Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Suposta saudação nazista

Adrilles Jorge é denunciado ao Ministério Público por sindicato de advogados

Mônica Bergamo - Folhapress
09 fev 2022 às 17:10
- Reprodução/Jovem Pan
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Sindicato das Advogadas e Advogados de São Paulo acionou o Ministério Público de São Paulo solicitando a abertura de inquérito contra o ex-BBB e ex-comentarista da Jovem Pan Adrilles Jorge, demitido após ter feito uma suposta saudação nazista.


O episódio, que ocorreu na noite de terça-feira (8) durante o programa "Opinião", foi transmitido ao vivo pelo canal de TV Jovem Pan News.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Adrilles comentava o caso do podcaster Monark, desligado do Flow Podcast depois de defender a existência de um partido nazista no Brasil, quando levantou o braço e posicionou sua mão em movimento similar ao "Sieg Heil", saudação usada por Adolf Hitler. Ele nega qualquer alusão ao gesto e diz que apenas deu tchau.

Leia mais:

Imagem de destaque
363 yanomamis morreram

Um ano foi insuficiente para lidar com toda situação em terra yanomami, diz Guajajara

Imagem de destaque
Redução na taxa

Desmatamento na Amazônia cai 60% em janeiro deste ano

Imagem de destaque
Após cirurgia

Morre, aos 84 anos, o economista Affonso Celso Pastore, que presidiu o BC nos anos 1980

Imagem de destaque
Estrategia de marketing

Procon-SP pede explicações do McDonalds por sumiço do McFish


Em ofício à Promotoria de Justiça de Direitos Humanos do Ministério Público, o Sasp afirma que atos como esse devem ser combatidos, "por menos perigosos que possam parecer".

Publicidade


O presidente do sindicato, Fábio Gaspar, e o coordenador de direitos humanos do Sasp, Pedro Martinez, pedem ainda que a Jovem Pan seja investigada junto ao ex-comentarista.


"Não é possível que concessões públicas de rádio e televisão sejam palco de condutas incompatíveis com a Constituição Federal e Tratados Internacionais dos quais o Brasil é signatário, promovendo discriminação e atacando direitos fundamentais", afirmam no documento.

Publicidade


Ao anunciar a demissão de Adrilles, a emissora disse que repudia qualquer manifestação em defesa do nazismo e suas ideias. "Somos veementemente contra a perseguição a qualquer grupo por questões étnicas, religiosas, raciais ou sexuais", afirmou em nota.


À coluna, Adrilles Jorge afirmou nesta quarta-feira (9) que está "muito magoado" com a Jovem Pan e diz ter sofrido assédio moral. Segundo Adrilles, o dono da emissora, Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho, conhecido como Tutinha, telefonou depois do programa e o destratou.

Publicidade


"Ele disse: 'É surreal o que você fez, uma saudação nazista. Você fez uma merda, uma imbecilidade'. Me chamou de imbecil, me assediou moralmente", afirma o ex-apresentador. "Acho que ele não tinha tomado o Rivotril [remédio usado para tratar distúrbios de ansiedade] dele direito."


Adrilles seguiu: "Eu disse a ele que dei apenas um tchau. Ele falou que a Jovem Pan ia perder patrocínio, anunciantes. Comunicou que eu estava suspenso."


Depois que o telefonema foi encerrado, no entanto, Adrilles soube que na verdade estava demitido.
"Fui demitido por quê? Por que dei um tchau? Ou porque ele [Tutinha] não aguentou a pressão da turba, dos canceladores? Ele cedeu à grana, aos influenciadores, à turba sedenta de sangue."


O ex-apresentador afirma que, "se as pessoas assistissem" ao programa "Opinião", veriam que ele passou "meia hora atacando o nazismo" e criticando as declarações de Monark no Flow Podcast.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade