda irisada e os escritores - sejam contistas, poetas, romancista, cronistas e outros - estão sempre tentando dar destaque a seus trabalhos. Nas festas de aniversários, casamento e até em velórios, só falam do que acabaram de escrever. Quando participam de um concurso e não são vencedores, esbravejam: - Meu trabalho era o melhor. E eu não ganhei nem uma Menção Honrosa?!!!

Continua depois da publicidade


A vaidade é a marca registrada da tribo. E se um colega se destaca? Então é guerra!.. O escritor pega facas, adagas, espingarda ou metralhadora, o que tiver a seu alcance, e parte para a luta. Começa sorrateiramente. Primeiro procura criar dúvidas sobre a capacidade do outro escritor. Ah!.. nem vale a pena ler. Seus textos são tão superficiais!.. Ele está vendendo bem, mas não é bom escritor, não. É produto da mídia.


O problema é que ninguém escolhe ser escritor. Escrever ou é fase - como acne em adolescente - ou é destino. E se é seu destino meu amigo, desculpe dizer isto, mas você está literalmente ferrado. Escritor precisa de aplausos, de reconhecimento... Por que? Porque o escritor se expõe. Sempre! E sente medo. Sempre!


Coitado do escritor! Quando ignorado, sofre. Proclama sua genialidade em público, mas na solidão surge a dúvida. E se não for capaz criar uma verdadeira obra de arte?...


Reconhecido pela crítica sabe que não pode errar. Escritor que erra é castigado com o chicote de Átila, o Huno. E quem não tem medo do chicote de Átila?


E o chicote não é só propriedade da tribo dos críticos, não! É também utilizado com destreza por parentes, amigos duvidosos, vizinhos, colegas de trabalho e outras pessoas que não suportam o êxito alheio e estão sempre esperando o momento oportuno para dar uma chicoteada (ou um pé-na-bunda) em escritor que tem a coragem de mostrar sua obra.

Então se o destino colocou você na tribo dos escritores... fazer o quê? Coragem, meu amigo, coragem!..


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade