Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Limpando o armário

31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Para a etapa do teste do consumidor que discute como usar um produto, o Instituto Akatu dá a seguinte dica:

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

"Aproveitar um produto até o final de sua vida útil, evitando desperdícios, contribui para o uso sustentável dos recursos da natureza e da sociedade e para a redução da geração de lixo."

Continua depois da publicidade


Tenho mania de guardar quinquilharias, acho que é algo que aprendi com meus avós. No ano passado, com a passagem do meu avô, minha avó resolveu vender a casa, construída há mais de 40 anos. Eu não estava lá para ver o tanto de coisas que eles guardaram nos cantinhos escondidos da casa ao longo dos 55 anos de casamento. À mim, sobrou apenas o velho gravador Panasonic do vô, aquele que ele usava para gravar a nonna contando histórias da velha Itália ou os primos do interior cantando moda de viola. Ela salvou pouca coisa para o novo apartamento: móveis foram levados para a casa de praia e as roupas e as ferramentas do quartinho de bagunça do meu vô foram doadas, assim como a velha estante abarrotada de livros e gibis.


Minha vó começou 2009 com tudo novo, principalmente a vida, que será mais solitária, mas ao mesmo tempo, mais independente. Eu, mais uma vez seguindo os passos dela, trouxe para minha nova casa lembranças da infância que ainda guardava no meu quarto, na casa dos meus pais, em Sampa. Reli cartas, o velho caderninho de recordações assinado pelos amigos do colégio, lavei todas as pelúcias e guardei-as de volta no armário. Às vezes tenho vontade de doar tudo, criar espaços nos armários, limpar. Outras prefiro saber que está tudo lá ao meu alcance, para quando a saudade apertar.

Tanta divagação é para fazer pensar sobre o que realmente vale a pena ser guardado e aproveitado até o último minuto: meu avô guardava tudo, era muito zeloso. No fim da vida, porém, já não ligava mais para nada e coube à minha vó, que nunca quis saber de livros e ferramentas, se livrar do passado dele. Eu não quero dar essa responsabilidade a ninguém e apesar de gostar de lembrar, acho que vou guardar as lembranças no coração. Libertar o passado e liberar o armário para novas experiências.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade