Pesquisar

Canais

Serviços

- Gustavo Carneiro/Arquivo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Serviço não executado

Prefeitura de Londrina rompe contrato com empresa que cuidaria da estrada do Eli Vive

Pedro Marconi - Grupo Folha
07 out 2021 às 19:10
Continua depois da publicidade

Morando no assentamento Eli Vive há 12 anos, sendo oito na brigada quatro, Reginalva dos Santos Silva esperava terminar 2021 com a prometida melhoria na estrada que passa pela localidade finalizada. “Já fomos enganados muitos anos com essa história de fazer a estrada e não acreditamos mais. Estamos preocupados e pedimos socorro”, desabafou a agricultora, que com os demais moradores terão que esperar ainda mais para o caminho, finalmente, contar com a mínima condição de passagem.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Nesta semana, a Prefeitura de Londrina formalizou a rescisão do contrato com a empresa que havia vencido a licitação para a pavimentação com pedras poliédricas de 11 quilômetros da estrada rural que liga o Eli Vive até o distrito de Irerê e da Estrada da Usina, perto do Apucaraninha, ambas na região sul. 

Continua depois da publicidade

O município ainda multou a empresa, que tem sede em Olinda (PE), em quase R$ 1 milhão, valor que corresponde a 30% do montante do contrato. Além disso, está proibida de formar novos vínculos com a administração municipal por dois anos. 


A ordem autorizando os serviços havia sido assinada pelo prefeito Marcelo Belinati em agosto do ano passado, com direito à cerimônia com a presença de várias autoridades para divulgar o feito na prefeitura. A previsão era de 15 meses de intervenções, o que venceria em janeiro do ano que vem. Entretanto, em mais de um ano, praticamente nada do que estava estabelecido no contrato foi cumprido.  

Continua depois da publicidade


De acordo com o secretário municipal de Gestão Pública, Fábio Cavazotti, foram promovidas reuniões com representantes da empresa para contornar o problema, entretanto, não surtiram efeito. “A empresa alegou a pandemia de coronavírus, com dificuldade de conseguir insumo, e demos um prazo. Passado o período não evoluiu nada e dissemos que iríamos rescindir. Fizemos uma nova reunião, pediram mais uma chance, concedemos. Passamos por isso praticamente seis meses e no sétimo mês constatamos a inexistência de evolução da obra. Não restou outra alternativa.” 


Continue lendo na FOLHA

Continue lendo