Pesquisar

Canais

Serviços

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Energia elétrica

Bolsonaro comemora chuva e promete determinar volta ao normal da atual bandeira tarifária

Ricardo Della Coletta/Folhapress
15 out 2021 às 10:43
Continua depois da publicidade

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, na noite desta quinta-feira (14), que irá determinar ao ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) a volta ao normal da atual bandeira tarifária –que tem gerado aumento na conta de luz.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Durante um evento organizado pela igreja evangélica Comunidade das Nações, o mandatário comemorou ainda a chuva registrada em algumas regiões do país.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


"Meu bom Deus nos ajudou agora com chuva. Estávamos na iminência de um colapso. Não podíamos transmitir pânico na sociedade. Dói a gente autorizar ao ministro Bento, das Minas e Energia, decretar a bandeira vermelha. Dói no coração, sabemos da dificuldade da energia elétrica. Vou pedir para ele –pedir não, determinar– que volte a bandeira ao normal a partir do mês que vem", declarou.


Embora Bolsonaro tenha citado a modalidade vermelha, a bandeira tarifária atualmente em vigor no Brasil é a da "escassez hídrica".


Ela foi criada no final de agosto, diante do cenário de baixa dos reservatórios e de ameaça de racionamento.

Continua depois da publicidade

O custo da bandeira é de R$ 14,20 a cada 100 kWh (quilowatt-hora) e a previsão é que ela vigorasse até abril de 2022.


Com a maior crise hídrica dos últimos 91 anos, as hidrelétricas perderam espaço na oferta, enquanto o governo se viu obrigado a acionar térmicas –fonte mais cara, cujo custo é repassado ao consumidor.


As bandeiras (verde, amarela e vermelha) constam da conta de luz e servem para indicar a necessidade de se reduzir o consumo. Caso contrário, o cliente paga mais.


Assessores do Palácio do Planalto avaliam que reajustes de preços, como o dos combustíveis, ou a adoção de um racionamento no momento prejudicariam ainda mais Bolsonaro em sua campanha pela reeleição. O presidente tem visto sua popularidade cair diante de medidas contra a pandemia e da degradação do cenário econômico.

Continue lendo