07/04/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Marden Machado
Marden Machado
13/03/2020 - 01:52
Imprimir Comunicar erro mais opções


Dizer que Fora de Série, estreia na direção de longas da atriz Olivia Wilde, é uma espécie de versão feminina de Superbad é, no mínimo, reducionista. Apesar de apresentar algumas semelhanças, o roteiro de Emily Halpem, Sarah Haskins, Susanna Fogel e Katie Silberman vai além. Escrito com incrível veracidade ao retratar a rotina de adolescentes, o filme se concentra, basicamente, no último dia de aula do ensino médio de uma escola. Amy (Kaitlyn Dever) e Molly (Beanie Feldstein) são melhores amigas desde sempre. Focadas em entrar para uma boa universidade, elas descobrem que perderam a diversão que poderiam ter tido por conta dos estudos e decidem fazer daquela noite antes da formatura a grande noite de suas vidas. Além do roteiro enxuto e inteligente, Fora de Série impressiona pelo talento e espontaneidade de todo o elenco. Sem esquecer da agilidade da diretora estreante na condução de sua narrativa. Enfim, uma grata surpresa.

FORA DE SÉRIE (Booksmart – EUA 2019). Direção: Olivia Wilde. Elenco: Kaitlyn Dever, Beanie Feldstein, Jessica Williams, Jason Sudeikis, Lisa Kudrow, Will Forte, Victoria Ruesga e Skyler Gisondo, Duração: 102 minutos. Distribuição: Imagem Filmes.
12/03/2020 - 01:49
Imprimir Comunicar erro mais opções


O roteirista e diretor americano S. Craig Zahler teve uma estreia em longas muito boa, em 2015, com o faroeste Rastro de Maldade. Quando isso acontece, uma grande expectativa surge em torno do projeto seguinte. E Zahler não desapontou com o drama de prisão Confronto no Pavilhão 99, de 2017, onde dirigiu os atores Vince Vaughn, Jennifer Carpenter, Don Johnson e Udo Kier. Todos eles estão de volta, ao lado de Mel Gibson, no policial Dragged Across Concrete, escrito e dirigido por Zahler em 2018. No Brasil foi mantido o título original que traduzido seria algo como "arrastado pelo concreto”. Da mesma forma que em seus filmes anterior, o cineasta revela outra vez sua principal fonte de inspiração: o cinema americano dos anos 1970. A ação gira em torno dos policiais Brett Ridgeman (Gibson) e Anthony Lurasetti (Vaughn). Eles são suspensos por causa de um vídeo que mostrava a forma brutal com que trabalhavam. A falta de dinheiro faz com que eles entrem para o crime. A trama em si é bem simples e Zahler conduz sua narrativa de maneira seca e direta. Conta ainda com um elenco afinado do qual extrai bons desempenhos, em especial, de Mel Gibson, que brilha no papel do veterano Ridgeman.

DRAGGED ACROSS CONCRETE (Canadá 2018). Direção: S. Craig Zahler. Elenco: Mel Gibson, Vince Vaughn, Jennifer Carpenter, Laurie Holden, Don Johnson, Michael Jai White, Thomas Kretschmann e Udo Kier. Duração: 159 minutos. Distribuição: Lionsgate.
11/03/2020 - 00:15
Imprimir Comunicar erro mais opções


O americano Sean Baker já trabalha com audiovisual, desde o ano 2000, em múltiplas frentes: escrevendo, produzindo, dirigindo e montando filmes. Mas foi a partir de 2015, quando apresentou seu trabalho Tangerina no Festival de Cinema Independente de Sundance, onde revelou que o havia filmado com câmaras de celulares, que seu nome se tornou mais conhecido da indústria. Seu filme seguinte, Projeto Flórida, feito dois anos depois, veio cercado de grande expectativa. Com roteiro dele próprio, junto com Chris Bergoch, acompanhamos aqui a agitada rotina de Moonee (Brooklynn Prince), uma menina de seis anos de idade que vive com a mãe Halley (Bria Vinaite) numa hospedagem de beira de estrada próxima aos parques Disney. Ao lado de Scooty (Christopher Rivera) e de Jancey (Valeria Cotto), ela passa os dias solta pelas redondezas sem regra alguma. Apesar de contarem com proteção de Bobby (Willem Dafoe), gerente da hospedagem, o cotidiano de Moonee e Halley tem mais baixos do que altos. É visível em Projeto Flórida o olhar carinhoso de Baker para com as personagens. E aqui ele conta com um elenco infantil de grande espontaneidade. Em especial a pequena Brooklynn Prince, que brilha intensamente em todas as cenas em que aparece. Ou seja, em quase todo o filme.

PROJETO FLÓRIDA (The Florida Project – EUA 2017). Direção: Sean Baker. Elenco: Brooklynn Prince, Christopher Rivera, Bria Vinaite, Willem Dafoe, Valeria Cotto, Aiden Malik, Mela Murder e Caleb Landry Jones. Duração: 111 minutos. Distribuição: Diamond Films/Amazon Prime.
10/03/2020 - 06:45
Imprimir Comunicar erro mais opções


O ator britânico Robert Pattinson será, durante muito tempo ainda, lembrado pelo papel do vampiro romântico Edward Cullen, na franquia Crepúsculo. No entanto, quando da conclusão do quarto e último filme da série, em 2012, ele decidiu dar um novo rumo à sua carreira e aceitou o convite do diretor canadense David Cronenberg para protagonizar Cosmópolis. O roteiro, do próprio Cronenberg, é baseado no romance de Don DeLillo e conta a história de Eric Packer (Pattinson), o menino de ouro do mercado financeiro. A ação se passa em Nova York quase inteiramente dentro de uma limusine, de onde ele tudo observa. É um dia muito importante na vida de Eric, por diversas razões. E vem carregado de paranoia, reflexão e ansiedade. Cronenberg é um cineasta que sempre teve domínio do espaço em cena. Em Cosmópolis ele exercita essa habilidade com precisão e controle absolutos. E Robert Pattinson, que substituiu Colin Farrell no papel principal, se revelou como ator. Em tempo, uma piada interna: no filme seguinte de Cronenberg, Mapas Para as Estrelas, Pattinson faz uma breve participação como motorista de limusine.

COSMÓPOLIS (Cosmopolis – Canadá 2012). Direção: David Cronenberg. Elenco: Robert Pattinson, Juliette Binoche, Sarah Gadon, Paul Giamatti, Kevin Durand, Samantha Morton, Emily Hampshire, Mathieu Amalric e Jay Baruchel. Duração: 109 minutos. Distribuição: Imagem Filmes.
09/03/2020 - 00:51
Imprimir Comunicar erro mais opções


O americano Paul Feig começou sua carreira no cinema em 1995, escrevendo roteiros. Logo depois passou também a produzir e dirigir. Apesar de ter dirigido alguns filmes e séries de TV ao longo dos 15 anos seguintes, foi somente com Missão Madrinha de Casamento, de 2011, que Feig se tornou mais conhecido. Com roteiro escrito pelas atrizes Kristen Wiig e Annie Mumolo, o filme gira em torno de Lillian (Maya Rudolph), que vai se casar e convida sua amiga Annie (Wiig) para ser sua madrinha. Annie não está no seu melhor momento, pessoal e profissional. Por conta disso, ela assume aquela função com total dedicação. As coisas se complicam quando entra em cena Helen (Rose Byrne), bonita e rica e disposta a se tornar a melhor amiga de Lillian. O campo de batalha está então montado. Feig demonstra bom ritmo para a comédia, o que já era previsível, uma vez que a maioria de seus trabalhos anteriores eram desse gênero. O que torna seu olhar diferenciado é sua habilidade em dirigir mulheres. Isso fica bastante claro aqui e faz toda a diferença.

MISSÃO MADRINHA DE CASAMENTO (Bridesmaids – EUA 2011). Direção: Paul Feig. Elenco: Kristen Wiig, Rose Byrne, Maya Rudolph, Melissa McCarthy, Rebel Wilson, Matt Lucas, Terry Crews e Jill Clayburgh. Duração: 125 minutos. Distribuição: Universal.
Marden Machado
 
Escrevo, todos os dias, sobre um filme, complementando minha participação nos programas Light News (na rádio Transamérica Light FM - 95,1), na rádio CBN Curitiba (90,1 FM), no programa Caldo de Cultura (UFPR TV - canais 15 da NET, 71 da TVA ou via web no http://www.tv.ufpr.br/), e no canal http://www.youtube.com/cinemarden.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE