Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Problema político

Usina de Itaipu está imune à crise paraguaia, diz diretor

Agência Brasil
21 jun 2012 às 18:28
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Jorge Samek, afirmou no fim da tarde desta quinta-feira (21) à Agência Brasil que o cenário político no Paraguai é "complexo demais", mas que a usina permanecerá imune à instabilidade no país vizinho.

"Em toda a história, nunca Itaipu deixou de produzir energia, nosso tratado nos deixa imunes, fora de qualquer contaminação de problemas políticos de ambos os países", declarou Samek, que está no Rio de Janeiro, onde participa da Rio+20. "Os problemas do Paraguai são dos paraguaios. Os do Brasil, dos brasileiros. O Tratado de Itaipu nos dá essa garantia".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Jorge Samek, que retorna ainda hoje à Foz do Iguaçu, disse que mantém contato permanente com o diretor-geral paraguaio da usina, Efraín Enríquez Gamón, que viajou a Assunção. "Estou impedido de comentar as questões internas do Paraguai. O que posso dizer é que hoje, no Mercosul, não cabem procedimentos que não correspondam às normas constitucionais".

Leia mais:

Imagem de destaque
Durante sete anos

Pastor evangélico é preso suspeito de abusar de filhas gêmeas em Pernambuco

Imagem de destaque
Influenciada por alimentos e bebidas

Inflação cai para 0,21% em junho no Brasil, aponta IBGE

Imagem de destaque
Combate ao mosquito

Estratégia para combater Aedes com larvicida se torna política nacional

Imagem de destaque
Jogo simples custa R$ 5

Mega-Sena sorteia prêmio acumulado de R$ 9 milhões nesta quarta-feira


O diretor brasileiro disse ainda aguardar a posição do governo do Brasil sobre a crise política paraguaia iniciada com a abertura de impeachment contra o presidente Fernando Lugo. A presidenta Dilma Rousseff deve divulgar ainda hoje um comunicado oficial acerca do episódio.

"Com mais de cem chefes de Estado presentes aqui no Rio, não poderia ter dia pior do que este para organizar uma reação", comentou Samek. "Tanto que o ministro [Antonio] Patriota [Relações Exteriores], que presidiria amanhã a sessão de encerramento da maior conferência do planeta, terá que viajar às pressas para Assunção."


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade