05/03/21
PUBLICIDADE
Alta na Selic

Juro vai a 4% no fim do ano e começa a subir no 1º semestre, dizem analistas

Agência Brasil
Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Apesar de não ter surpreendido o mercado, o comunicado do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central desta quarta-feira (20) impulsionou a mudança nas expectativas de muitos analistas.


A maioria agora espera uma alta na Selic, atualmente a 2% ao ano, ainda no primeiro semestre. As projeções também apontam a Selic ao redor de 4% ao fim de 2021.

O mais recente boletim Focus do Banco Central, que reúne a estimativa de diversos economistas, aponta a Selic a 3,25% ao final deste ano.

De acordo com Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos, a alta no juros pode vir ainda no primeiro trimestre.

"Quando a autoridade monetária instituiu o 'forward guidance', antes da pandemia, os cenários macroeconômico global e local eram totalmente distintos. Hoje, a realidade é outra, com as projeções para a inflação doméstica subindo em relação à meta, preços das commodities pressionados pelo câmbio e a questão fiscal estressada."

A gestora Reag revisou sua projeção e agora espera uma alta da Selic em março deste ano, ante previsão anterior de maio, mas mantém a expectativa de que a taxa encerre o ano em 3,5%.

"O clima político adverso tornará mais difícil, para não dizer impossível, o controle dos gastos. Basta apontar a recente queda de popularidade do presidente da República para sabermos dos desafios existentes, isso sem contar uma segunda onda ainda mais persistente que irá aumentar a demanda por serviços públicos e tornar o clamor pelo retorno do auxílio emergencial um tema politicamente sensível", diz André Perfeito, economista-chefe da Necton.

A corretora vislumbra uma alta no juros na reunião de março, para 2,25%. Para o fim de 2021, esperam a Selic a 4%.
"O BC deixar claro que a queda do 'forward guidance' não implica alta imediata de juros é importante. A alta de juros é gradual", diz Andrea Damico, economista-chefe da Armor.

Ela vê uma alta de 0,25 ponto percentual em maio e a Selic a 4% ao fim de 2021. "O que preocupa é a inflação de 2022."
Para Elisa Machado, economista da ARX Investimentos, o BC irá se antecipar à inflação e estima a Selic entre 4,5% e 5% ao fim do ano. "É uma normalização da taxa de juros. Estamos com a Selic fortemente estimulativa." A casa também espera um aumento de juros no segundo trimestre.

Segundo Nicola Tingas economista chefe da Acrefi (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento), há relutância da autoridade monetária em promover alta imediata da taxa de juros.

"Contudo, dentro das condições de alta expressiva do IPCA acumulado em 12 meses, que poderá atingir 6% até maio para depois se acomodar em 3,5% no final do ano, revisamos nossa projeção da Selic para dezembro de 2021, de 3% para 4%", diz Tingas.

Segundo Eduardo Velho, economista-chefe da JF Trust Investimentos, o BC deve esperar a formação das presidências da Câmara e do Senado para indicar os próximos passos. "A definição das Casas trará maior certeza quanto à prorrogação ou não do auxílio emergencial, por exemplo."

A disputa no Congresso acontece em fevereiro, antes da próxima reunião do Copom, em 17 de março.

Já Gustavo Bertotti, economista-chefe da Messem Investimentos, espera a Selic no patamar atual até o segundo semestre deste ano. Ele estima que a Selic fechará 2021 em 3,5% ao ano. "A taxa é adequada para o nível de atividade. Nesse comunicado, o BC se mostrou bastante vigilante com a inflação."

O professor da Fipecafi, ligada à USP, Samuel Durso, diz que a alta dos juros pode depender também do curso do programa de vacinação.

"Para os próximos encontros [do Copom], a decisão vai depender de como a pandemia evoluir, e a vacina é fundamental. Precisamos ver como o governo vai estruturar a imunização, mas havendo um processo satisfatório é possível que nas próximas decisões o comitê já sinalize elevação da taxa, que deverá ser gradativa, mas ainda no primeiro semestre."
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Nesta quinta

Acil reivindica reabertura imediata do comércio após encerramento do lockdown

04 MAR 2021 às 21h05
Nesta quinta

Justiça nega liminar e Câmara de Londrina pode votar decreto para acabar com 'lockdown'

04 MAR 2021 às 17h01
Transtorno

Prefeitura de Apucarana desmente fake news sobre "Programa Vale Mercado”

04 MAR 2021 às 16h26
Seis pessoas multadas

Quatro estabelecimentos são interditados por descumprimento ao decreto estadual em Londrina

04 MAR 2021 às 16h03
Lockdown no Paraná

Em terceiro dia de operação, Aifu vistoria 86 estabelecimentos em Maringá

04 MAR 2021 às 15h44
Iminência do colapso

Maringá decreta situação de emergência e restringe circulação até a próxima segunda (08)

04 MAR 2021 às 15h28
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados