Pesquisar

Canais

Serviços

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Entenda

Após ter live retirada do ar, Bolsonaro culpa imprensa por fake news

Ricardo Della Coletta/Folhapress
26 out 2021 às 10:36
Continua depois da publicidade

Depois de o Facebook e o Instagram terem tirado do ar a live em que Jair Bolsonaro (sem partido) associou, falsamente, vacinas contra a Covid-19 e Aids, o presidente distorceu nesta segunda-feira (25) uma reportagem da revista Exame e culpou a imprensa pela divulgação da fake news.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


O mandatário tem sido criticado pela oposição e por especialistas de saúde. Médicos afirmam que a associação entre o imunizante contra o coronavírus e a transmissão do HIV, o vírus da Aids, é falsa, inexistente e absurda.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Na quinta-feira (21), Bolsonaro citou "relatórios oficiais do governo do Reino Unido" segundo os quais pessoas totalmente vacinadas estariam "desenvolvendo a Síndrome da Imunodeficiência Adquirira [Aids] mais rápido do que o previsto".


No vídeo -derrubado pelas redes sociais- Bolsonaro afirma que só daria a notícia e que não a comentaria. "Portanto, leiam a matéria, não vou ler aqui porque posso ter problema com a minha live. Não quero que caia a live aqui, quero dar informação", disse.


Nesta segunda, em entrevista a uma rádio de Mato Grosso do Sul, ele voltou ao tema e argumentou que teria retirado a informação da revista Exame. No entanto, ele não citou o nome da publicação durante a live de quinta.

Continua depois da publicidade


"A revista Exame fez uma matéria sobre vacina e Aids. Eu repeti essa matéria na minha live, dois dias depois a Exame falou que eu falei fake news. Foi a própria Exame que falou da relação de HIV com vacina, eu apenas falei sobre a matéria da revista Exame. E dois dias depois a Exame me acusa de ter feito fake news sobre HIV e vacina. A gente vive com isso o tempo todo", disse.


No entanto, há uma série de distorções feitas por Bolsonaro na reportagem da revista.


Primeiro, ele não disse na live que a reportagem em questão foi publicada em outubro de 2020, há mais de um ano. O conteúdo da revista tampouco cita qualquer documento oficial do governo britânico.


O site da revista fez reportagem baseada em uma carta publicada no periódico científico The Lancet em 19 de outubro de 2020. Nessa correspondência, um grupo de quatro cientistas expressa preocupação pelo fato de algumas vacinas pesquisadas contra a Covid usarem um tipo específico de adenovírus, o adenovírus 5, que, no passado, em estudos para uma vacina contra o HIV, foi usado como vetor viral.


Os quatros autores da carta relatam que esses antigos estudos para uma possível vacina contra o HIV indicaram que voluntários homens vacinados nos testes teriam um risco aumentado de adquirir o HIV. Em nenhum momento, os pesquisadores disseram que isso também seria notado necessariamente para as vacinas contra Covid-19 que usassem o adenovírus 5, mas, sim, que essa informação deveria servir de alerta aos criadores dos imunizantes.


"Até agora, não se comprovou que alguma vacina contra a covid-19 reduza a imunidade a ponto de facilitar a infecção em caso de exposição ao vírus [do HIV]", diz a mesma reportagem.


Procurada, a Exame afirmou que não comentaria as declarações de Bolsonaro.


Carlos Lula, presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), também criticou a fala de Bolsonaro. Segundo ele, a live foi absurda, trágica, falsa, mentirosa e grotesca.


"Mais do que isso, ela impõe um ônus aos portadores de HIV. Mais um capítulo lamentável dessa sucessão de absurdos do presidente durante o enfrentamento da pandemia", completou Lula, que é secretário de Saúde do governo do Maranhão.

Continue lendo