11/12/19
º/º
PUBLICIDADE
Edison  Yamazaki
Edison  Yamazaki
16/12/2018 - 06:59
Imprimir Comunicar erro mais opções
O Japão valoriza os estudos. Algumas vezes de maneira obsessiva, que causam problemas, mas em alguns casos essa busca pelo conhecimento tem o seu reconhecimento.
Recentemente mais um Prêmio Nobel foi concedido à um pesquisador japonês.
Tasuku Honjo (72 anos), pesquisador médico da Universidade de Kyoto, foi até Estocolmo participar das solenidades e receber um prêmio das mãos de Carls Gustavo XVI, rei da Suécia.
Ele vinha aprimorando uma descoberta contra o câncer desde 1992. Descobriu a proteína PD-1, que estimua o sistema imunológico a atacar um tumor cancerígeno, revolucionando alguns tratamentos.
Foi agraciado juntamente com o americano James P. Allison (70 anos) que descobru a proteína CTLA-4, um inibidor do linfócito T.
Com as descobertas, ambos transformaram o campo de pesquisa contra o câncer, com um princípio novo que aproveitam as habilidades do sistema imunológico em combater as células cancerígenas.
Esta é o vigésima sexto Prêmio Nóbel concedido ao Japão, e o quinto na área de Medicina e Fisiologia.
Mesmo com resultados como esse, existem muitas discussões sobre o atual sistema de ensino japonês, que é em período integral desde o primário, com uma infinidade de atividades extra-curriculares que só terminam no fim do ensino médio. Essa atividades acontecem inclusive aos sábados e domingos, não permitindo dias de descanso para os que participantes. Por conta disso, muitos professores também são obrigados a trabalharem os 7 dias da semana, sem direito à horas extras ou remunerações adicionais.
Está feito a confusão.

Nobel Prize
02/12/2018 - 09:35
Imprimir Comunicar erro mais opções
Terminou neste sábado (1/12) a J.League, e para quem não sabe, é o campeonato de futebol profissional japonês.
Este ano o Kawasaki Frontale não teve muitas dificuldades para levantar o troféu e somou 69 pontos. Teve uma imensa ajuda do seu principal oponente que fez o favor de não conseguir vencer nas últimas cinco rodadas. Assim o Hiroshima Sanfrecce terminou na vice liderança com 57 pontos, seguido do Kashima Antlers com 56 pontos. As três equipes estão automativamente classificadas para disputar a Champions League da Ásia no ano que vem.
Os artilheiros foram os brasileiros Jô, ex-Corinthians, com 24 gols, seguido de outro conterrâneo, Patrick com 20 gols. Em terceiro ficou o sul coreano Hwang Ui Jo, com 16 gols.
Este ano a competição foi mais emocionante para os times da parte baixa da tabela. Até a última rodada apenas o V.Varen da cidade de Nagasaki estava matematicamente rebaixada, pois conseguir perder 20 jogos dos 34 disputados, somando apenas 30 pontos.
Outras cinco equipes corriam risco de rebaixamento, mas quem caiu foi o Kashiwa Reysol, que mesmo vencendo o Gamba Osaka por 4x2, precisava de uma combinação de resultados para conseguir se manter na primeira divisão. Essa combinação não veio e o time patrocinado pela Hitachi vai disputar a segundona.
Em antepenúltimo ficou o Júbilo Iwata que disputará a repescagem contra o Yomiuri Verdy, que venceu o primeiro jogo da repescagem contra o Yokohama F.C. com um gol de Douglas Vieira, que entrou na partida faltando dez minutos para o término da partida, e mostrou a que veio. Mesmo que o Júbilo vença o jogo contra o Verdy, não evitará a vergonha em ficar entre os últimos colocados da primeira divisão, já que os orçamentos entre as equipes é desigual.
Da segundona subiram Matsumoto Yamaga, da cidade de Nagano, e o Trinity Oita da província de Oita, que fica no sul do país.
Na última rodada da primeira divisão foram marcados incríveis 38 gols em nove jogos, mostrando que o pessoal estava animado, principalmente os times que corriam risco do descenso. Outra curiosidade é que os artilheiros da primeira, segunda e terceira divisões marcaram exatamente o mesmo número de gols: 24.
Ainda teremos alguns jogos da Copa do Imperador, e saberemos o campeão apenas no dia 9 de dezembro. Quatro equipes disputam o troféu mais tradicional do Japão: Montedio Yamagata da segunda divisão, Kashima Antlers, Urawa Red Diamond e Vegalta Sendai.
Este ano algumas equipes gastaram um pouco mais na contração de alguns estrangeiros. Para o Nagoya Grampus veio Jô, que estava muito bem no Brasil, mas aceitou sem titubear a proposta de 11 milhões de euros da equipe da Toyota. Em seguida veio o campeão mundial com a alemanha, Lukas Podolski, e os espanhóis Andrés Iniesta (ex-Barcelona) e Fernando Torres (ex-Atlético de Madrid). Para a próxima temporada já foi contrato David Villa, que juntamente com Iniesta e Torres, foram também campeões mundiais com a Espanha na Copa de 2010.

Iniesta e Torres: uma visão do Japão
18/11/2018 - 09:58
Imprimir Comunicar erro mais opções
Atariya é uma palavra japonesa criada para designar um tipo de fraudador. São para os malandros que se jogam propositalmente ou colidem com os carros para receber indenizações.
As leis de transito no Japão são rigososas onde qualquer infração requer pagamentos de gordas multas, além de trabalho enorme com a burocracia policial.
Por exemplo: uma pessoa dirigindo alcoolizada e pego pela polícia irá imediatamente para a cadeia além de pagar uma multa em torno de 15 mil dólares. Se estiver acompanhado de alguém, e esse alguém não tiver consumindo nenhuma gota de alcool, mas só pelo fato de estarem juntos, pagará uma multa de aproximadamente 5 mil dólares. Por isso, depois de uma balada, as pessoas precisam saber muito bem com quem voltar para casa.
Aproveitando desse rigor, algums espertalhões se jogam propositalmente em frente a carros que estão em baixa velocidade, brecam propositalmente para serem colididos por trás, e exigem recompensas alegando falta de atenção do motorista. Como por aqui o motorista é considerado sempre o culpado, alguns deles preferem fazer um acordo com o malandro para evitar um boletim de ocorrência, além de não envolver a seguradora.
Nesses casos os valores dos acordos são baixos, variando de 20 a 30 mil ienes. Se o espertalhão fizer isso todos os dias e conseguir um acordo, "trabalhando" vinte dias por mês poderá receber por volta de 6 mil dólares/mês, o que dá para viver tranquilamente.
Esses "especialistas" utilizam várias artimanhas para conseguirem dinheiro. Em ruas estreitas onde a velocidade é obrigatoriamente baixa, andam de bicicleta e se jogam propositalmente sobre o carro e simulam algum machucado. Se você se distrair, ele baterá no seu retrovisor e alegará muitas dores no braço, e assim por diante. Portanto, todo cuidado é pouco.
Os especialistas orientam que em caso de acidentes dessa natureza, o motorista faça o boletim de ocorrência e não entrem em acordos de nenhuma natureza. Relatem tudo o que aconteceu sempre em frente de testemunhas, e fique presente até o final de toda a apuração.
As vítimas preferenciais são os idosos e mulheres "cartas novas". Como os carros dessas pessoas possuem adesivos para identificar esses motoristas, fica fácil para escolher a vítima. É o lado perverso de tanta organização.

Dando o golpe sem saber que está sendo filmado
24/10/2018 - 10:28
Imprimir Comunicar erro mais opções
Enquantos os brasileiros votavam no primeiro turno para presidente, governadores e prefeitos, o Japão também realizava a eleição para primeiro ministro. Shinzo Abe foi eleito para mais um mandato de quatro anos.
A diferença é que não houve tanta polaridade ente os candidatos, nenhuma agressão pessoal, nem ameaças contra ninguém. Tentativa de assassindo por faca, nem pensar.
O debate girou apenas em torno de idéias e propostas, para que o país continue progredindo e consequentemente ajudando a melhorar a vida da população.
Um dos assuntos mais debatidos foi o aumento do salário mínimo. A partir deste mês já está vigorando os novos valores.
A Comissão que estudou e pesquisou sobre esses valores, dividiram o país em três categorias. Categoria "A" inclui os grandes centros como Tokyo, Osaka, Aichi, Chiga, Saitama e Kanagawa. Na categoria "B" estão cidades menores como Shizuoka, Mie e Nagano. Na "C" estão as províncias de Gifu e Gunma, por exemplo. Frequentam a categoria "D" os estados do sul como Okinawa e do norte como Akita e Aomori.
Agora, um trabalhador em tempo integral que receber os 874 ienes/hora, passará a ganhar em média 1.300 dólares mensais. Esse salário serve apenas para a subsistência básica, e nada mais. O alívio é que praticamente não existem operários que ganhem tão pouco, pois nenhuma empresa contrata funcionários pelo mínimo. Assim um trabalhador do chão da fábrica ganha em média 2.200 dólares. A maioria bem mais.
Outro assunto muito comentado foi a extensão da aposentadoria de 60 anos para 75 anos. Uma pesquisa recente mostrou que a grande maioria dos trabalhadores querem continuar no batente após o 60 anos, e pela escassez atual de mão de obra muitas empresas optaram por contratar candidatos da terceira idade. Afinal são mais de 30 milhões de "velhinhos" que podem continuar produzindo e aproveitando suas respectivas experiência em prol de alguma empresa.
Foi discutido também um nova política para a falta de mão de obra que está paralisando o país. Uma das propostas apresentadas visa aumentar as áreas que poderão solicitar mão de obra estrangeira. Atualmente apenas o setor de "helper", construção civil, hotelaria, agricultura e construção naval é que podem contratar trabalhadores estrangeiros não qualificados. Discute-se a possibilidade das empresas manufatureiras, pesca, alimentos, produção industrial e restaurantes entrarem no grupo dos que podem trazer mão de obra estrangeira.
Logicamente tudo dentro de regras que serão debatidas até o final de novembro, e se aprovadas, entrarão em vigor a partir de abril de 2019.
Discute-se também algumas mudanças no sitema de ensino atual para serem adequados ao mundo atual. Uma das mudanças que certamente entrará em vigor, será a obrigatoriedade de aulas de língua estrangeira a partir do primeiro ano do ensino fundamental. Atualmente existem aulas de inglês em quase todos os níveis de ensino, mas como não é uma lei, acaba ficando ao cargo de cada diretor optar ou não pelas aulas de língua estrangeiras.
Mudaças são necessárias pois todos país precisa de ares frescos.

Tokyo e Kyoto

14/10/2018 - 08:13
Imprimir Comunicar erro mais opções
Até que demorou para que o pessoal admitisse que existem muitos viciados na Internet e em telefone celulares. O que era para ser uma ferramenta para auxiliar em pesquisas e comunicação, acabou por ser mais um motivo para preocupações.
Não sei como os "especialistas" fazem para tentar curar essa doença, mas tenho certeza da gravidade da situação. Basta observar nos trens, aeroportos ou em qualquer lugar que forme uma fila. De cada dez pessoas, pelo menos 8 pessoas estão com os celulares nas mãos. Não olham ao redor, não conversam com ninguém, não fazem outra coisa a não ser ficarem com a cabeça baixa olhando o aparelhinho. Alguns até falam e riem sozinhos. Será que estão ficando loucos ou conversando com algum fantasma?
As vezes dá até raiva de ficar vendo esse monte de gente fechado em seus mundos, curtindo horas de egoísmo, esquecendo até da vida. Será uma fuga da realidade, tão cruel e trabalhosa?
Numa pesquisa, saiu que no Japão existem quase 1 milhão de viciados, a grande maioria jovens do ensino médio e fundamental. Pode uma coisa dessa?
Meninos e meninas em início de vida já viciados, usando games e redes sociais como fuga do mundo verdadeiro, que não é cor de rosa, mas é verdadeiro.
Outro milhão estão enquadrados numa fase de "suspeitos" pelo uso excessivo, o que é outro problemão. Já pensou se na próxima pesquisa aparecem 2 milhões de viciados? Onde haverá tantos médicos para tratar toda essa gente? O agravante é que dentro desse rebanho de viciados, muitos ficarão doentes por muito tempo, não conseguindo relacionamentos satisfatórios e empregos, ficando à margem da sociedade que já está em perigo pela falta de mão de obra.
Por aqui foi definido como viciado a pessoa que dá preferência em continuar olhando para o display, mesmo quando uma pessoa importante do seu meio esteja precisando de ajuda, ou que não consegue diminuir o tempo de uso mesmo se esforçando. Um questionário com oito perguntas com essa linha de pensamento foi entregue às pessoas, e os que responderam afirmativamente em 5 dessas questões foram definidos como dependentes, para usar um termo mais bacana do que viciado.
Outro estudo mostrou que o dependentes podem ficar com depressão devido ao isolamento social, irritados e agressivos e com danos mentais permanentes.
O interessante é que tanto o "smartphone" como a Internet são ótimos para essa vida corrida, que para uns significa modernidade. Parece que o que veio para ajudar, está contribuindo também para destruir. Acho que é como um remédio que tanto pode curar, como matar, dependendo apenas da dosagem.

Viciados na Internet
Edison Yamazaki
 
Paulistano, preferiu contribuir com o esporte desistindo de ser atleta para estudar Educação Física. Foi da convivência com os seus alunos que ele entendeu que toda emoção que viveu dentro das quadras, dos campos, das pistas e das piscinas é muito mais abrangente do que somente vencer ou perder. Descobriu que as relações humanas e as amizades são tão importantes quanto à saúde e o bem estar. Com isso na cabeça foi para o outro lado mundo e hoje vive em Kyoto.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE