24/11/20
PUBLICIDADE
Entenda

STF garante conversão de tempo especial a servidor

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Recentemente, o STF (Supremo Tribunal Federal), ao julgar Recurso Extraordinário (RE) 1014286, com repercussão geral (Tema 942), pacificou o entendimento quanto à averbação do tempo de serviço prestado por servidores públicos em condições especiais, que prejudiquem a saúde ou a integridade física, e sua respectiva conversão em tempo comum para fins de concessão de aposentadoria especial.


De acordo com Renata Brandão Canella, advogada, decidiu-se que até a Reforma da Previdência (EC n.º 103/2019) é possível a averbação do tempo de serviço especial prestado pelo servidor e sua consequente conversão em tempo comum, ou para fins de aposentadoria especial, devendo ser aplicadas as normas do regime geral de previdência social (Lei 8.213/1991), enquanto não sobrevier lei complementar disciplinadora da matéria.

O Plenário também entendeu que, a partir da vigência da Emenda Constitucional n.º 103 de 2019 (Reforma da Previdência), as regras para a conversão de tempo especial deverão ser regulamentadas por lei complementar dos entes federados.

Para a advogada, é importante ressaltar que a averbação da atividade especial traz reflexos no abono de permanência, de acordo com o art. 4º da Lei 20.122/2019. "O abono diz respeito à restituição do valor de contribuição para a previdência ao servidor que tenha completado as exigências para aposentadoria voluntária e que opte por permanecer em atividade", informa.

O segurado pode conseguir antecipar a aposentadoria, através da comprovação da atividade especial (majoração de 20% para as mulheres e 40% para os homens, ou 25 anos em atividade especial para ambos os gêneros), desde que preencha os requisitos até a data da Reforma da Previdência, e assim, receber o abono até a idade base para a aposentadoria compulsória: esse é o limite máximo, alerta a especialista.

"Ou seja, diante do reconhecimento do direito à conversão do tempo de serviço especial em comum ou do direito à concessão da aposentadoria especial, o servidor pode ter direito ao recebimento retroativo do abono de permanência, desde quando preenchidos os seus requisitos ou desde a data da entrada com o requerimento", afirma.

O pedido administrativo de conversão do tempo especial em comum ou da aposentadoria especial direta ainda não é concedido pelos órgãos dos regimes próprios de previdência (RPPS), devendo o servidor requerer judicialmente a aplicação da Lei 8.213/81 (Lei do Regime Geral).

Assim, para que sejam garantidos os direitos previdenciários, o servidor deverá ir em busca de um advogado especialista na área e, se for o caso, buscar a prestação da tutela jurisdicional do Estado.
Redação Bonde
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Fraudes

'Professora' que apresentou atestado e diploma falsos em Rolândia tem bens bloqueados

24 NOV 2020 às 11h36
Negócios locais

Shopping de Londrina anuncia sete novas atividades nas suas dependências

24 NOV 2020 às 11h21
86 anos

Aniversário de Londrina terá iluminação especial em prédios históricos

24 NOV 2020 às 10h24
Obras na cidade

Revitalização do Bosque de Londrina deve começar em janeiro

24 NOV 2020 às 10h01
Acidente fatal

Caminhoneiro morre em tombamento de bitrem na PR-435

24 NOV 2020 às 09h45
PR-445

Acidente entre carro e caminhão deixa mulher ferida na zona sul de Londrina

24 NOV 2020 às 09h22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados