30/10/20
PUBLICIDADE
Crise econômica

Prorrogação do auxílio emergencial com valor de R$ 600 é muito difícil, diz Maia

Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira (18) que prorrogar o auxílio emergencial novamente com o valor de R$ 600 "é muito difícil".


"Nós [os congressistas] temos responsabilidade", afirmou. Segundo ele, a análise a ser feita deve considerar o impacto da medida nas contas públicas. Atualmente, o benefício representa um custo superior a R$ 50 bilhões por mês.

Para o presidente da Câmara, a manutenção do auxílio no valor de R$ 600 pode pressionar ainda mais as contas públicas e, com isso, acelerar a inflação e reduzir os investimentos no país.

O governo estuda usar uma MP (Medida Provisória) para prorrogar o auxílio emergencial com valor abaixo dos atuais R$ 600.

O ministro Paulo Guedes (Economia) sempre defendeu um valor de R$ 200 porque essa é a média aproximada do pagamento do Bolsa Família, mas auxiliares do governo contam com parcelas de R$ 300 e a possibilidade dos pagamentos até dezembro.

Inicialmente, a ideia era que, em setembro, já começasse a funcionar um novo programa social, a ser criado a partir da reformulação do Bolsa Família. O nome deve ser Renda Brasil.

Maia disse que, antes de o governo definir um valor para os beneficiários do novo programa social, deve ser feita uma sondagem para saber a disposição do Congresso em alterar outros gastos sociais, como abono salarial, para destinar mais verba para o Renda Brasil.

O abono salarial é uma espécie de 14º salário pago pelo governo a trabalhadores formais. Mas para aprovar mudanças nesse benefício é necessária uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), que tem tramitação mais lenta e depende de apoio de 60% da Câmara e do Senado.

O presidente da Câmara afirmou que a iniciativa mais urgente é a regulamentação de gatilhos (medidas temporárias) a serem acionados em caso de forte pressão do teto de gastos, regra constitucional que limite o crescimento das despesas públicas.

Diferentes alas do governo têm travado um embate sobre a preservação do teto de gastos em 2020. Uma hipótese foi a abertura de crédito extraordinário (que fica fora da limitação da regra) para bancar obras públicas no valor de R$ 5 bilhões.

Mas Maia considera essa medida inconstitucional, pois esse dispositivo (crédito extraordinário) só pode ser usado para despesas diretamente ligadas à pandemia e à calamidade pública provocada pela Covid-19.

"O governo tem, e eu pedi à Consultoria da Câmara para fazer esse cálculo, tem espaço no Orçamento primário para cancelar algumas rubricas e criar outras para investimento. Eu não sou contra que se crie o espaço para o investimento, mas dentro do Orçamento primário de 2020", declarou.
Thiago Resende e Isabella Macedo - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Próxima segunda-feira

Confira o funcionamento dos serviços públicos no feriado de Finados em Londrina

29 OUT 2020 às 17h17
Eleições municipais

Ulisses Maia lidera intenções de votos em Maringá e pesquisa aponta reeleição

29 OUT 2020 às 15h22
Terrorismo

Atentado a faca mata três pessoas em igreja na França

29 OUT 2020 às 14h34
Abre-e-fecha estadual

Estado do Paraná transfere Dia do Servidor Público para próxima terça

29 OUT 2020 às 12h49
Norte Pioneiro

Polícia prende vereador de Carlópolis por venda de cirurgias bariátricas pelo SUS

29 OUT 2020 às 12h38
Operação

Polícia Rodoviária Estadual intensifica as ações no feriado prolongado de Finados

29 OUT 2020 às 12h37
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados