Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Radical

O prazer da aventura é para poucos

Victor Lopes/Especial para Folha
23 out 2009 às 11:32
Diogo Fornaziero: ‘‘Quanto menos se mexer na moto, mais a pessoa vai sofrer na trilha’’ - César Augusto/Equipe Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Motores roncando, circuitos naturais desafiadores e pilotos apaixonados por motos bem dispostos a investir. Pelas estradas de terra e matas da região de Londrina, não é difícil encontrar os chamados trilheiros, pessoas que adoram acelerar sobre duas rodas e que não dispensam motos preparadas, equipamentos adequados e belas paisagens que só a natureza oferece.

Entretanto, para se envolver com essa atividade, não basta apenas subir em uma moto que se usa pelas ruas da cidade e colocá-la para enfrentar lama, pedras e outras adversidades. É preciso adequar toda a mecânica e parte estrutural do veículo, além do piloto ter que utilizar equipamentos de segurança para evitar acidentes.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O empresário Carlos Eduardo Andretta, um dos proprietários da Promotos, loja especializada em peças e artigos para trilhas, calcula rapidamente quanto essa ''brincadeira'' pode custar. ''Um iniciante no hobby vai gastar de R$ 1,5 mil a R$ 4,5 mil numa moto arrematada em leilão, por exemplo. Para se proteger, o cliente deve comprar ainda um kit básico de segurança, que consiste em colete (peitoral), bota e capacete, que vai girar em torno de R$ 1 mil'', comenta.

Leia mais:

Imagem de destaque
Fase de aprovação

Prefeitura quer beneficiar contribuintes em dia no IPTU com descontos progressivos

Imagem de destaque
Preços a partir de R$ 5

Associação de Voluntários do HU promove bazar beneficente

Imagem de destaque
Neste final de semana

Shopping de Londrina fará liquidação fora de época com descontos de até 70%

Imagem de destaque
Aproveite!

Bazar em Cambé venderá roupas a partir de R$ 2


Como a concorrência entre as marcas nacionais e importadas é grande, a diversidade de preços e opções dos produtos ''off-road'' acaba sendo significativa. Andretta explica porque os nacionais são campeões de venda em sua loja. ''Todos querem adquirir itens da linha americana, mas mesmo assim os nacionais ainda estão na frente em vendas porque são mais baratos e com ótima qualidade. Até porque, dependendo da intensidade da trilha, os equipamentos de segurança são trocados anualmente, devido ao elevado grau de desgaste'', ressalta o empresário.

Publicidade


Já quando o assunto são as próprias motos, a necessidade de modificá-las é imprescindível. No Brasil, existem poucos veículos fabricados especialmente para trilhas, o que faz com que os pilotos busquem outras alternativas, alterando completamente os modelos nacionais. ''Uma moto importada nova de trilha, pronta para uso, vale por volta de R$ 26 mil. Por isso, uma boa opção é modificar as que temos por aqui'', diz Cristiano Carvalho, vendedor da Promotos.


O comerciante e trilheiro cambeense Diogo Fornaziero, de 26 anos, iniciou na modalidade aos 15 anos e nesse período já teve 12 motos. O rapaz salienta quais são as primeiras mudanças a serem realizadas na moto de quem quer praticar a aventura. ''São três pontos que devem ser avaliados. A troca do escapamento, da relação (que consiste em três peças: coroa, corrente e pinhão) e dos pneus. O fato é que quanto menos se mexer na moto, mais a pessoa vai sofrer na trilha, pois as condições de pilotagem são completamente diferentes das comuns'', analisa Fornaziero, que é membro do Trail Clube de Cambé - praticantes do motociclismo fora de estrada.

Publicidade


Carlos Eduardo aponta um investimento de R$ 600 para acertar esse três componentes. ''Contando com peças boas, essas três alterações melhoram significativamente o desempenho da moto durante o percurso'', completa o especialista.


Opções fartas de equipamentos e roupas

Publicidade


Produtos nacionais enfrentam concorrência dos chineses


Quem busca incrementar a prática do ‘off-road’ sobre motos não vai ter problemas em encontrar roupas, equipamentos e acessórios. ‘Um mercado que está chegando forte no setor é o chinês, com produtos que variam muito na qualidade e nos preços’, diz o empresário Carlos Andretta, da Promotos.


Na questão de segurança, para se proteger melhor em caso de quedas, o negócio é investir em protetores de pescoço e coluna cervical, de R$ 700 a R$ 1,2 mil, e joelheiras articuladas, que custam de R$ 550 a R$ 1,4 mil. ‘Como o lema dos trilheiros é ‘quanto pior a trilha, melhor’, se proteger é importantíssimo. Ainda mais se o piloto estiver começando, o que provavelmente vai lhe proporcionar bons tombos’, retrata o trilheiro Diogo Fornaziero.

Vale lembrar que alguns acessórios instalados nas motos auxiliam na proteção de peças e também dos próprios pilotos. ‘Protetores de mão, motor e quadro podem evitar grandes prejuízos’, pontua Andretta. E não são apenas os equipamentos de segurança e acessórios para o veículo que encantam os aficionados pelo assunto. Adesivos gráficos e roupas próprias para a prática também são itens bem comercializados. Já um conjunto de adesivos para mudar o visual da motocicleta pode chegar a R$ 300. Também há roupas específicas, ventiladas e com um material de maior resistência. Algumas grifes investem na linha casual, com bermudas e moletons exclusivos.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade