Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Rompimento parcial

Etapa paraibana da transposição do São Francisco será inaugurada no sábado

Agência Brasil
06 mar 2017 às 18:36
Continua depois da publicidade

Apesar do rompimento parcial no reservatório Barreiro, ocorrido na última sexta-feira (3) no município de Sertânia (PE), a passagem de água para o restante do trajeto do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco será feita e a água seguirá para a Paraíba.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, visitou hoje (6) a barragem danificada e disse que está confirmada para o sábado (11) a cerimônia que marca a chegada da água na Paraíba, no município de Monteiro, com a presença do presidente Michel Temer.

Continua depois da publicidade


A inauguração estava prevista para quinta-feira (9), mas foi adiada depois do vazamento do reservatório de Sertânia. Parte da estrutura se rompeu e alagou comunidades pelo caminho. Sessenta famílias foram retiradas de casa emergencialmente e plantações e animais de produção foram perdidos no alagamento. O reservatório fica entre as estações de bombeamento 5 e 6 (EBV-5 e EBV-6) do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco e começou a funcionar há uma semana, em 27 de fevereiro.


O ministro Helder Barbalho informou ainda que as causas do rompimento estão em investigação, para saber se houve falha no projeto ou na execução da obra. Para conter o vazamento foram usadas pedras de grande porte, montando uma espécie de dique no local.

Continua depois da publicidade


Essa é uma das últimas etapas do Eixo Leste da Transposição. Ele parte da barragem de Itaparica, em Pernambuco, e percorre mais de 200km até a cidade de Monteiro, na Paraíba. Sertânia é o último município pernambucano a receber a água do São Francisco por meio da obra.


Ministério Público Federal

O Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco instaurou procedimento administrativo para averiguar as circunstâncias do rompimento. O procurador da República Marcel Mesquita, lotado em Garanhuns, é responsável pelo caso. A partir da análise das informações recebidas ele decidirá se instaura um inquérito civil, próximo passo para que o MPF apresente ou não uma denúncia à Justiça.


Já o MPF na Paraíba recomendou à Secretaria de Infraestrutura Hídrica do Ministério da Integração Nacional que, antes de iniciar a operação do sistema de bombeamento no estado, realize uma fiscalização e a elaboração de laudo pericial que demonstre que o vazamento no reservatório Barreiro não compromete a estrutura.


A recomendação pede que o Ministério da Integração assegure ainda que a vazão da água que passa pelo canal da transposição "não afetará as intervenções de recuperação e de adequação das barragens estratégicas de Poções-PB e Camalaú-PB, ainda não implementadas". Isso porque as obras do Eixo Leste que ficam em solo paraibano – a próxima parada depois de Barreiro é Poções - vem sendo fiscalizadas pelo órgão e são alvo de questionamentos pelo MPF.


A procuradora da República Janaína Andrade, responsável pelo acompanhamento das obras, contesta a possibilidade de inauguração do trecho da Paraíba sem que as adequações tenham sido concluídas. "Falta tudo. A obra de Poções começou há cerca de 15 dias. Sequer existe tubulação para o fluxo complementar de água", afirma. Ela também informa que já foi comunicada oficialmente de que não há plano de emergência para os dois açudes paraibanos.


Sobre o caso específico de Barreiro, Janaína questiona as obras de contenção feitas depois do vazamentro. "Nas análises feitas junto com o perito do Ministério Público Federal, ela não é uma obra de engenharia para uma contenção de um vazamento daquela proporção. Ali foram colocadas rochas e areias que são permeáveis do jeito que estão, que facilita a passagem da água e inclusive podem aumentar o dano em caso de vazamento", diz.


A recomendação pede ainda "transparência" no fornecimento de informações e laudos técnicos,. Ficou estabelecido o prazo de cinco dias para que o governo federal se manifeste sobre o pedido. O Ministério da Integração Nacional divulgou nota afirmando que disponibilizará as informações solicitadas, como descrição técnica da barragem, e também relatório com a avaliação das possíveis causas do rompimento. O texto também traz uma lista de medidas tomadas de forma emergencial para estabilizar a barragem.

"O uso de materiais rochosos de grande volume (pedras com mais de uma tonelada), que funcionaram como bloqueador, ajudando a vedar o ponto de vazamento e estabilizar a barragem; orientação da população que reside próxima à área do vazamento; interação com a Defesa Civil e Prefeituras das regiões afetadas; acionamento da Companhia de Energia para desligamento de linhas de transmissão, no sentido de evitar acidentes, dentre outras", diz a nota.


Continue lendo