Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Guerra longa

Ataques aéreos provocaram muitos danos ao Estado Islâmico, diz general francês

Agência Lusa
22 nov 2015 às 09:20
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O chefe do Estado Maior do Exército francês garantiu hoje (22) que o último ataque aéreo da França contra posições do Estado Islâmico na Síria provocou muitos danos, mas alertou que a guerra vai ser longa.

"Provocamos muitos danos consideráveis. Isso é o que se vê por meio dos nossos meios de inteligência", disse o general Pierre de Villiers em entrevista ao semanário francês Journal du Dimanche, citado pela agência France Presse.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Cerca de 60 bombas francesas, lançadas entre domingo (15) e terça-feira na localidade de Al Raqa, considerada o feudo dos jihadistas na Síria, tinham como objetivo campos de treino e centros de comando.

Leia mais:

Imagem de destaque
Luto

Estrela do k-pop, Park Bo-ram, é encontrada morta aos 30 anos

Imagem de destaque
Lamentável

J.K. Rowling condena estrelas de 'Harry Potter' por apoiar pessoas trans

Imagem de destaque
Tinha câncer

Morre O.J. Simpson, ex-jogador de futebol americano, aos 76 anos

Imagem de destaque
Em 2025

Cerimônia da próxima edição do Oscar ganha data para acontecer; veja a data


Os ataques foram feitos levando em conta o critério muito importante de proteger a população. "Quando se atinge um inocente, cria-se uma insurreição adicional que é contraproducente", afirmou o general.

Publicidade


Pierre de Villiers explicou que destruir a infraestrutura de um país "não é a melhor maneira de ganhar a confiança da população, algo que é um fator-chave", e esclareceu que os bombardeios contra poços de petróleo buscam debilitar financeiramente a organização jihadista.


A chegada à região, neste fim de semana, do porta-aviões Charles de Gaulle significará para os franceses "mais-valia operacional", porque vai triplicar a sua capacidade de tiro, com 38 aviões no total.


Villiers advertiu que não haverá vitória militar "a curto prazo" e insistiu que um inimigo não se destrói com bombardeios aéreos, mas sim em terra, com esse tipo de apoio.

"Todos sabem que, no final, o conflito será ganho pela via diplomática e política. Ganhar a guerra será bom, mas não será suficiente. A guerra deve ser travada em conjunto", acrescentou o general, lembrando que, apesar das diferentes perspectivas internacionais, há um inimigo comum que é o "islamismo radical" da organização.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade