24/02/20
32º/19ºLONDRINA
Marden Machado
Marden Machado
08/02/2020 - 06:55
Imprimir Comunicar erro mais opções


A clássica peça Henrique V, de William Shakespeare, já foi encenada diversas vezes e teve duas grandes adaptações para o cinema: a de 1944, de Laurence Olivier, e a de 1989, de Kenneth Branagh. Em O Rei, dirigido pelo australiano David Michôd, em 2019, a abordagem mistura elementos da peça teatral e dos livros de História. O roteiro, escrito pelo próprio diretor, junto com o ator Joel Edgerton, nos apresenta o jovem Henrique V (Timothée Chalamet), que assume o trono após a morte do pai em meio a uma longa guerra da Inglaterra contra a França. Trata-se, na verdade, de um ritual de passagem e Chalamet tem o que se chama de "physique du rôle”, ou seja, o ator tem o corpo que se encaixa com perfeição ao papel. Há em O Rei algumas liberdades em relação ao material de base que utiliza. E Michôd não abre mão da violência, que é uma das características de sua pequena, porém, expressiva filmografia. O elenco de apoio funciona muito bem, mas, o destaque fica com Robert Pattinson no papel do Delfim francês, que rouba toda as cenas em que aparece.

O REI (The King – Inglaterra 2019). Direção: David Michôd. Elenco: Timothée Chalamet, Joel Edgerton, Ben Mendelsohn, Lily-Rose Depp, Tom Glynn-Carney, Sean Harris, Gábor Czap, Tom Fisher e Robert Pattinson. Duração: 140 minutos. Distribuição: Netflix.
07/02/2020 - 05:16
Imprimir Comunicar erro mais opções


O cineasta chinês Jia Zhangke vem construindo uma sólida carreira desde sua estreia em 1995. Ao longo desse tempo ele vem mesclando curtas e longas, seja de ficção ou documental, atuando, na maioria das vezes, como produtor, diretor e roteirista. É assim neste Amor Até as Cinzas. Como é recorrente em sua obra, Zhangke sempre insere as transformações de seu país no contexto das histórias que conta. Não é diferente aqui. Tudo começa em 2001 quando Qiao (Zhao Tao, esposa do diretor na vida real), uma jovem dançarina apaixonada pelo mafioso Bin (Liao Fan), é presa por disparar uma arma em uma briga de gangues. Ela queria proteger seu namorado, no entanto, é presa. A história avança pelos anos seguintes e, fiel à estética precisa do diretor, abre espaço para discutir questões de grande profundidade ao se concentrar na trajetória de Qiao. Estruturado em três atos bem distintos, Amor Até as Cinzas subverte expectativas e reserva boas surpresas na alternância de ritmo de sua narrativa. Assim, como uma dança.

AMOR ATÉ AS CINZAS (Jiang Hu Er Nü – China 2018). Direção: Jia Zhangke. Elenco: Zhao Tao, Liao Fan, Diao Yi’nan, Ding Jiali, Dong Zijian e Feng Xiaogang. Duração: 136 minutos. Distribuição: Imovision.
06/02/2020 - 00:46
Imprimir Comunicar erro mais opções


Se você assistiu ao premiado filme Coração Valente, dirigido e estrelado por Mel Gibson em 1995, vai lembrar da personagem de Robert the Bruce. Ele é o herói de Legítimo Rei e pode ser visto como uma continuação dos eventos mostrados no filme de Gibson. Aqui, Robert the Bruce, vivido por Chris Pine, é coroado Rei dos Escoceses e, ao invés de se acomodar na posição "presenteada” pela Inglaterra, decide seguir o legado de William Wallace e lutar pela independência de seu país do jugo britânico. Com direção de David Mackenzie e feito logo após o elogiado A Qualquer Custo, de 2016, o filme teve o roteiro escrito pelo próprio Mackenzie, junto com Bathsheba Doran e James MacInnes. Porém, diferente de seu trabalho anterior, carece de força e personalidade. Apesar das batalhas e do elenco talentoso, a personagem principal não responde à altura. Se destacam a jovem Florence Pugh, que vive Elizabeth Burgh, esposa de Robert, bem como o guerreiro James Douglas, papel de Aaron Taylor-Johnson. A obra foi reduzida em cerca de 20 minutos após sua primeira exibição em festivais. Talvez isso tenha sido bastante prejudicial para o resultado final.

LEGÍTIMO REI (Outlaw King – Inglaterra 2018). Direção: David Mackenzie. Elenco: Chris Pine, Florence Pugh, Aaron Taylor-Johnson, Stephen Dillane, Rebecca Robin, Billy Howle, Sam Spruell, Jonny Phillips e Ben Clifford. Duração: 121 minutos. Distribuição: Netflix.
05/02/2020 - 06:51
Imprimir Comunicar erro mais opções


No início dos anos 1960 o público se acostumou a ver nas telas a dupla Rock Hudson e Doris Day. E isso era tão forte que o próprio Hudson achou que estaria ao lado dela em Carícias de Luxo. No entanto, o diretor Delbert Mann escalou o ator Cary Grant como protagonista do filme. O roteiro de Stanley Shapiro e Nate Monaster nos apresenta Cathy Timberlake (Day) e Philip Shayne (Grant). Ela é virgem, recatada e sonha encontrar o homem de seus sonhos para se casar. Já ele é um rico solteirão que se sente atraído por ela, no entanto, não tem interesse em compromisso sério algum. São esses objetivos conflitantes que provocam as situações engraçadas que compõem essa divertida comédia romântica. Com uma direção leve e segura de Mann, aliada a um elenco de apoio perfeito, fazem de Carícias de Luxo uma grata surpresa. "Aquele toque de vison”, tradução literal do título original, faz todo o sentido aqui.

CARÍCIAS DE LUXO (That Touch of Mink – EUA 1962). Direção: Delbert Mann. Elenco: Cary Grant, Doris Day, Gig Young, Audrey Meadows, Alan Hewitt, John Astin e Dick Sargent. Duração: 99 minutos. Distribuição: Classicline.
04/02/2020 - 06:11
Imprimir Comunicar erro mais opções


O diretor Steven Soderbergh e o roteirista Scott Z. Burns trabalham juntos desde 2009. A Lavanderia, produzido pela Netflix em 2019, é o quarto trabalho da dupla e, a exemplo de produções anteriores do cineasta, é um filme-mosaico. Tendo por base o livro de Jake Bernstein, tudo começa com os sócios Ramón Fonseca (Antonio Banderas) e Jürgen Mossack (Gary Oldman) explicando para a gente a origem do dinheiro e do crédito. Eles possuem um escritório no Panamá de onde gerenciam diversas outras empresas. Em especial, seguradoras. A partir daí, de maneira episódica, acompanhamos a história de Ellen Martin (Meryl Streep), que busca receber uma indenização, sem sucesso. Isso faz com que ela investigue sozinha a empresa de seguros. A Lavanderia é didático em muitos aspectos e o uso do humor faz com que a mensagem pretendida por Soderbergh e Burns se perca pela falta de foco. A quebra da quarta parede (quando o ator olha para a câmara e conversa conosco) é utilizada no início e no fim do filme e a sensação que ficou, pelo menos para mim, é a de que o material poderia ter rendido muito mais. Em tempo: há uma referência a uma grande empreiteira brasileira que tem aparecido bastante dos noticiários nos últimos anos.

A LAVANDERIA (The Laundromat – EUA 2019). Direção: Steven Soderbergh. Elenco: Gary Oldman, Antonio Banderas, Meryl Streep, James Cromwell, Robert Patrick, David Schwimmer, Jeffrey Wright e Sharon Stone. Duração: 95 minutos. Distribuição: Netflix.
Marden Machado
 
Escrevo, todos os dias, sobre um filme, complementando minha participação nos programas Light News (na rádio Transamérica Light FM - 95,1), na rádio CBN Curitiba (90,1 FM), no programa Caldo de Cultura (UFPR TV - canais 15 da NET, 71 da TVA ou via web no http://www.tv.ufpr.br/), e no canal http://www.youtube.com/cinemarden.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE