12/07/20
27º/15ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Fique em casa!

Barroso veta publicidade do governo que diz que 'o Brasil não pode parar'

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu "vetar a produção e circulação, por qualquer meio, de qualquer campanha que pregue que 'O Brasil Não Pode Parar' ou que sugira que a população deve retornar às suas atividades plenas, ou, ainda, que expresse que a pandemia constitui evento de diminuta gravidade para a saúde e a vida da população".

José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Segundo ele, a supressão das medidas de distanciamento social, propagadas pela publicidade elaborada no governo, colocaria em risco a vida, a segurança e a saúde da população, direitos que a Corte tem o dever de tutelar.

Ele atendeu a um pedido da Rede para que a campanha, elaborada pela Secom (Secretaria de Comunicação) do governo de Jair Bolsonaro, não seja divulgada.

Um vídeo preliminar da publicidade, denominado "O Brasil Não Pode Parar", já circula em redes sociais e foi disponibilizado no Instagram e disparado por WhatsApp. As imagens e o texto estão alinhados com os discursos feitos por Jair Bolsonaro, que é contrário ao isolamento social determinado por governos estaduais.

Barroso cita declarações da OMS (Organização Mundial de Saúde), do Conselho Federal de Medicina, da Sociedade Brasileira de Infectologia e do próprio Ministério da Saúde, que dizem que o isolamento social se impõe para evitar uma catástrofe na saúde, para suspender a veiculação da campanha.

"Não se trata aqui de uma decisão política do Presidente da República acerca de como conduzir o país durante a pandemia. Haveria uma decisão política, no caso em exame, se a autoridade eleita estivesse diante de duas ou mais medidas aptas a produzir o mesmo resultado: o bem estar da população, e optasse legitimamente por uma delas", diz Barroso.

"Não é o caso", segue o ministro. "A supressão das medidas de distanciamento social, como informa a ciência, não produzirá resultado favorável à proteção da vida e da saúde da população. Não se trata de questão ideológica. Trata-se de questão técnica. E o Supremo Tribunal Federal tem o dever constitucional de tutelar os direitos fundamentais à vida, à saúde e à informação de todos os brasileiros."

"O que está em debate aqui é, não um direito, mas o dever da União de informar adequadamente o público acerca das situações que colocam em risco a sua vida, saúde e segurança".
Mônica Bergamo - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Saiba mais
Mandetta diz que idosos não vivem em cápsulas e defende isolamento geral
Fique em casa!
Medidas de isolamento ajudaram a evitar maior avanço do coronavírus, diz ministro da Saúde
Economia
Prefeitura anuncia plano com medidas para auxílio no período da pandemia em Londrina
Continue lendo
Pandemia em Londrina
Relatório do Coesp indica que nem pior dos cenários merecia quarentena mais dura
12 JUL 2020 às 15h13
Estava na cadeia
Condenado por corrupção, ex-deputado Nelson Meurer contrai Covid-19 e morre
12 JUL 2020 às 14h17
Arapongas
Prefeitura vai apurar vazamento de lista de pessoas com Covid-19
12 JUL 2020 às 13h29
Em Maringá
Fiscais da prefeitura flagram mercado, disque-cerveja e açougue desrespeitando decreto da quarentena
12 JUL 2020 às 11h56
'Mega semana'
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 44 milhões na terça-feira
12 JUL 2020 às 10h45
Estaria embriagado
PRF prende motorista que agrediu companheira em Apucarana
12 JUL 2020 às 10h23
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados