15/12/19
34º/21ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Isabel Furini
Isabel Furini
03/07/2019 - 09:26
Imprimir Comunicar erro mais opções
O livro "CAVANIS: 50 anos no Brasil" será lançado em Castro no mês de agosto e já foi lançado dia 30 de junho de 2019, em Aparecida do Norte - SP, por ocasião das Festividades comemorativas ao cinquentenário dos Religiosos Cavanis no Brasil.



INTRODUÇÃO


Este livro foi feito com o coração. Um trabalho realizado com ternura e respeito pelo Carisma Cavanis. Não tem a pretensão de ser perfeito. Os fatos aqui registrados são o resultado de muito estudo, pesquisa em documentos históricos, atas, de busca de literatura onde foi possível encontrar, entrevistas com muitas pessoas da comunidade e tempo dedicado exclusivamente a esse fim.
É uma homenagem aos padres Cavanis pioneiros e seus continuadores na cidade de Castro, que aqui se instalaram no final de dezembro de 1968 e a todos os que permaneceram até hoje. Estendemos esta homenagem também aos padres, aos irmãos e irmãs Cavanis do mundo inteiro.
Visa manter viva a história dos Cavanis no Brasil, que completa 50 anos, propõe-se mostrar às gerações de hoje e do futuro toda a pujança de uma época de esperança, de coragem, de fé e de afirmação de valores.
Uma instituição cinquentenária já traz consigo uma história marcante, justamente por ter vencido muitos períodos de ajustes e revitalização para que pudesse prosseguir.
Compõe-se, além desta introdução, de onze tópicos.[...]
Entregamos aos leitores o histórico de uma instituição de 50 anos que venceu etapas e resistiu a crises para se manter fiel aos propósitos dos fundadores Antônio e Marcos Cavanis, relatados por mim e por todos os que colaboraram para a produção deste livro.
Vale registrar que o livro Charitas A Serviço da Igreja e dos Jovens, organizado pelo Padre Giovani De Biasio CEC da Congregação das Escolas de Caridade trata com detalhes da organização Cavanis e do trabalho nos 25 anos dos Cavanis no Brasil.

Maria Antonieta Gonzaga Teixeira

30/06/2019 - 20:24
Imprimir Comunicar erro mais opções
Nossa entrevistada é Vera Lúcia Cordeiro – Escritora, poetisa, dubladora, compositora e artista plástica. Defensora do meio ambiente.
Realiza trabalhos voluntários em escolas e Hospitais.
Vera Lúcia é Acadêmica da AVIPAF cadeira n° 15 – Patrono Fernando Pessoa.

Fotografia de Decio Romano
Fotografia de Decio Romano - Vera Lúcia Cordeiro - escritora, poetisa e artista plástica
Vera Lúcia Cordeiro - escritora, poetisa e artista plástica


1- Quando começou a escrever?
Aos onze anos de idade já ficava fascinada quando ouvia uma poesia.
No inicio Eu tinha muita dificuldade em fazer rimas. Então iniciei
Fazendo redações no colégio e escrevendo em prosa.
Também gostava de escrever crônicas e pensamentos.
Gostava de homenagear minha mãe e meu pai. Escrevia cartões e os colocava em lugares estratégicos onde eles poderiam encontrar facilmente.
Eu ficava muito feliz com a reação deles.
Ver o sorriso estampado em seus lábios para mim era o melhor agradecimento.
Então Eu queria escrever cada vez mais. Nunca gostei muito de matemática, mas português sempre foi minha matéria preferida. Amo Literatura.

2-Quais autores influenciaram seu estilo literário?
Camões e Machado de Assis.
Cresci ouvindo falar da importância de Luiz Vaz de Camões na literatura. No início eu pensava que seu único trabalho era Lusíadas. Mas a riqueza de sua obra literária é magnífica e influenciadora "Ah o amor, que nasce, não sei onde.Vem não sei como e dói não sei por quê."
Quando conheci a literatura de Machado de Assis fiquei encantada pela sua maneira simples e direta de dizer o que pensa. Seus escritos tocam os corações.
Gosto de escrever poemas e contos bem curtos mas que toquem o coração de quem os ouvem.

3-Qual é o seu ritmo de trabalho?
Não tenho um ritmo determinado. Escrevo quando sinto desejo ou quando me sinto inspirada.

4-Qual é o seu livro de cabeceira?
A Bíblia Sagrada.

5-Tem alguma técnica para construir os poemas? Inicia com uma ideia, com uma palavra, com uma imagem, etc.?
Nenhuma técnica em especial. Escrevo por inspiração, sentimentos de alegria ou até mesmo em momentos de nostalgia.

6-Na sua avaliação, quais são os pontos fortes de seus textos?
Meus poemas geralmente são curtos e metafóricos.

7-Quais assuntos gosta de poetizar?
Os que tocam os corações. Amor, alegria e saudade.

8-Já recebeu e-mails de seus leitores?
Não costumo divulgar meus e-mails. Prefiro receber através de Whats App e Facebook.

9-Fale um pouco de sua trajetória literária.
O primeiro livro foi "Prelúdio dos Sonhos" (Poemas, crônicas e pensamentos), lançado na Casa Romário Martins, em homenagem ao aniversário de Curitiba, minha amada cidade. Em seguida O Amor Chegou com a Primavera, um conto de amor para adolescentes.
Depois Quatro contos infantis e mais tarde desenhos animados "Contos de Vera Lúcia" em CDROM e VHS.
Uma coleção de livros educativos "Pichação essa Não" visando combater a pichação e o desperdício de energia elétrica, água e alimentos, distribuídos em escolas Públicas e em condomínios residenciais.
Mini livros temáticos homenageando as mães, aos pais, aos professores, aos namorados, alusivos ao Natal, a Páscoa e em espanhol.
Inúmeras Homenagens, entre as quais posso destacar Prefeituras Municipais de: Jaguariaíva, Londrina, Ponta Grossa, Araucária e Campo Largo no Paraná.
Quatro homenagens pela Câmara Municipal de Curitiba com troféus
e certificados.
Homenagens pelo SESC Centro com troféus e publicação na Revista FECOMÉRCIO.
Participação na 1ª Bienal do Livro em Curitiba e em diversas Feiras de Livros.
Com exposição do Poema "Ser Mulher", no Shopping Balneário em Balneário Camboriú – SC.
Poemas publicados em revistas de Portugal.
Cinco poemas no livro El Cusco do Chile.
Diversos poemas publicados na Revista Carlos Zemek.
Exposição "Magia do Encontro" na Feira do Poeta com Poemas e Pinturas em telas homenageando às Mulheres e a Cidade de Curitiba de 10 de março à 11 de abril de 2019.
Participação no mini livro "Texturas Poéticas" Antologia em espanhol.
Sou Grata a DEUS pelos dons recebidos!

10-Tem projetos literários para o segundo semestre de 2019?
Sim. Pretendo lançar a 3ª edição do livro "Prelúdio dos Sonhos".
27/06/2019 - 21:52
Imprimir Comunicar erro mais opções
O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade (IHD) convida todos os poetas a participar da Colânea "100 sonetos de 100 poetas"!

Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, ritmados ou não.

Para maiores informações acessem o link do Instituto Horácio Dídimo:

https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

18/06/2019 - 08:21
Imprimir Comunicar erro mais opções
Nossa entrevistada é a poetisa Jandira Zanchi, Autora dos livros Área de corte (Patuá, 2016) e Gume de Gueixa (Patuá, 2014), Jandira Zanchi é curitibana, licenciada em Matemática pela UFPR, profissional de magistério em faculdades, colégios e cursos por mais de 30 anos. Como poeta publicou Balão de Ensaio (2007), o livro virtual A Janela dos Ventos (2012) e participou de diversas antologias. É deditora da revista Amaité Poesia e Cia. colunista da revista virtual Letras et cetera e blogueira consumada. Atualiza seus poemas em: http://jandirazanchi.blogspot.com.br/



Quando começou a escrever?
 Aos 37 anos escrevi o primeiro poema. Fiquei surpresa, sempre gostei muito de literatura, porém, nunca me imaginei poeta.

 
Comente sobre seus livros e seus autores preferidos.
R. Sempre tem livros que marcam, os preferidos? Em busca do tempo perdido de Marcel Proust,  Ensaios de Montaigne e Sobre a brevidade da vida de Sêneca. Autores, Proust, Machado de Assis, Eça de Queiroz entre outros. Na poesia tenho curtido meus contemporâneos, Leila Míccolis, Lila Maia, Adélia Prado, Ronaldo Costa Fernandes, Joãozinho Gomes entre muitos.

 
Como escolhe os títulos de seus livros?
R. Em livros de poesia uso sempre o nome de um poema, de prosa poética provavelmente vai se destacar uma ideia, um conceito ou ritmo chave.



 
Fale algum de seus livros.
R. A Janela dos Ventos, poemas, foi escrito com pouco ar, estava com crises fortes de asma na época. É interessante como situações físicas desconfortáveis geram lirismo.  Gume de Gueixa, Área de Corte são livros rituais, feitos para além de sentimentos subjetivos.  Outros refletem uma interação entre o ser e a sensorialidade a parir do mundo como O Vapor da Noite (inédito), Meio Dia/Sol Poente (inédito), Balão de Ensaio, Luas de Maçã (inédito), todos de poemas.

 
Tem alguma técnica para construir os poemas? Inicia com uma ideia, com uma palavra, com uma imagem, etc?
R. Não, apenas pulsão e o refinamento que se segue à prática de poeta. A gente vai se especializando em si mesma.

 
Na sua avaliação, quais são os pontos fortes de seus textos?
R. Abstração, dubiedade (masculino/feminino, razão/emoção), lirismo.

 
Quais são os assuntos de seus textos?
R. Sempre o ser e o mundo na poesia. Na prosa poética a visão dos sonhos e dos ideais marcam ritmo e texto.

 
Já recebeu e-mail de seus leitores? Como se sentiu?
R. Algumas vezes, emails e comentários. Faço um tipo de trabalho para reflexão, não causo efusão, grandes torrentes de palavras. Mas, já tive leitores que me envaideceram com suas impressões.

 
Fale um pouco de sua trajetória literária.
R. O primeiro livro,  Balão de Ensaio, publiquei em 2007. Fiz publicações, duas, com a Editora Patuá, outras pela minha editora, singularidade. Não tenho tanta pressa em publicar livros, nem em fazer falso cuurriculum. Como editora virtual, comecei em 2014, em mallarmargens, aconteceu uma ruptura em 2018 e agora edito Amaité, tenho estado muito interessada em poesia viva, aquela que é feita aqui e agora.

 
Têm projetos literários para o segundo semestre de 2019?

R. Sim, pretendo publicar um ou dois livros meus de poesia e por no ar um projeto de dois anos, incluir o Brasil em um corredor cultural que abrange países de língua espanhola. O projeto, na Bahia, está sendo editado por uma ótima poeta, jovem e premiada,  dinâmica.  Em Santa Catarina, um poeta e músico também vai se integrar a esse projeto. Anunciaremos nome do evento, datas e coordenadores em breve.
14/06/2019 - 09:21
Imprimir Comunicar erro mais opções
O romance "Os Velhacos", escrito a quatro mãos, foi lançado no mês de maio nas Livrarias Curitiba, onde o livro pode ser adquirido.
"Os Velhacos" está sendo muito elogiado em Curitiba, e para falar mais sobre o livro os autores Helena Douthe e Franccis Yoshi Kaea serão entrevistados a partir das 19 horas, no dia 17 de junho, no programa de rádio mestre Sidney, no radio Galpão da Amizade.

Os Velhacos narra a saga de duas famílias, suas ambições, seus sonhos de poder e as traições.

Helena Douthe é romancista e poetisa e participou da Antologia poética do Recanto das Letras, e foi convidada para expor seus trabalho na Feira do Poeta de Curitiba.

Isabel Furini
 
Isabel Furini, escritora e educadora. Recebeu prêmios em concursos de poesia e de contos. Publicou 15 livros, entre eles: Mensagens das Flores e Ele e outros contos. Também escreve para o público infanto-juvenil. É autora da coleção "Corujinha e os Filósofos" da Editora Bolsa Nacional do Livro de Curitiba.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE