03/03/21
PUBLICIDADE
Correção da Inflação

Governo deve editar MP com novo reajuste do salário mínimo de R$ 1.100 para R$1.102

Reprodução/ Agência Brasil
Reprodução/ Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


O Ministério da Economia avalia editar uma MP (Medida Provisória) para fazer um novo reajuste do salário mínimo, que deve passar de R$ 1.100 para R$ 1.102. O objetivo é fazer uma correção residual da inflação de 2020.


Membros da pasta que participam da discussão afirmam que o tema ainda está em debate e a decisão final deve ser tomada até o fim de janeiro -reajustando o valor do piso salarial a partir de fevereiro. A tendência é que seja adotado o mesmo procedimento do ano passado.

Se for oficializado, o aumento deve gerar um custo adicional de R$ 702 milhões nas contas públicas, pressionando ainda mais o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas do governo à variação da inflação.

Em janeiro de 2020, após reajustar o piso nacional de R$ 998 para R$ 1.039, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou mais uma MP para promover um novo aumento considerando o índice fechado da inflação do ano anterior. Com a medida, o valor passou para R$ 1.045 a partir de fevereiro de 2020.

Neste ano, o governo está lidando com a mesma questão. O salário mínimo é corrigido pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Ao anunciar, antes da virada do ano, o reajuste de R$ 1.045 para R$ 1.100, a equipe econômica considerou a inflação oficial de janeiro a novembro de 2020, somada à estimativa para o índice em dezembro.

Nesta semana, o IBGE apresentou o INPC fechado de 2020, de janeiro a dezembro, que ficou em 5,45%. O patamar é mais alto do que os 5,26% usados para corrigir o salário mínimo.

A Constituição determina que o mínimo deve garantir a manutenção do poder de compra do trabalhador. Por isso, ao elevar o piso nacional para R$ 1.100, a equipe econômica informou que estava usando uma estimativa da inflação e que o valor final só seria conhecido após a divulgação do INPC do ano pelo IBGE.

Com o número atualizado, o valor do salário mínimo deveria ser de R$ 1.102. O Ministério da Economia não confirma o valor oficialmente.

O reajuste do piso nacional gera impacto nas contas públicas porque é atrelado a aposentadorias e outros benefícios, como o BPC (assistência social a idosos e pessoas com deficiência carentes). Para cada R$ 1 de reajuste em 2021, o custo aos cofres públicos é elevado em R$ 351,1 milhões.

O aumento de R$ 1.045 para R$ 1.100 já provocaria um aumento direto de gastos do governo federal no valor de R$ 19,3 bilhões. Agora, com o novo reajuste, deve haver ainda um impacto adicional de R$ 702 milhões.

As contas do governo federal já operam no limite da regra do teto. Para não desrespeitar a norma, o Ministério da Economia deve anunciar em março um corte de verba de ministérios, que pode chegar a R$ 20 bilhões.

Pressionado por um aumento dos gastos com benefícios previdenciários e de pessoal, o Orçamento das pastas já opera em nível considerado baixo. Novos cortes pelo governo podem gerar dificuldades para o funcionamento da máquina pública.

Por isso, além de um tesourada nos gastos discricionários (que não são obrigatórios), a equipe econômica refaz as contas de grandes despesas, como da Previdência Social. Assim, deve ser possível aliviar o corte no grupo discricionário, que reúne o custeio da máquina pública e investimentos.

O repique no INPC também tem efeito em aposentadorias e benefícios acima do salário mínimo. O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) já corrigiu o teto pelo índice de 5,45%, passando de R$ 6.101,06 para R$ 6.433,57. Essa é uma pressão extra no Orçamento.

A aceleração da inflação fez as previsões para o valor do salário mínimo em 2021 sofrerem forte variação ao longo do ano passado.

Em abril, a estimativa era que o piso salarial fosse de R$ 1.045 para R$ 1.079 em 2021. Em agosto, a previsão do Ministério da Economia era que o piso salarial subisse para R$ 1.067.

Em dezembro, o governo elevou a projeção para R$ 1.088, ainda insuficiente para cobrir a alta nos preços. Bolsonaro anunciou o salário mínimo de R$ 1.100 a partir de janeiro, o que também acabou não compensando totalmente a inflação do ano passado.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Nesta terça-feira

Fiscalização de quarentena desbarata 96 aglomerações no PR

03 MAR 2021 às 13h17
Anúncio nas redes sociais

Londrina entra em consórcio de municípios para compra de vacinas contra Covid-19

03 MAR 2021 às 12h08
Noroeste

Confira o balanço do segundo dia de fiscalizações da Aifu em Maringá

03 MAR 2021 às 11h26
Inauguração em maio

Após suspensão de eventos, tradicional buffet londrinense cede imóvel para supermercado

03 MAR 2021 às 11h05
Após roubarem mercado

Assaltantes de mercado são surpreendidos por viatura e detidos em Maringá

03 MAR 2021 às 10h40
Em primeiro turno

Câmara de Londrina aprova, por unanimidade, projeto com multa de R$ 48 mil para fura-filas da vacina

03 MAR 2021 às 10h17
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados