Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Tragédia de Mariana

Justiça determina bloqueio de R$ 292 milhões da Samarco no Banco Central

Agência Brasil
26 nov 2015 às 17:53
- Divulgação/Corpo de Bombeiros (MG)
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A justiça de Minas Gerais determinou o bloqueio de R$ 292 milhões da Mineradora Samarco sob custódia do Banco Central. O juiz Frederico Esteves Duarte Gonçalves, responsável pela decisão, também negou pedido da mineradora para liberação de valores já bloqueados.

A decisão, da comarca de Mariana (MG), complementa a determinação do dia 13, que bloqueava R$300 milhões da mineradora, responsável pela barragem que se rompeu no dia 5, na zona rural de Mariana.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Pela decisão inicial, a Justiça usou o sistema Bacenjud, pelo qual os juízes têm acesso ao saldo das contas ligadas à empresa em todos os bancos do Brasil. Por esse sistema só foram bloqueados cerca de R$ 8 milhões, menos de 3% do valor total.

Leia mais:

Imagem de destaque
Alerta

Inpe: Mudanças climáticas estão interferindo em secas e cheias na Amazônia

Imagem de destaque
Escrito nas Estrelas

Como Lauana Prado rompe o conservadorismo que hoje domina a música sertaneja

Imagem de destaque
Apoio ao bioma

Força Aérea lança 336 mil litros de água para combater incêndios no Pantanal

Imagem de destaque
Entenda

Novo STJD negocia cargos e tem confusão com Textor como herança


Com a nova decisão, publicada ontem (25), ficarão bloqueados todos os valores e títulos de crédito da empresa sob custódia do Banco Central, até completar R$300 milhões.

Publicidade


A medida também inclui valores em conta transitória decorrente de operações de exportação ou de internalização de dinheiro, recebimentos de recursos do exterior, liquidações de carta de crédito de exportação ou qualquer outro empréstimo, ainda que lançados em qualquer outra rubrica contábil.


Segundo nota da assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Gonçalves justificou a decisão com base no esforço da mineradora em "se furtar ao cumprimento da decisão e, quiçá, de outras que, em decorrência das consequências do rompimento de sua barragem de resíduos, poderá vir a enfrentar".

A mineradora fez um pedido de reconsideração em relação à liminar de 13 de novembro, com a alegação de que o desbloqueio seria necessário para viabilizar o apoio social às vítimas do acidente. O juiz negou o pedido, argumentando que a empresa dispõe de recursos econômicos suficientes para reparar os danos humanitários provocados pelo rompimento da barragem.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade