Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Nas áreas externas

Seguranças do Carrefour usarão câmeras corporais após novo caso de agressão

Folhapress
17 mai 2023 às 15:37
- Reprodução / PixAbey
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Grupo Carrefour vai exigir que seguranças usem câmeras corporais em áreas externas das lojas após registrar mais um caso de violência contra pessoas negras no último dia 5.


Fiscais e funcionários terceirizados do Grupo Carrefour serão obrigados a usar câmeras corporais em áreas externas. Desde 2021, a câmera é usada por seguranças que atuam no interior das lojas, de acordo com a empresa.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A medida foi anunciada após vídeo que mostra duas pessoas sendo agredidas na parte externa de um Big Bom Preço de Salvador, que faz parte do Grupo Carrefour.

Leia mais:

Imagem de destaque
AMAZÔNIA É A MAIS AFETADA

Área queimada no Brasil tem aumento de 248% em relação a janeiro de 2023

Imagem de destaque
363 yanomamis morreram

Um ano foi insuficiente para lidar com toda situação em terra yanomami, diz Guajajara

Imagem de destaque
Redução na taxa

Desmatamento na Amazônia cai 60% em janeiro deste ano

Imagem de destaque
Após cirurgia

Morre, aos 84 anos, o economista Affonso Celso Pastore, que presidiu o BC nos anos 1980


Em nota, o Carrefour afirma que a implementação das câmeras corporais será finalizada até o final do ano.

Publicidade

O Carrefour também diz que, até o final de maio, profissionais internos e terceirizados vão concluir o ciclo anual do programa "Eu pratico respeito", focado no atendimento aos clientes.


Nas lojas Atacadão, o Carrefour também interrompeu a circulação de seguranças pelos corredores. A medida foi implementada no dia 12 de abril.

Publicidade


Histórico de violência


O Grupo Carrefour já foi acusado de casos de agressão ou atos racistas.

Publicidade


No caso mais recente, um vídeo mostra uma mulher com a mochila aberta e alguns sacos de leite em pó. Ela é questionada por um segurança, que dá tapas no seu rosto. Um homem que está ao lado dela também é agredido.


Em abril, uma mulher tirou a roupa em um mercado em Curitiba após afirmar que um segurança a perseguiu dentro da loja. "Sou uma ameaça?", escreveu no corpo.


Em 19 de novembro de 2020, João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi morto no estacionamento de um supermercado Carrefour em Porto Alegre na véspera do Dia da Consciência Negra. Ele foi sufocado e espancado por um segurança e um policial militar temporário.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade