Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Relatório da OMS

Acidentes de trânsito matam 400 mil jovens por ano

BBC Brasil
20 abr 2007 às 17:51
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Acidentes de trânsito são a principal causa mundial de morte de jovens entre 10 e 24 anos, de acordo com o relatório Youth and Road Safety (Juventude e Segurança no Trânsito, em tradução livre), da Organização Mundial da Saúde (OMS). Todos os anos, quase 400 mil jovens morrem nas ruas e nas estradas do mundo, segundo o levantamento.

O relatório foi lançado em preparação para a Semana Mundial de Segurança no Trânsito, da Organização das Nações Unidas (ONU), que começa na segunda-feira (23). Apenas durante a semana do evento, estima-se que 7 mil jovens com menos de 25 anos irão morrer em acidentes de trânsito.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Custos

Leia mais:

Imagem de destaque
Competição de gigantes

Google tenta superar 'humanidade' de novo ChatGPT com assistentes de IA que erram menos

Imagem de destaque
Em junho

Filhos de Maradona entram com processo para impedir leilão da Bola de Ouro do pai

Imagem de destaque
Descobertas de anticorpos

Após morte do pai por Covid, cientista brasileira em Harvard busca novos antivirais

Imagem de destaque
Mudança de estereótipo

'Dirija como uma mulher'; França lança campanha para reduzir mortes no trânsito


Segundo o relatório, jovens em pior situação financeira estão mais expostos aos riscos de morrer em uma colisão. Os homens também têm mais chances de morrer do que as mulheres.

Publicidade


No geral, todos os anos, cerca de 1,2 milhão de pessoas de todas as idades morrem em acidentes rodoviários.


De acordo com a OMS, o custo anual dos acidentes é de US$ 528 bilhões (mais de R$ 1 trilhão). Nos países de rendimentos baixos e médios, esses gastos ficam entre US$ 65 bilhões e US$ 100 bilhões (entre R$ 132 bilhões e R$ 204 bilhões).

Publicidade


"A falta de segurança nas nossas estradas se tornou um importante obstáculo para a saúde e o desenvolvimento", disse Margaret Chan, diretora-geral da OMS.


"Nossas crianças e jovens estão entre os mais vulneráveis. As colisões rodoviárias não são 'acidentes'. Nós precisamos desafiar a noção de que são inevitáveis e abrir espaço para uma ênfase pró-ativa e preventiva."

Publicidade


Segundo um editorial da revista médica The Lancet, as vítimas fatais nos países menos desenvolvidos tendem a ser pedestres, ciclistas, motoqueiros ou passageiros, já que "a infra-estrutura urbana e de transportes não é preparada para usuários não-motorizados das ruas, que são obrigados a dividir o espaço com carros, ônibus, caminhões e animais".


"As mortes e ferimentos no trânsito são uma pandemia, especialmente entre pessoas jovens", acrescenta o editorial. "A solução individual está em algo que é talvez uma das coisas mais difíceis de serem mudadas: o comportamento humano."

"Os acidentes de trânsito afetam desproporcionalmente os jovens. O ensino de segurança rodoviária desde uma idade bastante jovem deve se tornar uma prioridade, com adultos dando um bom exemplo o tempo todo", concluiu a revista.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade