27/10/20
PUBLICIDADE
Informe-se!

Censura à imprensa e às redes sociais na China facilitou pandemia, defende Repórteres sem Fronteiras

A entidade Repórteres sem Fronteiras fez um levantamento de várias situações desde outubro, nas quais as autoridades chinesas impediram profissionais da imprensa e usuários de redes sociais de repassar informações sobre o novo coronavírus.

"Sem o controle e a censura impostos pelas autoridades, a mídia chinesa teria informado muito antes ao público sobre a gravidade da epidemia, salvando milhares de vidas e possivelmente evitando a atual pandemia", defende a instituição, em um comunicado divulgado na terça (24).


A RSF cita um estudo da Universidade de Southampton, que aponta que o total de casos na China teria sido 86% menor se as medidas de contenção, iniciadas em 20 de janeiro, tivessem sido tomadas duas semanas antes.

A ONG, que tem sede na França e defende a liberdade de expressão, apontou os eventos abaixo que, se tivessem sido mais divulgados a tempo, poderiam ter conscientizado as autoridades e a população global já no final de 2019.

18 de outubro
O Centro John Hopkins, em parceria com o Fórum Econômico Mundial, fez uma simulação de como poderia ocorrer uma pandemia de coronavírus e apontou que 65 milhões de pessoas poderiam ser atingidas em 18 meses. A imprensa chinesa não pode divulgar essa informação no país.

20 de dezembro
Naquele momento, havia 60 pacientes com uma pneumonia desconhecida em Wuhan, e vários deles haviam frequentado um mercado de animais vivos. Se a informação tivesse sido divulgada antes, menos gente teria ido ao local, que foi fechado em 1º de janeiro.

25 de dezembro
A médica e diretora Lu Xiaohong analisa os casos de infecção de profissionais de saúde de um hospital de Wuhan e passa a suspeitar de que a doença pode passar de uma pessoa a outra. Em um país com imprensa livre, Lu poderia ter buscado jornalistas e divulgado esta informação, colocando pressão sobre o governo para agir. Médicos que tentaram alertar esse risco foram detidos pela polícia.

31 de dezembro
A China notifica a OMS sobre o risco de epidemia de coronavírus, mas censura conversa sobre a doença no aplicativo de conversas WeChat.

5 de janeiro
Um centro de pesquisas de Xangai consegue sequenciar o genoma do coronavírus, mas o governo demora a divulgar isso. Cientistas de outros lugares do mundo poderiam ter ganho tempo ao receber esses dados antes.

13 de janeiro
Um turista de Wuhan na Tailândia recebeu diagnóstico de coronavírus. Se os meios internacionais tivessem sido informados da gravidade da situação em Wuhan, teriam ajudado os demais países a saber antes dos riscos que a doença traria.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Colisão frontal

Grave acidente mata mulher grávida de gêmeos na PR-445

26 OUT 2020 às 18h57
Motorista não prestou socorro

Carro é atingido por caminhão, capota e bate em poste na BR-369 em Londrina

26 OUT 2020 às 17h39
Sem ciclovia

Com promessa de desafogar trânsito, prefeitura entrega terceira faixa da Ayrton Senna

26 OUT 2020 às 16h36
Em estado líquido

Nasa anuncia descoberta de água na superfície iluminada da Lua

26 OUT 2020 às 16h35
Coronavírus

Vacinação 'não é uma questão de Justiça', mas de saúde, afirma Bolsonaro

26 OUT 2020 às 16h22
Benefício

Caixa paga 2ª parcela de R$ 300 da extensão do auxílio emergencial

26 OUT 2020 às 14h18
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados