Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Entenda

INSS sobre terço de férias não deve ser pago de forma retroativa, decide STF em julgamento

Fernando Narazaki - Folhapress
14 jun 2024 às 12:08
- Marcelo Camargo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Empresas que entraram na Justiça contra o pagamento da contribuição previdenciária ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) sobre o terço constitucional de férias entre os anos de 2014 e 2020 não precisarão pagar valores retroativos do tributo, que será cobrado a partir de 2020.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Números da Aneel

Geração de energia tem expansão recorde de 18,7% no Brasil

Imagem de destaque
Manchas alaranjadas no litoral

Praias de Balneário e Florianópolis têm 'maré vermelha'

Imagem de destaque
Crime ambiental

Morte de três toneladas de peixes no Rio Piracicaba é investigada

Imagem de destaque
Matou 199 pessoas

Acidente com voo da TAM 3054: maior tragédia da aviação brasileira completa 17 anos

Foi o que decidiu o STF (Supremo Tribunal Federal) em julgamento nesta quarta-feira (12). Por sete votos a quatro, não haver retroação da cobrança entre 2014 e 2020, período em que havia uma decisão do STJ (Superior Tribunal da Justiça) indicando que as empresas não precisariam pagar a contribuição.

Publicidade


O terço é férias é o adicional de um terço do valor do salário pago nas férias de quem é empregado com carteira assinada.


Os ministros estabeleceram que o pagamento da contribuição passa a ser válido a partir de 15 de setembro de 2020, quando o Supremo publicou mudança na cobrança.

Publicidade


Outra definição foi que a União não devolverá as contribuições previdenciárias que foram pagas pelas empresas referente ao período entre 2014 e setembro de 2020 que não foram contestadas na Justiça.


Em 2020, o STF definiu que o terço constitucional é uma verba que complementa a remuneração do trabalhador e, portanto, cabe a cobrança da contribuição ao INSS.

Publicidade


Na época, os ministros julgaram recurso da União que contestava decisão do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) de respaldar uma empresa que não pagou a contribuição previdenciária do terço constitucional.


A decisão do TRF-4 era baseada em uma definição do STJ de 2014, que havia decidido que o terço constitucional era uma quantia de origem indenizatória, o que não permitiria a cobrança da contribuição previdenciária.

Publicidade


A partir daí, as empresas deixaram de repassar para o governo a contribuição, que pode variar entre 20,5% e 32% do valor referente a um terço das férias dos seus empregados.


Em 2020, o Supremo mudou o entendimento do TRF-4 e do STJ para considerar que a cobrança era válida. Porém, houve a indefinição se o pagamento teria de ser retroativo a 2014, quando o STJ definiu pela não cobrança, ou se seria válido após a decisão do STF.

Publicidade


Em 2023, o ministro André Mendonça, do STF, suspendeu todos os processos sobre o tema até que houvesse decisão final, o que ocorreu nessa quarta-feira.


"Essa modulação do STF define que quem pagou [entre 2014 e 2020] e entrou com ação judicial, terá um direito creditório, que pode variar conforme o tipo de ação. Quem pagou e não entrou com ação não terá o valor devolvido", diz Fábio Berbel, diretor do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), que entrou no processo como interessado.

Publicidade


Porém, no caso de quem não quitou os valores entre 2014 e 2020, a quantia deve ser paga de forma retroativa se a empresa não entrou com ação judicial.


"Para quem não judicializou, não há essa proteção. Portanto, quem não pagou, terá de pagar com juros e multa", diz Halley Henares, presidente da Abat (Associação Brasileira de Advocacia Tributária).


No julgamento desta quarta, foram mantidos os votos dos ministros aposentados Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber, que participaram da sessão em 2021 que julgou os recursos sobre a decisão do STF. Marco Aurélio e Lewandowski defenderam que o pagamento fosse retroativo a partir de 2014, assim como Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes.


Rosa foi favorável que o pagamento fosse válido a partir de setembro de 2020 e compôs a maioria vencedora ao lado de Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Luiz Fux, Edson Fachin e Nunes Marques. Os ministros que sucederam os três aposentados (André Mendonça, Cristiano Zanin e Flávio Dino) não votaram nesta quarta-feira.


"A modulação era algo que preocupava as empresas e era necessária e importante. É uma decisão que garante uma segurança jurídica", afirma Fernanda Secco, advogada tributarista do Velloza Advogados.


A Abat previa que o pagamento retroativo entre 2014 e 2020 poderia chegar a um total de R$ 80 bilhões para as empresas. Apesar da definição, Berbel alerta que ainda existe uma dúvida se o trabalhador também precisa pagar a contribuição previdenciária.


"Como o caso discutido no tribunal era só para empresa, a princípio a decisão é válida apenas para empresa. Mas outra forma de interpretar é ver que as bases são muito parecidas e valeriam também para o trabalhador. O STF teve uma oportunidade para esclarecer, mas preferiu deixar ambíguo", avalia.


O diretor do IBDP afirma que será preciso esperar a publicação do acórdão, com o resultado do julgamento, para saber se a decisão poderá ser aplicada também ao empregado. "Se o acórdão não tiver essa definição, haverá juízes de primeira instância que podem seguir essa decisão do STF e outros juízes que não seguirão".


COMO FICA A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DO TERÇO DE FÉRIAS?


- Entre março de 2014 e 15 de setembro de 2020
- Quem não pagou e não entrou com ação judicial: terá de pagar com juros e multa
- Quem não pagou, mas entrou com ação judicial: não precisará pagar
- Quem pagou e entrou com ação judicial: terá um direito creditário, que pode ser precatório ou outra forma de restituição Quem pagou e não entrou com ação: não terá o dinheiro devolvido pela União
- A partir de 15 de setembro de 2020
- Quem não pagou: precisa pagar os atrasados com multa que varia de 20% a 150% do valor


Imagem
Veja onde assistir aos jogos e a lista dos campeões da Eurocopa
A Alemanha abre nesta sexta-feira (14) a 17ª edição da Eurocopa, torneio que reúne as principais seleções do Velho Continente.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade