Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
3º turno em Londrina

Eleição indefinida prejudica salário dos servidores

Loriane Comeli - Redação Bonde
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Os servidores da prefeitura de Londrina esperam o resultado de uma consulta da Prefeitura ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para saber se é legal repor o salário do funcionalismo neste período atípico de eleições na cidade. No dia 29 de março, serão realizadas as eleições do novo segundo turno, entre Luiz Carlos Hauly (PSDB) e Barbosa Neto (PDT).

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Desde o início do governo interino de José Roque Neto (PTB), servidores e administração têm negociado uma reposição salarial. O que se propôs é um reajuste de 2,9%, referentes à inflação de 1º de julho de 2008 a 31 de janeiro de 2009. O ex-prefeito Nedson Micheleti (PT) repôs as perdas dos seis primeiros meses do ano passado. O reajuste impactaria em R$ 7,2 milhões a folha de pagamento.

Continua depois da publicidade


"A hipótese de reajuste de 2,9% é a mais provável; falta saber se o TRE vai considerar legal", afirmou Marcelo Urbaneja, presidente do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserv). A entidade havia solicitado abono em vez de reposição, que iria de R$ 50 a R$ 200, mas a prefeitura acabou refutando a proposta.


Para os servidores, como se trata de reposição de perdas decorrentes da inflação do período, o aumento seria perfeitamente legal.


Devolução

Continua depois da publicidade


Os servidores também negociam com a administração a devolução de salários descontados desde 2006 em decorrência da greve que realizaram naquele ano.
O prefeito demonstrou ser favorável à devolução do dinheiro; no entanto, a administração passada depositou em conta judicial apenas parte do valor descontado – dos servidores da administra direta – mas não procedeu desta forma em relação aos funcionários da Saúde. "Politicamente o prefeito é favorável, mas não há dinheiro para ressarcir todos", disse Urbaneja.


O prefeito já decidiu parar de descontar os dias parados e desde fevereiro os servidores recebem salário integral.


Os servidores realizam assembléia para votar o que foi discutido até agora com a administração nesta quinta-feira (26) às 19 horas, na Super-Creche.


Mais sobre a política em Londrina:
CEI do transporte coletivo começa a tomar depoimentos

Câmara de Londrina vai votar nova lei da suplência


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade