24/11/20
PUBLICIDADE
Entenda

China chama de racista texto de Weintraub, que volta a atacar

Em mais um episódio da crise diplomática que vem sendo desenhada há quase três semanas, a embaixada da China chamou de "fortemente racista" a manifestação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que associou a origem da Covid-19 ao país. "O lado chinês manifesta forte indignação e repúdio a esse tipo de atitude", dizia a nota publicada na madrugada desta segunda (6).

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Weintraub respondeu novamente atacando: disse que a China quer lucrar "com a tragédia" e condicionou um pedido de perdão ao fornecimento de respiradores para tratar pacientes graves no Brasil.

A China é o país com mais condições de fornecer equipamentos médicos para os diferentes países neste momento. Tendo deixado para trás o período mais crítico da pandemia no seu território, os chineses retomaram a produção, mas não têm conseguido dar conta da demanda global.

Segundo o Ministério da Saúde, a China concentra 25% da produção mundial de produtos e insumos médicos.

Em postagem numa rede social no sábado (4), o ministro havia usado o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para fazer chacota da China e associar a pandemia de coronavírus a interesses do país asiático.

Na mensagem, ele trocou a letra "r" por "l", assim como na criação de Mauricio de Sousa, ridicularizando o sotaque de muitos chineses ao falar português. Apesar da postagem, Weintraub negou nesta segunda, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que seja racista, disse que já esteve no país e que até tem amigos chineses.

"Eu sou brasileiro. Então, vou fazer o seguinte, meu acordo aqui: vou lá, peço desculpa, falo 'por favor, me perdoem pela minha imbecilidade', e a única condição que tenho é que, dos 60 mil respiradores que estão disponíveis, eles vendam mil respiradores para o MEC, para salvar a vida dos brasileiros, pelo preço de custo", disse na entrevista ao jornalista José Luiz Datena.

O ministro cita que há necessidade de mil respiradores na rede de hospitais universitários ligada ao MEC, que também atende pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde).

Weintraub apagou a mensagem publicada no Twitter, no sábado, que tinha o seguinte conteúdo: "Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", escreveu o membro do gabinete do presidente Jair Bolsonaro.

A embaixada da China reagiu à manifestação do ministro por meio de uma nota publicada no Twitter, na qual classifica as declarações do ministro de "absurdas e desprezíveis", com "objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil".

Weintraub minimizou a mensagem e disse que a apagou a postagem a pedido de um amigo, e não do presidente Bolsonaro. "Falar que eu sou racista é uma acusação que, se fosse um brasileiro, ia ter que provar na Justiça."

Na entrevista, o titular da Educação ainda acusou a China de negligenciar informações sobre a doença e agora quer lucrar "com a tragédia".

"O governo da república chinesa, onde começou o coronavírus, poderia ter alertado o mundo inteiro que ia faltar respirador. Que nós teríamos três meses para fazer respirador. Isso não foi feito", disse.

"Agora que estamos desesperados correndo atrás de respirador, o que é que acontece? Aparecem 60 mil respiradores na China, e eles estão leiloando. Aparece um monte de equipamento, de proteção, de máscara, e eles estão leiloando. Então, assim, teve tempo de eles se prepararem para vender para o mundo, pelo preço mais alto, respirador e máscara."

Esse não é o primeiro ataque de uma pessoa ligada ao presidente Jair Bolsonaro contra a China, país onde foi registrado o começo da pandemia e que, por isso, é acusado de ter gerado a crise mundial da Covid-19.

A embaixada já havia feito duras críticas ao deputado federal Eduardo Bolsonaro após o filho do presidente, também em rede social, comparar a pandemia do coronavírus ao acidente nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986, quando a antiga União Soviética ocultou a dimensão do desastre.

Membros do governo, como o vice-presidente Hamilton Mourão e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tentaram colocaram panos quentes na crise diplomática.

Depois, Bolsonaro telefonou para o dirigente da China, Xi Jinping, para aparar as arestas criadas pelo filho.

Ao comentar a ligação, o presidente disse que ele e o líder chinês reafirmaram "nossos laços de amizade, troca de informações e ações sobre a Covid-19 e ampliação de nossos laços comerciais".

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em 2018, 26,7% das exportações brasileiras tiveram o país asiático como destino –Pequim lidera o ranking de compradores dos produtos brasileiros, segundo o Ministério da Economia. Entre 2003 e 2019, investiu US$ 79 bilhões no Brasil.
Paulo Saldaña - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Obra viária

Três empresas entram na concorrência para fazer o 'oitão' da Madre Leônia Milito

23 NOV 2020 às 19h17
Salve o número

Copel lança atendimento ao cliente pelo WhatsApp

23 NOV 2020 às 15h44
Descarte correto

Drive-Thru da Reciclagem bate recorde de arrecadação em Londrina

23 NOV 2020 às 14h50
Balanço

GM recebe 64 denúncias de descumprimento aos decretos no fim de semana

23 NOV 2020 às 14h40
Oportunidade

Justiça Federal de Londrina abre seleção para contratar estagiários

23 NOV 2020 às 11h52
Não é fogo!

Brigada de Incêndio simula emergência no prédio da Prefeitura de Londrina

23 NOV 2020 às 11h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados