Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Caos

Presídio de Pedrinhas registra 17ª morte este ano

Agência Brasil
03 out 2014 às 17:09
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

No mesmo dia em que o Ministério da Justiça prorrogou por mais 90 dias a permanência da Força Nacional de Segurança nos presídios maranhenses, o estado registrou a 17ª morte, este ano, de detentos no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

A morte de Douglas Ferreira Coelho, 25 anos, ocorreu na tarde de ontem (2) e foi confirmada pelo governo no início da tarde de hoje (3). As autoridades da área de segurança do estado não informaram em que circunstâncias o fato ocorreu. "A Secretaria de Estado de Justiça e a Administração Penitenciária informa que a Polícia Civil fez a perícia e está investigando as circunstâncias da morte", diz a nota divulgada pelo governo do estado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Mesmo com tropas federais há quase um ano atuando no sistema prisional do Maranhão, há três semanas, 49 presos fugiram de Pedrinhas. No último dia 15, o então diretor da Casa de Detenção de São Luís, Cláudio Barcelos, foi detido preventivamente por suspeita de facilitar a fuga de presos e também autorizar, mediante pagamento, que detentos deixassem a unidade irregularmente e retornassem após cometerem crimes. Na última quarta-feira (1º) o Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) concedeu alvará de soltura para que Barcelos responda as acusações em liberdade.

Leia mais:

Imagem de destaque
Prazo vai até o dia 14

Veja como fazer a inscrição para o Enem 2024

Imagem de destaque
Saiba mais

El Niño chega ao fim e La Niña deve se formar no país até setembro; entenda

Imagem de destaque
Da Conab

PF e CGU investigam possíveis irregularidades no leilão de arroz

Imagem de destaque
Tragédia

Polícia indicia 7 funcionários e Cobasi por morte de animais em lojas inundadas em Porto Alegre

Maior estabelecimento prisional do Maranhão, Pedrinhas tem sido palco de rebeliões, brigas e assassinatos. Em 2013, conforme o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), houve 60 mortes. Também partiram do interior do complexo ordens para que bandidos atacassem delegacias da região metropolitana da capital maranhense e ateassem fogo a ônibus.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade