Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Selic elevada

Juros e inflação alta desestimulam financiamento imobiliário no Brasil

Simoni Saris - Grupo Folha
09 fev 2023 às 10:28
- Anderson Coelho/iStock
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O número de imóveis financiados no país com recursos das cadernetas de poupança caiu quase 24% em dezembro de 2022 ante o mesmo mês do ano anterior. E na comparação do resultado de todo o ano passado com 2021, também houve queda, perto de 18%. 


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Os dados foram levantados pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), que atribuiu o recuo à inflação, que embora controlada ainda ficou alta, e à taxa básica de juros, a Selic, que segue elevada, em 13,75% ao ano.

Leia mais:

Imagem de destaque
363 yanomamis morreram

Um ano foi insuficiente para lidar com toda situação em terra yanomami, diz Guajajara

Imagem de destaque
Redução na taxa

Desmatamento na Amazônia cai 60% em janeiro deste ano

Imagem de destaque
Após cirurgia

Morre, aos 84 anos, o economista Affonso Celso Pastore, que presidiu o BC nos anos 1980

Imagem de destaque
Estrategia de marketing

Procon-SP pede explicações do McDonalds por sumiço do McFish


Em dezembro do ano passado, foram financiados 49,4 mil imóveis no Brasil, nas modalidades de aquisição e construção. 

Publicidade


O número foi 9,4% maior em relação a novembro, mas 23,8% abaixo do registrado em dezembro de 2021. De janeiro a dezembro de 2022, o saldo de imóveis financiados com dinheiro proveniente do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo), de 713,25 mil unidades, foi 17,7% menor do que o acumulado no ano anterior.


Em valores, o resultado do último mês de dezembro apontou estabilidade, com pequena alta, de 0,2%, sobre dezembro de 2021. Naquele mês, os financiamentos somaram R$ 14 bilhões. Mas no acumulado do ano, o montante financiado também caiu ante 2021. 

Publicidade


Os R$ 179,2 bilhões negociados em 12 meses foi 12,8% menor do que no mesmo período do ano anterior.


“O ano de 2022 foi especialmente desafiador para a poupança. A inflação, embora inferior à de 2021, continuou elevada, comprometendo o orçamento doméstico e reduzindo a capacidade de poupança de parte das famílias”, disse a Abecip em um relatório publicado no site da entidade. 


A associação observou ainda que a Selic elevada beneficiou aplicações ligadas ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), em detrimento da poupança, o que pode ter provocado “remanejamento de portfólio”.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Juros e inflação alta desestimulam financiamento imobiliário
Juros e inflação alta desestimulam financiamento imobiliário
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade