Pesquisar

Canais

Serviços

- Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Maior alta para agosto

Inflação encosta em dois dígitos após maior alta em 21 anos, puxada por gasolina

Folhapress
09 set 2021 às 17:27
Continua depois da publicidade
A inflação oficial do país, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), atingiu 0,87% em agosto, puxada pela gasolina. A taxa é a maior para o oitavo mês do ano desde 2000, quando o indicador alcançou 1,31%.


O resultado ocorreu após avanço ainda mais forte em julho, de 0,96%, informou nesta quinta-feira (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Mesmo com a desaceleração, a taxa de agosto ficou acima das expectativas do mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam variação de 0,71% no mês passado.

Continua depois da publicidade

Conforme o IBGE, o IPCA encostou em dois dígitos no acumulado de 12 meses, alcançando a marca de 9,68%. Assim, ampliou a distância frente ao teto da meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central). No acumulado até julho, a variação estava em 8,99%.

Continua depois da publicidade

O teto da meta de inflação em 2021 é de 5,25%. O centro é de 3,75%.


Oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados subiram em agosto, com destaque para o 

Continua depois da publicidade
segmento de transportes. Puxado pelos combustíveis, esse ramo registrou a maior variação (1,46%) e o maior impacto (0,31 ponto percentual) no índice geral do mês.

Dentro de transportes, a gasolina subiu 2,80%. O combustível, aliás, teve o principal impacto individual (0,17 p.p.) no IPCA de agosto.


"O preço da gasolina é influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras. O dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final", disse André Filipe Guedes Almeida, analista da pesquisa do IBGE.


A segunda maior contribuição (0,29 p.p.) entre os grupos veio de alimentação e bebidas (1,39%), que acelerou em relação ao mês anterior (0,60%). Conforme Almeida, o avanço nos preços de alimentos pode ser associado, em parte, ao dólar elevado e a fenômenos climáticos adversos, incluindo as geadas de julho. Na ocasião, o frio intenso danificou plantações diversas, de milho e café a hortaliças.


O grupo habitação, por sua vez, teve variação de 0,68% e impacto de 0,11 p.p em agosto. O resultado ficou abaixo do registrado em julho (3,10%). A variação do grupo ainda foi influenciada pela alta da energia elétrica (1,10%), mesmo com a desaceleração do item em relação ao mês anterior (7,88%).


No acumulado, a inflação está acima de 10% em 8 das 16 capitais ou regiões metropolitanas pesquisadas. A maior taxa em 12 meses, de 12,08%, foi registrada em Curitiba (PR). Em seguida, aparecem Rio Branco (AC), com 11,97%, e Campo Grande (MS), com 11,26%.


A escalada do IPCA ganhou corpo ao longo da pandemia. Em um primeiro momento, houve disparada de preços de alimentos e, em seguida, avanço de combustíveis. Alta do dólar, estoques menores e avanço das commodities ajudam a explicar o comportamento dos preços.


Não bastasse essa combinação, a crise hídrica também passou a ameaçar o controle da inflação neste ano. É que a escassez de chuva força o acionamento de usinas térmicas, o que eleva os custos de geração de energia elétrica. O reflexo é a luz mais cara nos lares brasileiros.


Em uma tentativa de frear a inflação, o Copom (Comitê de Política Monetária do BC) passou a subir a taxa básica de juros (Selic). Em agosto, o colegiado confirmou alta de 1 ponto percentual na Selic, para 5,25% ao ano.


Os preços em patamar alto, em um ambiente de juros maiores, desemprego acentuado e renda fragilizada, jogam contra o consumo das famílias e os investimentos das empresas.


O mercado financeiro vem subindo suas projeções para a inflação. A estimativa mais recente é de IPCA de 7,58% ao final de 2021. A previsão aparece no boletim Focus publicado pelo BC na segunda-feira (6).


Para parte dos analistas, o país corre o risco de embarcar em um período de estagflação nos próximos meses. O fenômeno é caracterizado por combinar fraqueza econômica e preços em alta.


"A conjunção de crise hídrica com elevação forte dos juros causa sensação de estagflação iminente", apontou recente relatório da consultoria MB Associados.


Analistas também demonstram preocupação com a crise política. A turbulência protagonizada pelo governo Jair Bolsonaro (sem partido) pressiona o dólar para cima, o que impacta preços de itens como combustíveis.


Em agosto, a inflação já indicou maior disseminação entre os produtos e serviços pesquisados pelo IBGE. Sinal disso é que o índice de difusão do IPCA pulou de 64% para 72%.


Foi o primeiro mês de 2021 com o indicador acima de 70%. Em dezembro do ano passado, o índice de difusão também estava em 72%.


Em relatório, o Banco Original afirmou nesta quinta que o IPCA de agosto "reforçou a mensagem de extensão das pressões inflacionárias". Com isso, a instituição revisou suas projeções para o indicador, sublinhando que o quadro também aumenta a pressão sobre o BC.


"Para 2021, com a expectativa de que as questões climáticas continuem pesando sobre os bens não duráveis, de que a falta de insumos e o câmbio depreciado continuem pressionando bens industriais e de continuidade da recomposição de margens do setor de serviços, revisamos a projeção de 7,85% para 8,5%. Para 2022, refletindo a piora dos itens mais inerciais da cesta de consumo, revisamos a projeção de 3,8% para 4,1%", comentou o banco.


"A deterioração das expectativas para o horizonte relevante de política monetária aumenta a probabilidade de que o Banco Central tenha que ser ainda mais duro em suas próximas decisões e comunicações. Em nosso cenário oficial, projetamos Selic a 8,00% ao final desse e do próximo ano, mas destacamos que as pressões inflacionárias adicionais trazem viés de alta para as nossas projeções", acrescentou.

Continue lendo