14/04/21
PUBLICIDADE
Entenda

STF garante conversão de tempo especial a servidor

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Recentemente, o STF (Supremo Tribunal Federal), ao julgar Recurso Extraordinário (RE) 1014286, com repercussão geral (Tema 942), pacificou o entendimento quanto à averbação do tempo de serviço prestado por servidores públicos em condições especiais, que prejudiquem a saúde ou a integridade física, e sua respectiva conversão em tempo comum para fins de concessão de aposentadoria especial.


De acordo com Renata Brandão Canella, advogada, decidiu-se que até a Reforma da Previdência (EC n.º 103/2019) é possível a averbação do tempo de serviço especial prestado pelo servidor e sua consequente conversão em tempo comum, ou para fins de aposentadoria especial, devendo ser aplicadas as normas do regime geral de previdência social (Lei 8.213/1991), enquanto não sobrevier lei complementar disciplinadora da matéria.

O Plenário também entendeu que, a partir da vigência da Emenda Constitucional n.º 103 de 2019 (Reforma da Previdência), as regras para a conversão de tempo especial deverão ser regulamentadas por lei complementar dos entes federados.

Para a advogada, é importante ressaltar que a averbação da atividade especial traz reflexos no abono de permanência, de acordo com o art. 4º da Lei 20.122/2019. "O abono diz respeito à restituição do valor de contribuição para a previdência ao servidor que tenha completado as exigências para aposentadoria voluntária e que opte por permanecer em atividade", informa.

O segurado pode conseguir antecipar a aposentadoria, através da comprovação da atividade especial (majoração de 20% para as mulheres e 40% para os homens, ou 25 anos em atividade especial para ambos os gêneros), desde que preencha os requisitos até a data da Reforma da Previdência, e assim, receber o abono até a idade base para a aposentadoria compulsória: esse é o limite máximo, alerta a especialista.

"Ou seja, diante do reconhecimento do direito à conversão do tempo de serviço especial em comum ou do direito à concessão da aposentadoria especial, o servidor pode ter direito ao recebimento retroativo do abono de permanência, desde quando preenchidos os seus requisitos ou desde a data da entrada com o requerimento", afirma.

O pedido administrativo de conversão do tempo especial em comum ou da aposentadoria especial direta ainda não é concedido pelos órgãos dos regimes próprios de previdência (RPPS), devendo o servidor requerer judicialmente a aplicação da Lei 8.213/81 (Lei do Regime Geral).

Assim, para que sejam garantidos os direitos previdenciários, o servidor deverá ir em busca de um advogado especialista na área e, se for o caso, buscar a prestação da tutela jurisdicional do Estado.
Redação Bonde
PUBLICIDADE
Continue lendo
1° fase do benefício

Maringá iniciará inscrições do auxílio emergencial no dia 26 de abril

14 ABR 2021 às 16h54
Sem exigência de experiência

Empresa abre processo seletivo com 230 vagas de emprego em Londrina

14 ABR 2021 às 16h44
Caso Henry

Justiça do Rio mantém Dr Jairinho, que está detido, na cadeira de vereador

14 ABR 2021 às 16h15
Condução da crise da Covid-19

STF confirma decisão de Barroso que mandou Senado instalar CPI da Covid

14 ABR 2021 às 15h43
Caso Henry

Violência mata mais de 103 mil crianças e adolescentes no Brasil

14 ABR 2021 às 15h34
Isolamento social

Com lojas fechadas, empresários vão à Justiça contra reajuste no aluguel

14 ABR 2021 às 14h46
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados