Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Nova atualização

Tragédia com as enchentes no Rio Grande do Sul soma 154 mortos

Francisco Lima Neto - Folhapress
17 mai 2024 às 09:50
- Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

As fortes chuvas do Rio Grande do Sul causaram ao menos 154 mortes, de acordo com boletim divulgado às 9h desta sexta-feira (17). O número pode aumentar nos próximos dias, já que ainda há 98 desaparecidos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

As mortes ocorrem em 44 cidades, conforme a Defesa Civil, e são 806 feridos.

Leia mais:

Imagem de destaque
"Imposto do pecado"

Maioria é a favor de aumentar preço de bebida alcoólica para reduzir consumo, diz pesquisa

Imagem de destaque
Relacionamentos

Monogamia é puxada pela colonização e marcada por religião e economia, dizem pesquisadores

Imagem de destaque
Valorização da carreira

Servidores do INSS farão 'operação apagão' em junho por reajuste de 33%

Imagem de destaque
Entenda

Julgamento do caso Marielle testa STF sobre delação premiada e foro especial


No total, 461 municípios foram afetados, sendo que 78.165 pessoas estão desabrigadas e 540.192 ficaram desalojadas.

Publicidade


Conforme o governo do Rio Grande do Sul, 82.666 pessoas foram resgatadas.


As aulas foram suspensas nas 2.338 escolas da rede estadual e mais de 378 mil alunos foram impactados. Nesta quinta, eram 1.058 escolas afetadas, 552 danificadas e 89 servindo de abrigo.

Publicidade


A tragédia tem sido comparada ao furacão Katrina, que em 2005 destruiu a região metropolitana de Nova Orleans, na Lousiana (EUA), atingiu outros quatro estados norte-americanos e causou mais de mil mortes.


Profissionais de saúde apontam semelhanças entre as duas tragédias, como falta de prevenção de desastres naturais e inexistência de uma coordenação centralizada de decisões. Colapso nos hospitais, dificuldade de equipes de saúde chegarem aos locais de trabalho e desabastecimento de medicamentos e outros insumos são outras semelhanças apontadas.

Publicidade


O nível do lago Guaíba segue baixando em Porto Alegre e, no início da manhã desta sexta-feira (17) chegou a 4,73 metros no cais Mauá. Essa água, contudo, flui em direção à lagoa dos Patos, no sul do Rio Grande do Sul, e aumenta a cheia em cidades como Rio Grande e São José do Norte, antes de desembocar no Atlântico.


A Defesa Civil do Rio Grande do Sul divulgou na noite de quinta-feira (16) um alerta para a continuidade da elevação dos níveis da lagoa dos Patos.

Publicidade


Em previsão atualizada, o IPH (Instituto de Pesquisas Hidráulicas) da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) indica cheia duradoura, com redução lenta dos níveis do Guaíba abaixo dos 5 metros.


O lago deve permanecer acima dos 4 metros até o início da próxima semana e acima da cota de inundação, que é de 3 metros, ao menos até o final do mês, devido a possibilidade de mais chuva.

Publicidade


O pico até o momento foi registrado há uma semana, quando o lago subiu para a faixa de 5,3 metros.


SITUAÇÃO NO RS APÓS AS CHUVAS


154 mortes
98 desaparecidos
806 feridos
78.165 desabrigados (quem teve a casa destruída e precisa de abrigo do poder público)
540.192 desalojados (quem teve que deixar sua casa, temporária ou definitivamente, e não precisa necessariamente de um abrigo público -pode ter ido para casa de parentes, por exemplo)
2.281.830 pessoas afetadas no estado


Imagem
Leptospirose, hepatite e doenças respiratórias devem se alastrar no Rio Grande do Sul com pessoas em abrigos
A mistura da água parada dos alagamentos com o esgoto de centros urbanos devido às enchentes pode levar à explosão de casos de hepatite A e de leptospirose no Rio Grande do Sul. Segundo especialistas, as inundações já iniciaram um processo de surto de inf
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade