Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Belém

Cidade onde nasceu Jesus, segundo a tradição cristã, cancela Natal em luto por palestinos

Folhapress
24 nov 2023 às 19:41
- Divulgação/Município de Belém no Facebook
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A cidade de Belém, na Cisjordânia, onde, segundo a tradição cristã, nasceu Jesus, cancelou as celebrações de Natal neste ano em luto pelos palestinos da Faixa de Gaza, território atacado por Israel em sua guerra contra o grupo terrorista Hamas.


A prefeitura da cidade anunciou nas redes sociais que funcionários estavam desmontando a decoração natalina instalada havia anos em bairros da cidade. A medida também é uma homenagem aos "mártires", os palestinos que foram mortos na guerra, segundo autoridades locais.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O município divulgou fotos em suas contas nas redes que mostram um funcionário retirando fios com luzes que estavam numa rua próxima a uma igreja.

Leia mais:

Imagem de destaque
Topless em frente à catedral

Ucraniana do OnlyFans é procurada pela Rússia por topless na Praça Vermelha

Imagem de destaque
'Não perdoaremos'

Israel declara Lula 'persona non grata' após comparação com Holocausto

Imagem de destaque
Fez uma visita ao pai

Príncipe Harry fala pela 1ª vez sobre câncer do rei Charles 3º

Imagem de destaque
Cobertura de saúde gratuita

Tailândia oferece seguro viagem para atrair turistas


Segundo o jornal britânico The Telegraph, não haverá árvore de Natal ou luzes decorativas na praça da Manjedoura, local onde Jesus nasceu, segundo a crença cristã, pela primeira vez desde o início das celebrações modernas. Mesmo durante a pandemia de Covid-19 o espaço continuou decorado.

Publicidade


Ao jornal britânico um porta-voz do município disse que não é "nada apropriado" realizar festividades enquanto há um "massacre acontecendo em Gaza" e ataques na Cisjordânia.


Todos os anos, em 24 de dezembro, várias celebrações de Natal costumam ocorrer na região. Uma das mais conhecidas é uma procissão que parte de Jerusalém e cruza o muro que separa a Cisjordânia. Músicos participam da caminhada, que termina na Basílica da Natividade, em Belém.

Publicidade


À meia-noite, segundo a tradição, um patriarca celebra a tradicional missa do galo na Igreja de Santa Catarina, ao lado da Basílica da Natividade, com a presença de líderes religiosos e representantes políticos palestinos. Não está claro se as autoridades locais vão autorizar, neste ano, missas na noite de Natal.


O turismo é um dos principais recursos de Belém e, antes da pandemia, a Basílica da Natividade recebia cerca de dois milhões de peregrinos todos os anos.

Publicidade


Enquanto as atenções se voltam para os milhares de mortos pela ofensiva na Faixa de Gaza, a Cisjordânia também registra manifestações contra a ofensiva de Israel e episódios de violência contra palestinos.


Ataques em toda a extensão do território ocupado já deixaram ao menos 200 mortos e provocaram mais de 1.000 deslocamentos forçados desde o 7 de Outubro, segundo dados da Ocha, braço humanitário das Nações Unidas na região.


Na Faixa de Gaza, 14.854 palestinos, incluindo 6.150 menores, tinham morrido até esta quinta-feira (23), segundo o Ministério da Saúde local, controlado pelo Hamas. O grupo terrorista e o governo israelense acertaram um cessar-fogo de quatro dias que entrou em vigor nesta sexta (24).


O acordo ainda permitiu a liberação de reféns capturados pela facção em 7 de outubro em troca da soltura de prisioneiros palestinos.

Receba notícias do Bonde no Whatsapp/Telegram e fique por dentro de tudo!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade