23/06/21
PUBLICIDADE
Mudança de posições

Após guinada dos EUA, Europa admite estudar renúncia a patentes de vacina anti-Covid

Pixabay
Pixabay


Pressionada pela mudança de posição dos Estados Unidos, que anunciou apoio à renúncia de patentes de vacinas contra Covid-19, a Comissão Europeia afirmou nesta quinta (6) que está "aberta a discutir" a ideia, como uma das "soluções pragmáticas e eficazes" para ampliar o alcance da imunização contra o coronavírus.


A renúncia a patentes exige aprovação unânime dos membros da OMC (Organização Mundial do Comércio) e uma proposta foi apresentada em outubro por África do Sul e Índia; até a última reunião sobre direitos de propriedade intelectual (Trips), contudo, tanto os EUA quanto a União Europeia se opunham à quebra de patentes para as vacinas, sob o argumento de que isso inibiria a inovação industrial.

Suíça e Reino Unido, sedes de laboratórios farmacêuticos, também se opunham à medida. Entre os países em desenvolvimento, o Brasil foi o único a se manifestar em março contra a proposta, apoiada por mais de cem membros da organização.

Posteriormente, o governo brasileiro defendeu uma terceira via: mapear capacidade ociosa que poderia ser convertida para produção de vacinas, e convencer as farmacêuticas a transferirem tecnologia, de forma voluntária. No entanto, iniciativa semelhante da Organização Mundial de Saúde, feita em outubro do ano passado, naufragou.

Após o anúncio americano, ONGs disseram nesta quarta que pode crescer a pressão sobre o governo brasileiro para que mude sua posição na OMC, e levar a Câmara a aprovar o projeto de lei de suspensão de patentes que passou no Senado na semana passada.

A pressão por uma dispensa temporária dos Trips, que já era uma prioridade da nova diretora-geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala, cresceu com o agravamento do caos sanitário na Índia, onde as mortes diárias por Covid-19 tem superado as 3.000, aumentou.

Embora tivesse se declarado contra a quebra de patentes em entrevista recente, a presidente da Comissão (Poder Executivo da UE), Ursula von der Leyen, disse na manhã desta quarta que o bloco "está pronto para discutir" a proposta dos EUA. Mas, adendou, a prioridade no curto prazo deveria ser que "os países produtores de vacinas e insumos permitam a exportação e evitem medidas que interrompam as cadeias de abastecimento".

A UE, um dos maiores produtores, exportadores e consumidores de vacinas do mundo, tem adotado a posição de que o principal gargalo para ampliar a vacinação está na capacidade de produção, e não nos direitos de propriedade intelectual.

Mas, além da questão industrial, há também um problema de distribuição dos imunizantes: mais de 80% das doses aplicadas no mundo foram dadas em países de renda alta ou média alta, enquanto os países mais pobres receberam menos de 1% das ampolas.

Em entrevista nesta quarta, a porta-voz de Von der Leyen, Dana Spinant, argumentou que a UE é a principal financiadora de esquemas de distribuição de vacinas para países pobres -como o Consórcio Covax, para o qual doou 1 bilhão de euros (cerca de R$ 6,45 bi). O bloco também exportou 178 milhões de doses desde 29 de janeiro deste ano (a maioria, no entanto, foi para países ricos, como Reino Unido, Canadá e Japão).

Mesmo que UE e outros opositores mudem de ideia, não haverá mudança na questão das patentes no curto prazo. A expectativa é que os EUA apresentem agora uma proposta própria, cuja negociação pode levar meses.

Para analistas, as declarações americanas podem ajudar governos a pressionarem pelo licenciamento de produtos e transferência de tecnologia, como os que já foram feitos pela AstraZeneca com seu imunizante desenvolvido em conjunto com a Universidade de Oxford -versões genéricas são produzidas sob licença em fábricas da Coreia do Sul e da Índia.

A transferência de tecnologia é considerada fundamental no caso de produtos como os da Pfizer/BioNTech e Moderna, que usam plataformas novas e sofisticadas para obter os imunizantes
Ana Estela de Sousa Pinto/Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Primeiro lote

Covaxin tentou por duas vezes garantir pagamentos antecipados de US$ 45 mi

23 JUN 2021 às 17h48
Meio Ambiente

Investigado pela PF, Ricardo Salles pede demissão de ministério

23 JUN 2021 às 17h37
Teletrabalho

Ratinho Jr. estuda adoção de modelo híbrido permanente de trabalho para servidores

23 JUN 2021 às 17h27
Tríplex do Guarujá

Supremo confirma decisão que declarou Moro parcial em caso de Lula

23 JUN 2021 às 16h50
Ex-presidente do Nacional

MP pede que assassino confesso de ex-vereador de Rolândia vá a júri popular

23 JUN 2021 às 16h17
Obras concluídas

Prefeitura libera o trânsito no último trecho da Avenida Winston Churchill

23 JUN 2021 às 16h12
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados