27/02/21
PUBLICIDADE
Crescimento da dívida

Dívida pública federal passa de R$ 5 tri e pode encostar em R$ 6 tri em 2021, diz Tesouro

Reprodução/ Agência Brasil
Reprodução/ Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Após a dívida pública federal passar de R$ 5 trilhões no encerramento de 2020, o Tesouro Nacional prevê que o valor varie entre R$ 5,6 trilhões e R$ 5,9 trilhões em 2021. Além disso, as projeções apontam para um prazo médio mais curto para o pagamento.

Os valores projetados para o estoque neste ano representam um aumento nominal de 11,8% a 17,8% da dívida em relação ao registrado em 2020. Em 2020, o Tesouro já encerrou o ano com uma dívida 17% maior (em termos nominais) que um ano antes.

As previsões para 2021 foram divulgadas nesta quarta-feira (27) por meio do Plano Anual e Financiamento (o PAF). O documento do Tesouro aponta diretrizes, estratégias e metas para a gestão da dívida pública no ano.
Os indicadores do PAF servem como uma referência ao mercado, mas podem sofrer alterações ao longo do ano e não representam uma obrigação legal para o Tesouro de cumprir os números divulgados.
O prazo médio de pagamento da dívida deve se encurtar ainda mais em 2021, refletindo a estratégia do Tesouro de preferir emitir títulos mais curtos para aproveitar juros mais baixos no curto prazo.
Em vencimentos mais longos, o governo tem pagado preços mais caros devido a fatores como a percepção de risco por parte dos investidores.
Em 2021, o prazo médio para pagamento da dívida deve variar entre 3,2 anos e 3,6 anos.
O indicador terminou 2020 em 3,57 anos, o prazo mais curto desde dezembro de 2010 (quando foi de 3,51).
Já o percentual da dívida pública a vencer em 12 meses deve ficar entre 24% e 29% neste ano. Em 2020, o indicador ficou em 27,6%.
Em 2020, o custo médio acumulado em 12 meses ficou em 8,37% ao ano. Esse é o menor custo médio da série histórica, influenciado pela taxa básica de juros (Selic) a 2%.
O Tesouro afirma que, por causa da pandemia da Covid-19, o ambiente de incertezas permanece em 2021, pois isso busca que a gestão da dívida pública tenha flexibilidade para se ajustar a mudanças.
"Diante desse contexto, a estratégia do PAF 2021 prioriza medidas que busquem manter níveis prudentes de recursos para cobertura das despesas, mitigar o risco de refinanciamento da dívida pública e assegurar a funcionalidade do mercado de títulos públicos", destaca o documento.
O Tesouro reforçou ainda que, por causa da crise do coronavírus, a agenda de reformas fiscais foi adiada e o combate à pandemia ampliou consideravelmente os gastos públicos. "Em decorrência desse desafio fiscal, é esperado que em 2021 ainda persista o aumento da participação de títulos prefixados de curto prazo", detalhou.

Por isso, o governo disse que a retomada das reformas é necessária para reverter as mudanças no perfil de endividamento que ocorreram em 2020 e a manutenção das condições favoráveis à gestão da dívida pública federal.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Obituário

Falecimentos dos dias 25 e 26 de fevereiro de 2021 em Londrina e região

27 FEV 2021 às 12h38
Decreto estadual

Londrina e cidades da região metropolitana vão seguir lockdown na íntegra

26 FEV 2021 às 18h11
Decreto Estadual

Arapongas suspende atividades não essenciais a partir de sábado

26 FEV 2021 às 16h59
Nova quarentena

Com aumento de casos, Maringá segue medidas anunciadas pelo Governo do Paraná

26 FEV 2021 às 16h43
Críticas

'Sou imbrochável', diz Bolsonaro ao alegar que sofre ataques 24 horas por dia

26 FEV 2021 às 16h28
Covid-19

Deputado Soldado Adriano, vice-líder do governo na Assembleia, testa positivo para Covid-19

26 FEV 2021 às 16h10
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados