15/08/20
29º/17ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Saiba mais

Bolsonaro assina medida que autoriza Tesouro a bancar contas de luz da baixa renda

O presidente Jair Bolsonaro editou duas medidas provisórias nesta quarta-feira (8) autorizando o Tesouro a liberar R$ 900 milhões para que o governo possa bancar as contas de luz de cerca de 9,4 milhões de famílias carentes pelos próximos três meses. Mais da metade vive no Nordeste.

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Uma das MPs modificou a legislação que instituiu o programa Tarifa Social, que concede descontos de até R$ 200 na tarifa de energia para as famílias que consomem por mês até 200 Kwh. Com a mudança, elas agora ficam isentas do pagamento.

A outra medida provisória somente autorizou a transferência de R$ 900 milhões para o Orçamento do Ministério de Minas e Energia. O recurso saiu carimbado e será destinado à CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), uma espécie de fundo abastecido por todos os consumidores do país e que compensa subsídios concedidos por lei aos beneficiários do Bolsa Família e do Cadastro Único.

A ação faz parte do programa de ajuda aos atingidos pelo coronavírus, que obrigou as famílias a permanecerem em isolamento.

Bolsonaro ainda deve baixar um decreto regulamentando os detalhes dessa iniciativa nos próximos dias.

Embora tenha liberado R$ 900 milhões, o custo estimado dessa medida é de até R$ 1,2 bilhão ao longo dos três meses. Segundo assessores do governo que participam das discussões, a diferença deve sair de sobras de fundos setoriais, como a própria CDE e o Luz Para Todos.

Ou seja: os demais consumidores não pagarão a mais em suas contas para que os mais pobres sejam beneficiados.

A medida também deu um fôlego às distribuidoras, que estão preocupadas com o aumento da inadimplência, especialmente nessa fase de isolamento.

As empresas não teriam sequer como cortar o fornecimento de energia, porque, por uma determinação da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), ficaram proibidas de fazê-lo no período da pandemia.

Na terça-feira (7), as empresas do setor ganharam outro reforço da agência, que decidiu liberar até R$ 2,2 bilhões do saldo de um fundo de reserva de encargos para cobrir perdas de geradoras, transmissoras e distribuidoras.

Havia dúvidas se as empresas poderiam utilizar esse recurso para fazer caixa, mas os técnicos da Aneel deram sinal verde para o livre uso do dinheiro.

A maior parte (R$ 1,47 bilhão) será direcionada para as distribuidoras.

Uma das MPs também liberou a Aneel para autorizar a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) a efetuar novos repasses ao setor ao longo do ano se for necessário e houver saldo.
Julio Wiziack - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Confira!
Alerta: Chuveiro responde por 25% da conta de luz, diz Copel
Entenda
Governo estuda pagar conta de luz de população de baixa renda, diz ministro de Minas e Energia
Saiba mais
Economia na quarentena: dicas para economizar energia em tempos de home office
Continue lendo
Estiagem
Sanepar faz novo rodízio de abastecimento para Região Metropolitana de Curitiba
14 AGO 2020 às 17h36
Em Londrina
Homem é detido por descumprir medida protetiva de ex-companheira
14 AGO 2020 às 17h10
Confira os telefones
Defesa Civil informa como proceder em casos de chuva e vendaval
14 AGO 2020 às 16h52
Sem alterações
Argentina prorroga quarentena até o fim de agosto
14 AGO 2020 às 16h03
Região norte
Obras do novo terminal do Vivi Xavier são entregues nesta sexta-feira
14 AGO 2020 às 15h05
Entenda
Imposto de Guedes pode incidir sobre mais operações que a CPMF
14 AGO 2020 às 15h03
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados