07/12/19
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Felipe Rocha dos Reis
Felipe Rocha dos Reis
07/11/2018 - 13:46
Imprimir Comunicar erro mais opções
Yamaha/Divulgação
Yamaha/Divulgação

Nesta terça (06), a Yamaha finalmente apresentou a sua trail de média cilindrada, Tenere 700. A substituta da meiota só deve ser vendida no final de 2019.

Em 2016, a marca japonesa mostrou um protótipo dela, chamada de Projeto T7, porém, pouco se sabia dela. Apenas desconfiava-se que o motor seria o mesmo da MT-07, o que se confirmou. A nova Ténéré 700, utiliza o mesmo motor da sua irmã naked, porém, reconfigurado para ter mais torque em baixas e médias rotações. São 689 cilindradas em dois cilindros paralelos, e um câmbio de seis marchas.
Yamaha/Divulgação
Yamaha/Divulgação - O motor é o mesmo da MT-07
O motor é o mesmo da MT-07

A ciclística da moto indica uma grande vocação para o off road. Rodas raiadas de 21" na dianteira, e 18" na traseira. As rodas grandes, ajudam e muito na hora de passar pelos buracos e pedras. As suspensões são totalmente ajustáveis. Na dianteira, o sistema telescópico invertido, com 210mm de curso. Na traseira, um mono-amortecedor com links e 200mm de curso. Os freios, duplo disco na dianteira e simples na traseira, possuem ABS, que podem ser desligados para o uso Off Road.

No design, uma moto de rally. Até o seu painel lembra aqueles grandes aparelhos de navegação. A intenção é esta mesmo! Uma grande carenagem que protege os farois em LED e forma uma bolha de proteção para o piloto.
Yamaha/Divulgação
Yamaha/Divulgação

Infelizmente, o preço ainda não foi divulgado e, não há previsão de chegada ao Brasil. Se na Europa só chegará as lojas no final do ano que vem, no Brasil, podemos esperar somente para 2020. Agora é esperar...

Veja mais fotos em nossa página no Facebook
Siga-nos no Instagram
06/11/2018 - 11:47
Imprimir Comunicar erro mais opções
Nesta terça (06), a Fiat apresentou o seu novo conceito de SUV, inspirada no sucesso de vendas Fiat Toro.

A carroceria, SUV, lembra na verdade um coupé, devido ao teto mais baixo na parte traseira, seguindo a escola das alemãs Mercedes e BMW, com as suas GLE e X6. O desenho deste utilitário foi todo desenvolvido no escritório de design da Fiat do Brasil, em Betim (MG).

Com a Toro Fastback (pode ser que receba este nome), a Fiat busca voltar para o mercado das SUVs, desde a Freemont, que deixou de ser fabricada ainda em 2016.

Ainda não há informações sobre a possível motorização, mas já é esperado um novo motor para a Toro. Como o conceito pode chegar em 2020, provavelmente será com um novo propulsor, e trará junto, um facelift para a atual pick-up da marca.

Vamos aguardar!




Curta nossa página no Facebook
Siga-nos no Instagram
05/11/2018 - 14:33
Imprimir Comunicar erro mais opções
Ducati - Divulgação
Ducati - Divulgação

A Ducati acaba de antecipar a sua Superesportiva de 1000 cilindradas, que será apresentada no Salão de Milão (EICMA 2019). A novidade, inspirada nas motos do Mundial de Motovelocidade, é a Ducati Panigale V4R.

A motocicleta da marca italiana traz diversas inovações tecnológicas, que vão além do conjunto de motor e suspensões. A aerodinâmica da moto foi desenhada e desenvolvida pela Ducati Corse, divisão esportiva da marca. A nova carenagem possuí "asas", ou apêndices aerodinâmicos, que permitem mais estabilidade da moto e altas velocidades.
Ducati - Divulgação
Ducati - Divulgação

O conhecido motor das Panigale 1299 foi deixado de lado. Este novo motor, um V4 de 998 cilindradas. Apesar da redução do motor, a potência ficou maior, são 221 cavalos na versão de rua contra 205 na Panigale 1299. A versão para as pistas alcança 234 cavalos!

Esta redução tem um motivo, voltar a disputa do campeonato do Mundial de Superbike, que não vence desde 2011. Para a WSBK, a motocicleta tem de ser homologada para as ruas e possuir até 1000cc.

Na versão de rua, mais mansa, vamos dizer assim, são apenas 172 kg para os 221 cavalos. Na de pista a relação peso potência é ainda melhor: 234 CV, e 165,5 Kg. São 1,42 cavalos por quilograma!

Confira as fotos dessa máquina!
Ducati - Divulgação
Ducati - Divulgação

Ducati - Divulgação
Ducati - Divulgação

Ducati - Divulgação
Ducati - Divulgação

Ducati - Divulgação
Ducati - Divulgação

Curta nossa página no Facebook
Siga-nos no Instagram
25/07/2018 - 08:56
Imprimir Comunicar erro mais opções
Quando se trata de lubrificantes, algumas dúvidas são muito comuns. Qual óleo devo usar no meu carro? Quando devo trocar o óleo? A resposta é bem simples: utilizar o óleo recomendado pelo fabricante, na quilometragem indicada, tudo conforme manda o manual do proprietário do veículo.

Isso não significa que a troca deve ser feita na concessionária, nem que o óleo deve ser da marca X ou Y. Os lubrificantes automotivos seguem normas específicas, então, desde que o óleo siga estas normas, a marca é questão de preferência e confiança.

Entendendo as especificações

A sigla SAE (Sociedade Americana dos Engenheiros Automotivos), fala sobre a viscosidade do óleo. É aquele conjunto de números e uma letra, por exemplo, 5W-30 ou 15W-40. O número menor, acompanhado pela letra W indica a viscosidade na temperatura de partida a frio. A letra W vem de Winter, inverno em inglês. O número maior é para as temperaturas mais altas.

A outra sigla, API, vem de American Petroleum Institute. Esta, faz referência ao desempenho do óleo, e são representadas da seguinte forma: API SM, sendo que a letra S representa o tipo de motor (Para motor à diesel a letra é C), e a letra seguinte se refere à tecnologia empregada. Quanto mais avançada a letra no alfabeto, mais recente é a tecnologia deste lubrificante.

Num exemplo de aplicação, um motor desenvolvido para trabalhar com um API SJ, pode receber um óleo SL ou SM, mas nunca um SH ou SG.

Felipe Rocha dos Reis / Oficina Londrina
Felipe Rocha dos Reis / Oficina Londrina - Sempre verifique a especificação do óleo.
Sempre verifique a especificação do óleo.


E quanto ao tipo de óleo, quais são?

Mineral, semissintético ou sintético. Por que isso é importante? Bem, quando o seu motor foi desenvolvido, os engenheiros pensaram especificamente naquele óleo, com aquelas propriedades, de acordo com as necessidades daquele motor. Utilizar o óleo errado pode diminuir drasticamente a vida útil do motor.

Nas lojas especializadas em lubrificantes costumam ter tabelas com o óleo específico para cada carro.Elas trazem as informações sobre a viscosidade, a tecnologia e até a quantidade e o tempo de troca.

E por falar em tempo de troca, este detalhe é tão importante quanto a própria especificação. Obedecer rigorosamente o tempo de troca garante que todos os aditivos necessários para o bom funcionamento do motor estejam agindo. Os aditivos trazem diversas vantagens, como a proteção à oxidação, a prevenção de acúmulo de borras, aderência aos metais e etc. Utilizar um óleo além de sua capacidade, faz com que o motor trabalhe sem esses aditivos NECESSÁRIOS, para o funcionamento do propulsor. O que também diminuiu a vida útil do motor.

E quanto aos aditivos?

Em condições normais de uso não precisa, mas não faz mal nenhum ao motor. É como se fosse alguém que tem uma boa alimentação e vida saudável ainda tomar um complexo de vitaminas. Em casos extremos de uso do veículo, como em competições ou em caso de altas cargas ou reboque, o uso pode ser interessante.

No dia a dia

Felipe Rocha dos Reis / Oficina Londrina
Felipe Rocha dos Reis / Oficina Londrina - Sempre confira o óleo: o nível deve estar entre as duas marcações da vareta.
Sempre confira o óleo: o nível deve estar entre as duas marcações da vareta.


Sabe quando você vai abastecer e o frentista se oferece para verificar o óleo? Então, quase sempre o óleo vai se mostrar abaixo do nível. Quer dizer que você deve completar ou trocar? NÃO! O lubrificante foi bombeado por todos os dutos do motor e, logo que o carro é desligado, ainda leva um tempo para voltar tudo para o cárter. O correto é esperar uns cinco minutos ou verificar o nível do óleo antes de sair de casa. Este hábito pode ser quinzenal.

Caso seja necessário completar, deve-se usar o mesmo óleo que foi utilizado na troca, de mesma especificação e de preferência, mesma marca. Jamais misture um óleo sintético com um mineral.

Lembre-se, um motor é um conjunto de peças em constante aquecimento e atrito. O óleo é o que faz tudo se movimentar mais fácil, então, cuide bem desse componente!

Curta nossa página no Facebook
Siga-nos no Instagram
03/07/2018 - 14:03
Imprimir Comunicar erro mais opções
Nesta semana, a Ducati divulgou uma edição especial da Monster, a 1200 25° Anniversario. Sim, já faz 25 anos que esta Naked arranca suspiros de muito marmanjo por aí, e desde sempre, a Ducati faz questão de mostrar seu chassis treliçado e seu motor em L.

Nesta nova versão, são poucas as mudanças, mas são significantes. No visual, traz uma pintura exclusiva, com as cores da bandeira italiana. Diversas peças em fibra de carbono também foram empregadas, trazendo não só design como alívio de peso.



Além da aparência, a 1200 25° Anniversario traz mudanças na ciclística e freios. Suas suspensões, com diversas regulagens, são assinadas pela empresa sueca Öhlins, especialista no assunto. Os freios não poderiam ser diferentes: Brembo, de ação radial, com dois enormes discos de 330mm na dianteira, e um de 245mm na traseira. As rodas são exclusivas, forjadas em liga especial assinadas pela Marchesini.

A produção desta bela motocicleta está limitada à 500 unidades. Para mostrar o número de produção, há uma plaqueta fixada no chassis. Na Itália, está sendo vendida por quase 20 mil euros, algo em torno de 90 mil reais, no câmbio atual. Infelizmente, não veremos esta moto no Brasil.

Curta nossa página no Facebook
Siga-nos no Instagram

Confira as fotos dessa obra de arte!

Ducati / Divulgação
Ducati / Divulgação


Ducati / Divulgação
Ducati / Divulgação


Ducati / Divulgação
Ducati / Divulgação


Ducati / Divulgação
Ducati / Divulgação
Felipe Rocha dos Reis
 
Nascido em São Paulo, Felipe Rocha dos Reis sempre foi um entusiasta por carros e motos. Quando criança - ao contrário dos outros garotos que queriam ser jogador de futebol – Felipe sonhava em ser mecânico da Formula 1. Cursou Técnico em Mecânica pelo SENAI, Tecnologia Mecânica pela UTFPR e está na reta final de Engenharia Mecânica pela Faculdade Pitágoras - Londrina. Trabalha como projetista de máquinas industriais, mas não deixou de lado toda paixão e expertise pelos automotores de duas e quatro rodas.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE