Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Posição da Igreja

CNBB considera idéia absurda discutir aborto no Brasil

Redação Bonde
14 abr 2007 às 16:43
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A idéia de discutir mudanças na legislação sobre a possibilidade de realização de aborto no Brasil é um absurdo, na visão do arcebispo de São Paulo e secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Odilo Scherer. Ele argumenta que a Constituição brasileira não prevê a prática de aborto e que o direito de viver é intocável e não pode ser submetido a consulta.

"Eu sou uma pessoa que vive. Eu tenho um direito à vida que eu não aceito que ninguém toque. Nenhum de nós gostaria de pôr em plebiscito o direito de viver, que é um direito inalienável, intocável. Os bebês não-nascidos são seres humanos e têm esse mesmo direito", afirma Dom Scherer.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Comentando a aprovação recente em Portugal da possibilidade de realização de aborto no país, o arcebispo disse que o Brasil não precisa imitar tudo o que os países fazem. "As pessoas não-nascidas são seres humanos e a sociedade deve zelar como um todo pelo direito intocável à vida dessas pessoas, desses seres humanos, tanto mais que são inocentes e indefesos", diz.

Leia mais:

Imagem de destaque
Novo estudo

Bactérias sobrevivem no solo do deserto do Atacama há milhões de anos

Imagem de destaque
Espetáculo

Auroras são vistas em vários países do mundo após tempestade solar

Imagem de destaque
Diagnosticada com câncer

Príncipe William atualiza estado de saúde de Kate Middleton: 'Ela está bem'

Imagem de destaque
Jimmy Butler

Astro prepara despedida da NBA e quer jogar no Flamengo: 'sou metade brasileiro'


Historicamente, a Igreja Católica tem se posicionado contra a prática do aborto, com base no princípio de que a vida humana começa no momento da concepção. Em diversas ocasiões a CNBB se manifestou pela inviolabilidade do direito à vida que atinge a todo ser humano.

"Reafirmamos o princípio ético do pleno respeito à dignidade e à vida do ser humano, não importando o estágio de seu desenvolvimento ou a condição em que ele se encontra", diz uma nota publicada pela Confederação em 2004. Na mensagem pela celebração do Dia Mundial da Paz, em 1º de Janeiro deste ano, o Papa Bento XVI diz que "o aborto e as pesquisas sobre os embriões constituem a negação direta da atitude de acolhimento do outro que é indispensável para se estabelecerem relações de paz estáveis". (ABr)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade