Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Ambiente

Número de dias com ondas de calor mais que dobrou em 20 anos no país

Folhapress
14 nov 2023 às 12:30
- Geraldo Bubniak/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Para entender como o clima no país está mudando, o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) realizou um estudo a partir de dados coletados nos últimos 60 anos e concluiu que o número de dias com ondas de calor mais que dobrou nas nas últimas duas décadas.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Realizado a pedido do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, o levantamento permite reconhecer as tendências nas séries de chuva, temperatura máxima e mais três índices derivados que são considerados extremos climáticos: dias consecutivos secos (CDD), precipitação máxima em cinco dias (RX5day) e ondas de calor (WSDI).

Leia mais:

Imagem de destaque
Provas no dia 26 de maio

Caixa abre inscrições para concurso público com salários de até R$ 14,9 mil

Imagem de destaque
Já fez seu jogo?!

Mega-Sena sorteia nesta quinta-feira prêmio acumulado em R$ 135 milhões

Imagem de destaque
Manipulações proibidas

Tribunal Superior Eleitoral restringe uso de Inteligência Artificial nas eleições municipais de 2024

Imagem de destaque
AMAZÔNIA É A MAIS AFETADA

Área queimada no Brasil tem aumento de 248% em relação a janeiro de 2023


Foram considerados dados de 1.252 estações meteorológicas convencionais, sendo 642 estações manuais e 610 automáticas, para construir as séries de temperatura máxima, e um total de 11.473 pluviômetros para os dados de precipitação.

Publicidade


Os pesquisadores do Inpe estabeleceram 1961 a 1990 como período de referência, e efetuaram análises segmentadas sobre o que aconteceu com o clima para três períodos: 1991-2000, 2001-2010 e 2011-2020.


Entre 1991 e 2000, a temperatura máxima subiu cerca de 1,5°C. No entanto, cresceu 3°C em alguns locais para o período de 2011 a 2020, especialmente na região Nordeste e proximidades.

Publicidade


No período de referência, a média de temperatura máxima no Nordeste era de 30,7°C e subiu, gradualmente, para 31,2°C em 1991-2000, 31,6°C em 2001-2010 e 32,2°C em 2011-2020.


Com exceção da região Sul, da metade sul do estado de São Paulo e do sul do Mato Grosso do Sul, os dados indicam que houve aumento gradual das anomalias de ondas de calor ao longo dos períodos analisados.

Publicidade


No período de referência, o número de dias com ondas de calor não ultrapassava sete. Para o período de 1991 a 2000 subiu para 20 dias; entre 2001 e 2010 atingiu 40 dias; e de 2011 a 2020, o número de dias com ondas de calor chegou a 52 dias.


"Essas informações são a fonte que podemos reportar como fidedignas daquilo que está sendo sentido no dia a dia da sociedade. Estamos deixando de perceber para conhecer. Esse é um diferencial de termos essa fonte de dados robusta", afirmou o diretor do Departamento para o Clima e Sustentabilidade do MCTI, Osvaldo Moraes. "São dados relevantes para fazer a ciência climática dar suporte à tomada de decisão. Estamos deixando a percepção de lado para aprofundar o conhecimento", complementou.


O estudo também verificou uma variação do acumulado de chuvas nas regiões Nordeste e Sul entre 2011 e 2020. Enquanto houve queda na taxa média de precipitação, com variações entre -10% e -40% do Nordeste até o Sudeste e na região central do Brasil, foi observado aumento entre 10% e 30% na área que abrange os estados da região Sul e parte dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.


Imagem
Calor faz demanda por energia atingir o maior patamar da história no Brasil
A nova onda de calor que atinge, sobretudo as regiões Sudeste e Centro-Oeste, fez com que o Brasil atingisse na tarde desta segunda-feira (13) um novo recorde nacional de energia elétrica.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade