14/04/21
PUBLICIDADE
'PEC de Guerra'

'Ideia de furar teto existe, o pessoal debate, qual o problema?', diz Bolsonaro

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Um dia depois de ter afirmado que respeita o teto de gastos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira que o governo discutiu sim ideia de "furar" a âncora fiscal e arrematou: "o pessoal debate, qual o problema?"


"A ideia de furar o teto existe, o pessoal debate, qual o problema? Na pandemia nós temos a PEC de Guerra, já furamos o teto [de gastos] em mais ou menos R$ 700 bilhões", declarou Bolsonaro, durante sua live semanal nas redes sociais.

"Eu sempre falo que a economia é 99,9% com Paulo Guedes. Eu tenho que ter 0,1% do poder de veto. O teto é o teto, certo? O piso sobe anualmente e cada vez mais você tem menos recursos para fazer alguma coisa", disse.

O presidente afirmou então que foi perguntado por auxiliares se era possível extrapolar o teto em "mais R$ 20 bilhões". "Eu falei: 'qual a justificativa? Se for para vírus não tem problema nenhum'".

O presidente fez, na noite de quarta-feira (12), um compromisso público com o teto de gastos – dispositivo constitucional que limita despesas do governo federal às realizadas no exercício anterior, corrigidas pela inflação.

A trava tem limitado a capacidade do governo de financiar obras públicas e um grupo de ministros tem pressionado o governo discutir alternativas para viabilizar a realização de investimentos no país. O movimento conta com o apoio dos militares e dos ministros Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura).

O grupo passou a discutir formas de driblar a proibição imposta pela emenda à Constituição, mas esbarrou na resistência do ministro Paulo Guedes (Economia).

Guedes tem argumentado que desrespeitar o teto enviaria um sinal de descompromisso com a responsabilidade fiscal.

Na quarta, o presidente defendeu o teto de gastos após uma reunião com ministros e os presidentes da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). O encontro ocorreu após as as credenciais liberais do governo terem sido novamente colocadas em dúvida com a saída, no dia anterior, dos secretários do ministério da Economia responsáveis pelas privatizações e pela reforma administrativa. Os agora ex-secretários Salim Mattar e Paulo Uebel deixaram a equipe de Guedes por verem poucos avanços em suas respectivas agendas.

Na live desta quinta, Bolsonaro criticou a imprensa por ter tratado a saída dos auxiliares da Economia como uma "debandada", mas o termo foi usado pelo próprio Guedes.

Durante a transmissão, Bolsonaro exemplificou a queda de braço que existe no governo sobre o tema.

Ele indicou que um dos argumentos defendidos pelos que querem encontrar uma forma de contornar o teto é considerar obras relacionadas a água dentro das ações de combate à pandemia do coronavírus.

"Aí o Paulo Guedes fala: 'tá sinalizando para a economia e o mercado que no teto está dando um jeitinho'", contou o presidente.

Ele criticou ainda o fato de a maior parte do Orçamento já ser comprometido, o que deixa pouca margem para execução de obras.

E se queixou do vazamento para a imprensa das discussões internas no governo sobre o teto constitucional, citando o caso de quando o governo estudou consultar o TCU (Tribunal de Contas da União) sobre a possibilidade de efetuar determinadas despesas fora da regra fiscal.

"Não fizemos [a consulta], mas o pessoal vem como se tivesse um grande golpe [para] furar o teto, como se alguém estivesse desviando dinheiro", disse o presidente.

Ele destacou ainda que a intenção de se arranjar "mais R$ 20 bilhões" é para a realização de obras hídricas no Nordeste, saneamento, moradias para o Minha Casa Minha Vida e obras em rodovias.

"A gente discute o que todo mundo quer", afirmou.

Por último, ele reconheceu que a repercussão de notícias sobre o tema geram consequências econômicas, principalmente na bolsa e na cotação do dólar, e concluiu com um chamamento por "um pouquinho de patriotismo" para o mercado.

"O mercado tem que dar um tempinho também, um pouquinho de patriotismo não faz mal a eles".
Ricardo Della Coletta - Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
1° fase do benefício

Maringá iniciará inscrições do auxílio emergencial no dia 26 de abril

14 ABR 2021 às 16h54
Sem exigência de experiência

Empresa abre processo seletivo com 230 vagas de emprego em Londrina

14 ABR 2021 às 16h44
Caso Henry

Justiça do Rio mantém Dr Jairinho, que está detido, na cadeira de vereador

14 ABR 2021 às 16h15
Condução da crise da Covid-19

STF confirma decisão de Barroso que mandou Senado instalar CPI da Covid

14 ABR 2021 às 15h43
Caso Henry

Violência mata mais de 103 mil crianças e adolescentes no Brasil

14 ABR 2021 às 15h34
Isolamento social

Com lojas fechadas, empresários vão à Justiça contra reajuste no aluguel

14 ABR 2021 às 14h46
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados