Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Após ataque

Ataques aéreos da França e Rússia já mataram pelo menos 33 jihadistas na Síria

Agência Estado
18 nov 2015 às 09:47
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Os ataques aéreos feitos pela França e pela Rússia nas últimas 72 horas no Norte da Síria mataram pelo menos 33 jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico, informou nesta quarta-feira (18) a organização não governamental Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Dezenas de combatentes do grupo extremista ficaram também feridos nos ataques aéreos a depósitos de armas, armazéns e postos de controle do prinicipal reduto dos jihadistas do Estado Islâmico em Raqa, disse Rami Abdel Rahman, diretor do OSDH, baseado na Grã-Bretanha.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A França intensificou a ofensiva contra Raqa após os ataques terroristas de sexta-feira passada (13) em Paris, que mataram 129 pessoas. Foram feitos vários ataques, com bombardeios e caças, contra alvos naquela cidade síria no domingo (15), na segunda-feira e hoje.

Leia mais:

Imagem de destaque
Voltou atrás na decisão

Hugh Jackman diz que não era certo largar Wolverine e volta em novo 'Deadpool'

Imagem de destaque
Confira a lista de indicados

Emmy indica 'Xógun', 'Bebê Rena' e 'O Urso', que bate recorde em comédia

Imagem de destaque
Tentativa de homicídio

Lula diz que violência é abominável, mas Trump vai tentar tirar proveito de atentado

Imagem de destaque
Confusão

Caos na Copa América gera pressão da Fifa em Miami sobre Mundial de Clubes


A Rússia também atacou Raqa com bombardeios de longo alcance, com mísseis lançados do mar nessa terça-feira, depois de Moscou ter confirmado que foi um ataque a bomba, reivindicado por um grupo ligado ao Estado Islâmico, que derrubou no mês passado um avião russo de passageiros na península do Sinai, no Egito, matando as 224 pessoas a bordo.


"O número limitado de mortes pode ser explicado pelo fato de os jihadistas terem tomado precauções", disse Abdel Rahman, que tem como fontes na Síria ativistas, médicos e residentes. Ele afirmou que nos locais "estavam apenas os guardas dos quartéis e dos depósitos de armas", relatando que a maioria das pessoas foi morta nos postos de controle.

Abdel Rahman disse ainda que muitas famílias de combatentes estrangeiros deixaram a cidade de Mosul, no Iraque, outro grande reduto do grupo extremista, que até agora tomou o controle de grande parte do território na Síria e no Iraque.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade