26/09/20
°/°
PUBLICIDADE
Carla Benedetti
Carla Benedetti
12/12/2019 - 17:25
Imprimir Comunicar erro mais opções
(Foto: Reprodução/FreePik)
(Foto: Reprodução/FreePik)


No caso da aposentadoria por tempo de contribuição da pessoa com deficiência, o segurado será avaliado por profissionais multidisciplinares, os quais estabelecerão o grau de deficiência. Para os homens, são necessários: 33 anos, se a deficiência for leve; 29 anos, se for moderada; e 25 anos, se for grave. Quanto às mulheres: 28 anos, para leve; 24 anos, para moderada; e 20 anos, para grave.
05/12/2019 - 14:04
Imprimir Comunicar erro mais opções
(Foto: Reprodução/FreePik)
(Foto: Reprodução/FreePik)


O segurado que deseja buscar o benefício de aposentadoria da pessoa com deficiência deverá fazer um requerimento junto ao INSS. Neste caso, deverá ser avaliado por médico para que se estabeleça o grau da deficiência, além do assistente social, que avaliará o grau de dificuldade de inserção dessa pessoa em sociedade.

Faz-se necessário ainda cumprir um mínimo de 180 contribuições para que se implemente todos os requisitos, além de demonstrar que possui deficiência de longo prazo, que é aquela existente por mais de 2 anos e que produz efeitos de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, tal como utilizado pela Lei n. 8.742/93, para a concessão do benefício assistencial de amparo ao deficiente.

Caso se discorde da decisão do INSS, é possível entrar com uma ação na justiça para requerimento do benefício.
28/11/2019 - 15:23
Imprimir Comunicar erro mais opções
(Foto: Reprodução/FreePik)
(Foto: Reprodução/FreePik)


Primeiramente é importante esclarecer que inicialmente essa reforma terá aplicabilidade somente para os servidores Federais, não abrangendo os Estaduais e Municipais. Todavia, para que estes últimos participem de uma reforma previdenciária, está tramitando um projeto em paralelo.

Quanto às regras referentes à reforma da previdência, há hipóteses de transição e definitivas. Na regra definitiva haverá a extinção da aposentadoria por tempo de contribuição, passando a existir somente a aposentadoria por idade.

Na aposentadoria por idade do Regime Estatutário, a mulher deverá cumprir 62 anos de idade, e o homem, 65 anos. Deverá ainda cumprir 25 anos de contribuição; 10 anos de serviço público e 05 anos no cargo para mulheres e homens.

Na regra atual, a aposentadoria por tempo de contribuição exige que a mulher cumpra 55 anos de idade, e o homem 60 anos, além de, respectivamente, 30 e 35 anos de contribuição. Todavia, caso o servidor federal não tenha cumprido estes requisitos, aplica-se então uma regra de transição.

Dentre as regras de transição, 2 opções são possíveis, quais sejam: a de que a mulher deve completar 56 anos de idade, mais 30 anos de contribuição, e o homem 61 anos de idade, mais 35 anos de contribuição, totalizando, respectivamente, 86 e 96 pontos. Pela regra dos pontos, e conforme a transição, exige-se, a partir de 2020, o cumprimento de mais um ponto por ano, até completar 100 pontos, no caso da mulher, e 105 para o homem, além de 20 anos de serviço público e 5 anos no cargo.

Na segunda opção, a mulher deverá cumprir 57 anos de idade e 30 anos de contribuição, e o homem, 60 anos de idade e 35 anos de contribuição, além de 20 anos de serviço público e 5 anos no cargo, devendo ainda cumprir o Pedágio. Enquanto na primeira opção o cálculo será realizado pela média dos 60% de todas as contribuições correspondentes a 07. 1994 até a data de um mês anterior ao requerimento, acrescido de 2% de cada ano que ultrapassar a carência mínima de 20 anos, no segundo caso aposenta-se com 100% de média apurada.

Na regra de transição, a fim de se atingir a paridade de salários, ou seja, garantir a aposentadoria pela última remuneração, a mulher deverá completar 62 anos, e o homem, 65 anos.

Percebe-se, então, que a reforma da previdência irá trazer significativas mudanças para o servidor público, tanto nos requisitos para obtenção de benefícios previdenciários, quanto na forma de cálculo a ser realizada.

Confira o vídeo:

12/11/2019 - 14:01
Imprimir Comunicar erro mais opções
(Foto: Reprodução/FreePiK)
(Foto: Reprodução/FreePiK)


O cálculo do salário de benefício da aposentadoria por tempo de contribuição é a média dos 80% maiores salários do segurado, ou seja, considera todos os recolhimentos já feitos para a Previdência Social. Deste modo, quando houver atividades concomitantes, é correto que os salários sejam somados para integrar o PBC – Período Base de Cálculo - do trabalhador. O entendimento corrente no Tribunal Regional Federal da 4a Região, mais especificamente na 6a Turma, também é pela soma dos salários de atividades concomitantes.
05/11/2019 - 15:13
Imprimir Comunicar erro mais opções
(Foto: Reprodução/FreePiK)
(Foto: Reprodução/FreePiK)


Tratando-se de prestações previdenciárias pagas por concessão de benefício regularmente deferido, tem-se caracterizada a boa-fé da segurada, não havendo que se falar em restituição, desconto ou devolução de valores de benefício previdenciário, ainda que este tenha sido suspenso.
Carla Benedetti
 
Um espaço de interação dedicado a tratar os temas mais relevantes relacionados à Previdência Social. Em pílulas do direito previdenciário você acompanhará dicas e poderá tirar suas dúvidas sobre aposentadorias, auxílios, pensões, dentre outros benefícios que os segurados possuem direito.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
 
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados