Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Migração

Estado Islâmico: refugiados na Europa cometem pecado grave

Agência Brasil
10 set 2015 às 17:32
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O grupo extremista Estado Islâmico disse nesta quinta-feira (10) que os sírios refugiados na Europa cometem um pecado grave, porque "nessas terras regem as leis do ateísmo e da indecência".

Na edição de setembro da revista do grupo radical sunita, com o título Dabiq, os jihadistas criticaram os sírios e os líbios que "arriscam as próprias vidas e as próprias almas" e que abandonam voluntariamente a pátria do Islã pela terra dos infiéis.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Os terroristas advertem que as crianças na Europa e nos Estados Unidos estão sob "a constante ameaça do sexo, da sodomia, das drogas e do álcool".

Leia mais:

Imagem de destaque
Ela merece

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Imagem de destaque
Saiba mais

CEO do Google defende uso gratuito de conteúdos na internet para treinar IA

Imagem de destaque
Karim Bianchi

Senador chileno diz que foi abduzido por ETs e que precisa difundir mensagem

Imagem de destaque
The Posthumous Memoirs of Brás Cubas

Edição em inglês de Memórias Póstumas de Brás Cubas é o livro latino mais vendido na Amazon


O grupo reforçou que, mesmo que não caiam em pecado, é provável que as pessoas esqueçam a voz do Alcorão, o árabe, situação que "torna o regresso à religião [islamismo] e ao ensinamento mais difícil".

Publicidade


O Estado Islâmico mostrou-se duro com aqueles que fogem do califado proclamado pelos jihadistas, em junho de 2014, nos territórios que controlam na Síria e no Iraque, garantindo, no entanto, que a maioria das famílias foge de áreas controladas pelo regime sírio ou pelas forças curdas.


Centenas de milhares de pessoas têm fugido dos conflitos que afetam o Oriente Médio e da repressão terrorista, especialmente na Síria, para procurar um refúgio seguro na Europa. A Organização Internacional para as Migrações informou esta semana que mais de 2.760 migrantes morreram este ano quando tentaram fazer a travessia pelo Mar Mediterrâneo.


Ainda na edição de setembro da revista digital em inglês, os jihadistas mostram fotografias da destruição de dois templos da cidade síria de Palmira, classificada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura como Patrimônio Mundial da Humanidade em 1980.

A publicação jihadista divulgou também fotografias de dois reféns, o norueguês Ole Johan Grimsgaard-Ofstad e o chinês Fan Jinghui. Nas imagens, os dois reféns aparecem com cartazes com a frase em inglês: "Prisioneiro à venda".


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade