Pesquisar

Canais

Serviços

Divulgação
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Por critérios técnicos

Londrina perde para Recife Escola de Sargentos à qual concorria

Guilherme Marconi - Grupo Folha
22 out 2021 às 16:51
Continua depois da publicidade

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou que o Alto Comando do Exército definiu a escolha de Recife (PE) como cidade que irá sediar a nova ESA (Escola de Sargento das Armas) da Força.  

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Em publicação em seu perfil no Facebook, Bolsonaro disse que após dois anos de 'exaustivos estudos' um reunião definiu na tarde quinta-feira (22) que a capital de Pernambuco foi escolhida por 'critérios técnicos' e que atenderam 'interesse da força e a formação dos mesmos'.  

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


A decisão foi definida em conjunto com o comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.


Bolsonaro agradeceu as cidades de Ponta Grossa (Campos Gerais) e Santa Maria, no Rio Grande do Sul, que estavam diretamente concorrendo para receber a ESA. 


Entretanto, no vídeo o presidente sequer cita a cidade de Londrina que também anunciou que entrou na disputa em janeiro deste ano quando uma comitiva do Alto Comando do Exército esteve no município e sobrevoou seis locais estratégicos, que foram mapeados pelo Sinduscon-PR Norte (Sindicato da Indústria da Construção Civil).

Continua depois da publicidade


O prefeito Marcelo Belinati (PP) lamentou o fato de Londrina não ter sido escolhida pelo Exército Brasileiro. "A cidade teria total de condições de avaliar e de fazer uma coisa bacana. Eu não sei quais foram os critérios definidos pela presidência da República, mas eu fico triste em relação a isso. Quando vem uma empresa para Londrina ou universidade é sempre motivo de orgulho. Fizemos tudo o possível para apresentar Londrina da melhor forma", disse o prefeito após solenidade nessa sexta-feira (22) da Campanha Futuro Criança. 


"Recife tinha as condições, nós concorremos por fora e realmente estávamos no páreo. A questão é a seguinte, a gente entrou mais tarde nesta disputa e sabíamos de antemão que outros poderiam ganhar. Os comandantes gostaram da nossa cidade, vieram aqui algumas vezes. A política e a solução técnica foram os critérios e  o sul do país não foi contemplado dessa vez. Eu não considero uma derrota, o não nós já tínhamos e expusemos Londrina e muito importante mostrar para população que temos condições de recebermos diversos investimentos. Vamos lutar para trazer progresso à nossa população" avaliou o presidente do Sinduscon, Sandro Nóbrega. 


Em julho deste ano, novamente uma comitiva de empresários e lideranças de entidades da sociedade civil participaram em Brasília de uma reunião com o Alto Comando da força e ainda estavam esperançosos com a escolha de Londrina. 


Continue lendo em Folha de Londrina

Continue lendo