Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Greve dos lixeiros

Em 36 horas, SP já acumula 6 mil toneladas de lixo

Redação Bonde
14 abr 2007 às 18:45
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma greve iniciada na madrugada desta sexta-feira (13) pelos empregados das empresas de limpeza de São Paulo, está provocando grande transtornos aos moradores. Em pouco mais de 36 horas sem o serviço, pelo menos 6 mil toneladas de lixo estão acumuladas nas ruas da cidade. O cáculo da "sujeira" foi feito pelos líderes sindicais. Eles estimam que à cada dia de greve deve gerar outras 3 mil toneladas de lixo acumulado.

Segundo cálculos das autoridades municipais, a cidade produz diariamente cerca de 12 mil toneladas de lixo, que é recolhida por 370 caminhões de cinco diferentes empresas concessionárias. O acúmulo só não é maior porque uma lei impode a paralisação total dos serviços públicos e exige que pelo menos 70% dos trabalhadores cumpram suas atribuições.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Caso chova, o lixo acumulado pode provocar inundações em diversas regiões da cidade, agravando ainda mais a situação durante o final de semana; isso porque a próxima reunião entre o sindicato e a patronal está prevista somente para segunda-feira (16).

Leia mais:

Imagem de destaque
Descobertas de anticorpos

Após morte do pai por Covid, cientista brasileira em Harvard busca novos antivirais

Imagem de destaque
Mudança de estereótipo

'Dirija como uma mulher'; França lança campanha para reduzir mortes no trânsito

Imagem de destaque
Possíveis problemas

Série 'Bebê Rena' faz governo britânico alertar Netflix de projeto de lei de privacidade

Imagem de destaque
Novo estudo

Bactérias sobrevivem no solo do deserto do Atacama há milhões de anos

A paralisação da categoria foi convocada por tempo indeterminado. Os grevistas exigem aumentos salariais de 12%, seguro de saúde com cobertura total, uniformes apropriados para as épocas de intenso calor, lanche para cada um 14 mil trabalhadores do setor e protetor solar. Em contrapartida, as empresas concessionárias ofereceram um reajuste salarial de apenas 3,12%.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade